domingo, 1 de maio de 2016

FILMES - ÓDIO E AMOR: AMERICAN HISTORY X E A VIDA É BELA

Olá, colegas. Filmes. Como gosto de ver filmes. Dizem que “uma imagem vale mais do que mil palavras” e deve ser por isso que muitas vezes cito passagens de filmes em alguns artigos escritos por mim. É evidente que num livro de um escritor como Kafka, por exemplo, os dramas humanos são refletidos de maneira pungente e absolutamente magistral. Porém, quando conseguimos associar alguma ideia a uma imagem, ou a um som, ou a um gesto, não sei, parece que a mensagem fica muito mais real e nítida para nós humanos.

  Sou, como já deixei muitas vezes claro por aqui, extremamente agradecido aos meus pais. Se ao meu pai devo alguns entendimentos sobre o mundo, a minha mãe devo muito a minha formação ética. Hoje em dia consigo compreender como ela foi muito sábia em algumas atitudes da minha criação. Uma delas foi o fato da minha mãe me ensinar a jamais falar “Eu Te Odeio” ou “Eu odeio alguma coisa". Quantas vezes ela me disse isso e como isso entrou profundamente no meu ser. Eu nunca disse essas frases, nem mesmo para pessoas que quiseram me prejudicar profundamente. É simplesmente um sentimento que nutro. Talvez ela não soubesse, mas ela simplesmente estava aplicando a quarta verdade fundamental para Buda: o caminho óctuplo para a iluminação. Uma das variantes é o falar e pensar corretamente.  Quando vejo pessoas se referindo ao país em que nasceram e habitam como “Bostil”, por exemplo, apenas fico triste, pois essas pessoas não percebem que elas mesmos criam a realidade que tentam evitar.  Portanto, sou extremamente agradecido a minha mãe de desde pequeno ter extirpado o ódio do meu coração.

  O ódio é uma bagagem pesada na vida de um indivíduo. É algo que não traz absolutamente nada de positivo para a vida das pessoas. O ódio apenas faz aparecer a desunião e o sofrimento. “Mas qual é a ligação entre os dois parágrafos, Soul?”  Ontem, revi um dos grandes filmes já feitos. Aliás, há certos filmes que não me canso de assistir, é sempre um prazer poder ver novamente. O filme chama-se “American History X” (traduzido para o português como "A Outra História Americana), e é o melhor filme sobre ódio já produzido. 

Um grande filme


  Há cenas simplesmente brilhantes na película. A cena inicial é impressionante. Edward Norton conseguiu fazer uma expressão de ódio que eu poucas vezes vi uma atuação parecida. Não é à toa que ele foi indicado ao Oscar de melhor ator, e dizem que essa foi a sua melhor atuação. O filme trata da história de um jovem, irmão do E.Norton, que está se enveredando para um grupo neo-nazista. Ameaçado de expulsão do colégio, o diretor ,que é um negro, determina que ele deve escrever um artigo chamado American History X, uma reflexão sobre a vida dele e como ele veio a  pensar que o ódio poderia ser uma solução para algo na vida. No mesmo dia, seu irmão (E.Norton) é solto da prisão e o filme intercala cenas do presente com lembranças e branco e preto do passado.

  A cena da discussão de E.Norton com o namorado judeu da Mãe é fantástica. Ou quando o irmão reflete onde pode ter nascido as sementes do ódio de seu irmão E.Norton, e ele relembra o Pai falando sobre ações afirmativas, pquando a família está reunida almoçando. Enfim, as reflexões são inúmeras. É um relato forte, cru e absolutamente magistral sobre como o ódio só leva a dor e sofrimento. No meio do filme, o mesmo diretor negro pergunta a E.Norton (logo depois dele sofrer um estupro na prisão), uma das questões mais fundamentais e precisas que já vi sobre ódio “Sua vida melhorou de alguma forma com as suas ações?

Essa cena e essa expressão...

