quarta-feira, 4 de março de 2020

EXAMES LABORATORIAIS - PARTE 1 - SAÚDE METABÓLICA


Olá, prezados leitores. O presente artigo trata sobre exames de saúde laboratoriais que você pode querer, ou não, monitorar. Eu não sou médico, nem nutricionista, nem farmacêutico, por isso não me perguntem sobre tratamentos, doenças, etc, pois eu não tenho formação e nem conhecimento para ajudar. Tudo aqui escrito é resultado da minha busca individual de conhecimento.

                A minha última bateria de exames mediu 62 parâmetros. Sim, sou um ponto fora da curva, já que quando os médicos pedem exames laboratoriais, isso quando a pessoa faz exames anuais (eu costumo fazer semestrais), dos mais simples possíveis, o que muitas vezes pode ser terrivelmente enganoso.

                Irei separar os exames por tópicos. Isso é apenas uma ferramenta mental minha para visualizar todos esses resultados, não é nada técnico ou reconhecido por alguma organização de saúde.


SAÚDE METABÓLICA

                Coloco como saúde metabólica, pois estes exames tendem a verificar como anda o seu metabolismo de energia. O seu corpo está eficazmente metabolizando a glicose que você consome (o substrato mais utilizado por quase todas as pessoas para oxidação) ou há algo errado?
                Geralmente, as pessoas fazem apenas um único exame para averiguar isso, que é a glicemia em jejum. Isso é de uma pobreza sem igual, pois só com esse dado, a não ser em casos já de franca doença, não é possível saber sobre a saúde de uma pessoa.  Algumas outras pessoas vão um pouco mais além e fazem um exame chamado A1C ou hemoglobina glicada. Esse exame tem o seu mérito, mas possui diversas limitações também. Eu faço, e sugiro, três outros exames, dois extremamente importantes.

Exames

   A)Glicemia de Jejum – Esse exame busca ver a quantidade de glicose em seu sangue depois de 8 a 12 horas de jejum. O motivo desse exame é que se depois de várias horas sem comer, o seu organismo está com uma glicemia alta, é porque há algo muito errado.

-É considerado normal até 99mg/dl. Mas, é preciso entender que isso é um continum. O diagnóstico de diabetes se faz com glicemias em jejum acima de 126mg/dl, mas isso não quer dizer que alguém com 123mg/dl já não seja diabético ou esteja numa situação muito melhor.

-Um nível entre a metade superior dos 70 e a metade inferior dos 80 é considerado ótimo.

- O problema desse exame é que se mede apenas um ponto no tempo e não diz absolutamente nada sobre o que acontece com a glicemia da pessoa quando ela come, que é o que realmente importa.

- O meu caso: eu apresento-me com glicemias de jejum que num exame dá 83, por exemplo, e em outros dois deram 98, o que me colocaria na condição de quase pré-diabético, o que não faz muito sentido. Há explicações de porque eu posso ter uma glicemia um pouco mais elevada em algumas manhãs, mas não entrarei aqui.

   B)A1C (Hemoglobina Glicada) – Quando uma molécula de glicose, algo “grudendo” do ponto de vista molecular, se liga a uma molécula de hemoglobina, esse vínculo não é desfeito. Sendo assim, ao se medir a quantidade de hemoglobinas que sofreram glicação, por meio de fórmulas é possível estimar a média de glicose de um indivíduo nos últimos 60-90 dias. Esse é um exame com capacidade de diagnóstico muito melhor do que uma simples glicemia de jejum.

- Níveis ótimos são de 4.5% a 5.2%. Tudo abaixo de 5.7% (significa que 5.7% da sua hemoglobina encontrada na amostra do laboratório sofreu glicação) é considerado normal. De 5.7% a 6.4% é considerado pré-diabetes e acima de 6.5% diabetes;

- Há problemas, porém,  com esse exame. As fórmulas que fazem a média de glicose não levam em conta a flutuação da mesma. Assim um indivíduo que tem grande flutuações glicêmicas, o que é prejudicial ao coração, cérebro e quase tudo o que você possa imaginar em seu corpo, talvez possa ter uma A1C normal, apesar de ser francamente diabético.  Porém, o problema principal é que as mesmas fórmulas colocam um tempo de vida médio padrão de 90-120  dias para as hemoglobinas. Entretanto, há uma grande variação individual na vida média das red blod cells. Se suas hemoglobinas tem um prazo médio de vida maior do que 90-120 dias, a sua A1C será artificialmente maior (pois como as hemoglobinas vivem mais, elas têm mais tempo para ser glicadas), por outro lado se o tempo de vida é menor, a A1C será artificialmente baixa. Há ainda um terceiro fator, e isso é bem geek. Quase ninguém sabe, mas há um enzima que faz a “deglicação”, então há pessoas que podem ter uma glicemia alta, mas uma atividade dessa enzima específica alta, dando um baixo número em relação a A1C. E há pessoas que podem ter uma atividade baixa dessa enzima.  Isso é genético e muito difícil de medir fora de laboratórios preparados para estudos técnicos.