  Veja o filme. Se já viu, reveja.  Como disse anteriormente, E.Norton foi indicado ao Oscar de melhor ator, mas ele acabou perdendo para o ator italiano Roberto Benigni protagonista do belíssimo filme “A Vida é Bela”. O prêmio foi bem dado. Se num filme a temática é Ódio, na outra o tema é o Amor.

  Eu iria apenas escrever sobre o ódio, mas depois de saber dessa curiosidade sobre o Oscar de melhor Ator, achei muito interessante a coincidência. O filme italiano é muito bom. Daqueles que você se sente bem e feliz depois de assistir, apesar do final ser triste. A mensagem de como o amor pode ser mais forte do que o mais inveterado ódio é muito forte e uma pena que cause pouca ressonância nos dias de hoje.

Que filme maravilhoso!

  Não há nada mais forte do que o Amor. É apenas por ele que creio ser possível a construção de uma vida mais equilibrada, seja a nível individual ou a nível coletivo. Acho extremamente triste a frase tão repetida de que devemos nos preocupar apenas conosco e com a nossa família mais próxima. Quem pensa e age assim não sabe o quanto de vida se perde com esse tipo de atitude e quão mais pequena fica a nossa própria vida.

  Amor e ódio. Ódio e amor. Se quer refletir sobre esses dois temas, centrais para o caminho de uma vida feliz e plena, assista aos dois filmes, um seguido do outro de preferência.


  Um grande abraço a todos!

37 comentários:

  1. Em tempos de fortalecimento de políticos como Bolsonaro, este artigo que tenta entender as causas do sentimento de ódio é bem pertinente. Por que a tortura é glorificada? Muitos sentimentos de ódio orbitam en torno dessa triste figura da nossa política. 8% do eleitorado votam nessa pessoa para presidente. Parece que o ódio cresce no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Muitas pessoas que querem o Bolsonaro estão insatisfeitas com muitas coisas no país. Assim como as pessoas que querem o Trump ou o Sanders nos EUA. Não creio que a maioria dessas pessoas seja levada pelo ódio. Porém, é inegável que o ódio é algo contagiante. Espero que não seja esse o caminho pelo qual nosso país se enverede.
      Abraço

      Excluir
    2. O Anônimo aí realmente não foi a fundo na história e fica repetindo o que a imprensa progressista e o professor de história disseram a ele.

      Primeiro que o Ustra não foi condenado em última instância. Segundo que a anistia foi justamente o perdão aos dois lados, militares e terroristas. Terceiro que todo preso acusa a polícia de tortura, principalmente se for para ganhar indenizações de centenas de milhares de reais e aposentadoria pro resto da vida.

      Quem tem o mínimo de estudo e conexão com a realidade sabe que não existiu ditadura militar. Houve um regime militar amplamente apoiado pelo povo.

      "Uma mentira repetida diversas vezes torna-se verdade"

      Abçs!

      Excluir
    3. Investidor I.,
      Nós vivemos um momento de exceção, com supressão de garantias mínimas. O simples fato de você poder escrever um texto, e você já escreveu diversos, sobre como esse governo é ruim, é uma prova que nesse aspecto estamos bem melhor do que há 40 anos.
      A tortura praticada pelo Estado é abominável e deve ser repudiada. A essência do Estado Moderno é que abdicamos da violência de uns contra os outros, para que o Estado tenha o monopólio da força, força essa a ser utilizada dentro, num regime democrático de direito, dos limites legais. Quando agentes estatais abusam disso, eles estão abusando e desvirtuando a essência principal do Estado Moderno.

      Não creio que um regime militar apoiado ou não pelo povo, possa deixar de ser caracterizado como uma ditadura. Eu, sinceramente, gostaria de entender por qual motivo tantas pessoas enxergam atualmente algum tipo de virtude nos anos de ditadura brasileira. Os militares levaram o Brasil para o colapso econômico, abusaram direitos humanos, e lançaram a semente para muitos dos problemas que hoje vivemos. O Exército tem a sua função num Estado Moderno, e ela, infelizmente, ainda é importante num mundo não-pacífico. Com certeza a função deles não é Administrar um país.

      Abraço colega!

      Excluir
    4. Soul,

      O mundo da década de 60 viveu uma polarização muito grande entre capitalismo e socialismo. O Brasil corria um risco de golpe dos dois lados e os militares foram mais rápidos. A sociedade pediu e foi atendida. "O Brasil não será uma nova Cuba" dizia o cartaz. O congresso também apoiou. A imprensa apoiou.

      Enquanto as pessoas ficarem na cabeça achando que do nada os militares resolveram um belo dia derrubar o governo e instaurar uma ditadura maléfica que saía prendendo as pessoas sem motivo e torturava nos porões, não vão conseguir entender nada mesmo.

      Era pro governo militar ter acabado em 69, só que os grupos terroristas que proliferaram no Brasil e cometiam desde sequestros até roubos e assassinatos fez com que os militares permanecem mais tempo. Era esse tipo de gente que era presa pelos militares.

      Os militares fizeram um monte de besteira na administração pública? Fizeram. Foram extremamente estatizantes e criaram uma dívida enorme. Por outro lado, as obras pública feitas no período permanecem até hoje e veja a diferença para as obras de hoje que não duram nada e custam uma fábula!

      Abçs!

      Excluir
  2. Olá Soul,

    Parabéns pelo artigo! Eu e tantos outros chamamos o Brasil de Bostil porque é EXATAMENTE isso que ele é.

    Um paíszinho de bosta, o primeiro colocado disparado em número de homicídios, uma nação de 99% de acomodados, vagabundos, que só querem arrumar uma teta pública para mamar...

    Em resumo, sem entrar em TODOS os outros problemas que eu não vou citar, um grande depósito de lixo, de norte a sul do país. Recomendo que leia o artigo do colega PFL sobre isso.

    Você, como um cidadão do mundo, sabe muito bem que existem mais de 200 países e NINGUÉM é obrigado a gostar e muito menos (sobre)viver no lugar em que nasceu até morrer.

    Não queira dar uma de romântico porque você sabe muito bem que as coisas não são assim. A vida no Bostil é pior do que a de países em guerra!

    Portanto, a minha indignação e a de muitos outros não tem absolutamente nada a ver com ódio, e sim com o fato de querermos viver em um lugar CIVILIZADO, aonde realmente possamos ter qualidade de vida.

    Quanto aos filmes citados por você, assisti apenas ao A vida é bela, e realmente ele é um clássico e muito bacana pela reflexão que obriga-nos a fazer.

    Grande Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, IL!
      Colega, creio que não entendeu o contexto do que foi dito. Não fiz uma relação entre a expressão citada e ódio, mas sim entre a expressão citada e o falar e pensar corretamente.
      Tente na sua vida, e verá que poderá melhorar e muito a qualidade de sua vida se começar a tentar colocar em prática essa forma de ver mundo.
      Saindo do juízo de valor e indo para juízos de fato:
      a) O Brasil está longe de ser o país mais violento do mundo por mortes por 100 mil habitantes. Esse posto é ocupado por Honduras se não me engano, com mais do dobro de homicídios per capta
      b) Pense colega. Se 99% dos brasileiros fossem acomodados e não fizessem nada, muito dificilmente conseguiríamos fazer coisas básicas como voar de avião, ter acesso a internet, etc.
      c) A vida no Brasil é melhor do que a esmagadora maioria dos seres humanos possui no planeta terra. Acredite colega, você não quer saber o que é a vida num país em guerra civil como a Síria, por exemplo.

      No mais, agradeço a mensagem e um grande abraço!

      Excluir
    2. Nosso percentual de acomodados obviamente não é de 99% mas deve beirar os 40-50%

      Excluir
  3. A vida é bela

    Um dos melhores filmes que já vi, uma das melhores atuações de um ator.

    Bravíssimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom mesmo, Guardião.
      Nessa concordamos 100%!
      Abraço!

      Excluir
    2. Não creio que tenhamos mais discordâncias que concordâncias, mas...

      Nosso ponto de distinção está na questão de nosso povo. Você pensa "A" e eu penso "Z".

      Mas garanto que a visão de uma sociedade justa, digna, honrada é parecida. O que preferiria? Morar numa sociedade moldada aos padrões suecos ou aos padrões brasileiros?

      Excluir
    3. Olá, Guardião.
      Claro, colega. Não tenho a menor dúvida sobre isso. Você parece ser um ótimo ser humano, aquele tipo de pessoa que será um ótimo exemplo para o filho. Só posso ter muitas coisas em comum com uma pessoa como essa:)
      Olha, é difícil responder. Conheci um suíço de meia idade e viajei com ele uns dias. O cara era tão metódico que estava começando a “encher o meu saco”. Lembrei então de um Alemão que disse uma vez que o que mais gostava no Brasil era a “esculhambaçon”. Ou seja, até a nossa esculhambação é motivo de alegria para alguns estrangeiros e eu posso entender o motivo. Nosso povo possui muitas boas características. É evidente que possuímos algumas características bem ruins, a falta de educação é uma delas. Por isso, precisamos tomar cuidado para que discursos de ódios não inflame a nossa população, ainda mais num período tão acirrado da nossa história.

      Abraço!

      Excluir
  4. Dois ótimos filmes. A vida é bela é realmente um filme muito bonito. Gosto de filmes assim, infelizmente produções nesse nível são raras.

    ResponderExcluir
  5. Bom post como sempre, Soul. Indico o primeiro filme do E. Norton em Hollywood: As duas faces de um crime http://www.imdb.com/title/tt0117381/?ref_=nm_flmg_act_37. Pelo qual ele foi indicado ao Oscar também. Um tema menos espinhoso do que em American History X, mas você, principalmente por ser da área, pode achar interessante.

    Não sei o que aconteceu com o Norton. De 1996-1999, ele fez este filme, o que você citou, Cartas na Mesa e Clube da Luta. Depois desse período, poucos bons filmes. Parece que o apetite por grandes trabalhos diminuiu.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Não lembro de ter visto esse filme, vou procurar.
      É verdade, clube da luta é outro clássico.
      Obrigado pela dica de filme, sempre bem-vindo.
      Abraço

      Excluir
    2. "Duas faces de um crime" é muito bom!

      Excluir
  6. Eu até queria muito ver esse filme (a outra história americana). Mas já me contaram de uma cena do filme (que tem a ver com um meio fio) e por isso acho que eu não teria estômago para assisti-lo.

    Se não fosse por isso, certamente já o teria visto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. A cena é forte, mas é muito importante na construção do filme.
      Não se preocupe, ela é feita de uma maneira a não ser grotesca para quem assiste.
      Abraço

      Excluir
    2. Realmente essa cena não tem nada de mais.
      O E. Norton apenas insinua que vai fazer, mas a câmera não mostra. Na história do filme ele efetivamente faz, mas não é nada explícito.

      Não é algo que impeça de ver esse filmão.

      Excluir
  7. Belo post! Assisti somente a vida é bela. Um excelente filme. Inclusive vivo esse drama hoje.Tenho um sério problema de saúde e passo para meu filho que a vida é bela!Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Seu problema de saúde ainda persiste? Lembro de uma postagem sua ainda em 2014 aqui no blog a respeito. Espero que sua saúde possa se estabilizar, colega.
      Um grande abraço

      Excluir
  8. Soul, no Brasil como você tratava os pedintes nas ruas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Com respeito e sem pré-julgamentos. Entretanto, não dou dinheiro para crianças.
      Abs

      Excluir
    2. Tem um motivo especifico para não dar dinheiro? Evitar exploração de menor por parte dos pais?

      Excluir
  9. "Quando vejo pessoas se referindo ao país em que nasceram e habitam como “Bostil”, por exemplo, apenas fico triste, pois essas pessoas não percebem que elas mesmos criam a realidade que tentam evitar. "

    Você só pode estar de sacanagem né?
    Quer dizer que por exemplo todas as 70000 pessoas assassinadas por ano são direta ou indiretamente culpadas por isso?
    Eu entendo que pra você o Bostil é um paraíso, afinal ele te proporcionou um vida mole, agora essa sua afirmação é um desrespeito às pessoas de consciência.

    Cara, eu odeio gente como você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, colega. Você não entendeu. Ainda pela falta de compreensão, escreveu uma mensagem agressiva. O que isso melhorou em sua vida?
      Quando se usa um termo desse em relação ao próprio país, sua vida não vai melhorar em absolutamente nada, na verdade só vai fazer sua vida piorar. Isso não quer dizer, como levantado por outro comentário, que você não possa querer sair do país ou que mesmo não goste de onde mora. Esse não é o ponto. O ponto é como você encara a sua presente situação, dependendo da forma que você encara a situação, do ponto de vista mental, melhor ou pior será a vida para você.
      O seu comentário sobre mortes e desrespeito, portanto, não tem qualquer sentido ou fundamento. O seu sentimento em relação a mim faz apenas mal a você. Como disse Buda, é como você cuspir para o alto e achar que não será você o atingido.
      Desejo o melhor para você e sua família.

      Excluir
    2. A forma de como você encara a realidade não vai fazer ela mudar, a realidade é absoluta. Criar ilusões ou "wishful thinking" é só escapismo.
      Com todo o respeito, você ainda não tem idade ou vivência suficiente para opinar sobre determinados assuntos.

      Excluir
    3. Por favor, pare de ficar citando Buda a toda hora e fora de contexo. Isso só demonstra a sua ignorância em relação às verdades que ele pregava.

      Excluir
    4. Cara, como você pode desejar o melhor para a familia de alguem que diz te odiar?

      Excluir
    5. Anônimo1,
      Depende. Você pode encarar as vicissitudes da vida com Altivez ou com vitimismo, por exemplo, e isso irá mudar a forma como você enxerga a realidade.

      Anônimo2,
      E quais seriam as verdades que ele pregava? Ilumine-nos.

      Anônimo3,
      Fácil, não tendo rancor. Além do mais, uma pessoa com ódio no coração irá ficar ainda mais rancorosa se coisas ruins acontecerem com ele ou com a família. Assim, acontecendo boas coisas, quem sabe o rancor não vai diminuindo aos poucos.

      Excluir
    6. Soul, pare de ficar alimentando os trolls!
      Os caras escrevem essas palhaçadas porque te odeiam e tem inveja de você, querem que você morra. Ignore eles.

      Excluir
  10. Oi Soul!

    Eu entendi que quando você escreveu para parar de utilizar a palavra "bostil" foi no sentido de melhorar a percepção atual das coisas.
    A pessoa ao indicar que mora no "bostil" automaticamente invoca para si tudo aquilo que a pessoa abomina e acaba por se sentir pior.
    Correto?
    Acho que isso ficou muito nas entrelinhas...

    Gostei quando você citou a raiva no texto, acredito que seria um ótimo tópico a ser explorado.
    A raiva é um dos pecados capitais, e talvez o mais difícil de segurar, pois a é possível sentir raiva de um acontecimento de décadas atrás, com a mesma intensidade do momento que você sentiu a primeira vez.
    Mesmo utilizando a razão não é possível extinguí-la totalmente, e aceitá-la como consequência natural da pessoa humana, apesar de soar bem aos ouvidos, não muda o fato dela continuar causando ansiedade, depressão, e frustação.
    Sentimentos mais "dóceis" também podem evoluir para se tornar raiva como a: Melancolia, desapontamento, tristeza.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Sim, é o que penso. Veja, foi um texto curto. Se eu for colocar explicitamente tudo o que o texto quer significar, ele ficará sensivelmente maior e um pouco fora de contexto.


      Não há problema em sentir raiva, tristeza, etc. Ora, é por meio da tristeza que às vezes nos fortalecemos. A raiva pode nos transpassar por algum momento. Isso é inerente ao ser humano, como bem pontuado por você. Agora, deixar que a raiva se transforme em ódio e turve a nossa racionalidade, isso sim é evitável.

      Abraço!

      Excluir