- meu caso. Minha A1C varia entre 5.4% a 5.8% o que me colocaria na condição de pré-diabético. Foi por causa desse exame alterado há 18 meses que eu fiz um mergulho de cabeça no tema saúde e otimização de vida. Foi por causa dele que eu comprei um medidor contínuo de glicose. Pois a A1C é apenas uma estimativa, o medidor contínuo de glicose mostra o que acontece exatamente na sua glicemia.  Pois bem. Pelo controle dos meus medidores, e pelo controle que faço no sangue com materiais de teste caseiro, eu não possuo variações bruscas de glicose, ela dificilmente passa dos 120 mg/dl mesmo com o consumo de bastante carboidrato, e pela média das 24 horas, a minha A1C deveria ser entre 4.8 e 5%. O meu caso é mais comum do que se imagina. O próprio Dr. Peter Attia que usa um monitor há 3 anos e faz todos os seus pacientes utilizarem um por alguns meses ao menos, já comentou que a A1C quase nunca bate com o que o sensor realmente mede na grande maioria dos casos, sendo um erro de 15-20% para mais ou menos. Peter Attia, por causa disso, não pede mais exames de A1C dos seus pacientes, por achar um dado irrelevante.

 C)Insulina – esse exame mede o hormônio insulina depois de 8-12 horas de jejum. Quase nenhum médico pede e não deveria ser assim, pois esse é um dos exames mais importantes a ser feito por alguém, já que é simples e barato. A insulina está relacionada a uma série enorme de processos metabólicos, sendo um deles ativar transportadores de glicose para a membrana das células para o controle da glicemia sanguínea. Não produza insulina, e você é um diabético tipo 1. Produza insulina demais e você está no caminho para ser um diabético tipo 2. 

- níveis ótimos e saudáveis são abaixo de 5. A referência laboratorial vai até 30. Prezado leitor, se depois de 8-10 horas de jejum, a sua insulina está em 15 é porque o seu organismo está com problemas metabólicos e você está no caminho para o desastre (o que me assusta é que uma endócrino disse uma vez para a minha mulher que uma insulina dessa era normal e não era alta). Uma insulina de jejum de 25 é basicamente um diabético não diagnosticado. Quase ninguém deve ter uma insulina ótima nos tempos de hoje, mas deveria ser o seu objetivo.

- a minha insulina varia entre 2 e 3, o que mostra que sou extremamente sensível á insulina, o que deve ser buscado por todos. Quanto maior a insulina de jejum, significa que mais resistente o seu corpo vai ficando à insulina, e resistência insulínica está associado a quase tudo de ruim que acontece com doenças degenerativas (demência, doenças cardíacas, câncer, etc, etc).

   D)Exame de Tolerância à Glicose cumulado com medição de Insulina – Talvez você não precise de nenhum dos três exames acima, pois este aqui é o padrão ouro para saber como está a sua saúde metabólica. Quantas pessoas eu conheço no Brasil que já fizeram esse exame? Nenhuma. Quantos médicos eu já vi pedindo esse exame? Nenhum.  Esse exame consiste em tomar uma solução nojenta de 75 gramas de glicose (é como um refrigerante ainda mais adocicado) e medir o que acontece com a sua glicemia. Esse teste várias pessoas fazem (medir apenas a glicemia). O segredo porém, e isso foi descoberto por um médico na década de 70 chamado Kraft, é medir também a insulina e ver como é a secreção desse hormônio em relação a um desafio de glicose.

- Muitos diabéticos e pré-diabéticos, que passam com louvor nos exames de A1C e glicemia de jejum, são diagnosticados quando se mede a glicemia depois de 75 gramas de glicose (algo como 200 gramas de macarrão ou 250 gramas de arroz branco – nada muito fora do que a maioria das pessoas come no dia a dia 3-4 vezes por dia). Um sujeito pode ter a glicemia de 85 mg/dl, uma A1C de 5%, e depois de 75 gramas de glicose ver a sua glicemia em uma hora disparar para 180-190 mg/dl. O consenso é diagnosticar diabéticos quando depois de duas horas a glicemia estiver acima de 200mg/dl e pré-diabéticos quando a glicemia estiver acima de 140mg/dl. Aqui mora a vantagem de monitores contínuos de glicose. A pessoa pode saber o que acontece não apenas quando ela ingere algo como 75gramas de glicose, mas quando ela come arroz com feijão, macarrão, sorvete, um pão integral, etc. Se a sua glicemia chegou a 160 mg/dl em qualquer momento no monitor é porque há algo muito errado. O teste em laboratório só mede no minuto zero, 60min e 120min (eu aconselho acrescentar o minuto 30 ou 45, pois segundo estudos o pico de glicose em pessoas saudáveis acontece na maior parte nesse intervalo).

- Porém, o pulo do gato é medir a insulina junto com a glicose. Há padrões de resposta, e há apenas um padrão saudável que é o padrão I. Todos os outros são considerados diabetis in situ. Eu creio que na média da população brasileira, ou americana, pessoas acima de 35 anos, algo em torno de 85-90% das pessoas não teriam um padrão bom de resposta insulínica, isso colocaria a esmagadora maioria da população com problemas metabólicos ou uma saúde comprometida.

- eu já fiz duas vezes esse exame. O meu padrão sempre foi o mais saudável o do tipo I. Na última vez, minha insulina de jejum estava em 2 e voltou para 2 apenas duas horas depois, colocando-me numa posição de extrema sensibilidade à insulina (mesmo pelo padrão I, espera-se que a insulina volte ao basal apenas 4 horas depois da ingestão da glicose).
obs: minhas medidas de glicose foram ótimas na primeira vez que fiz. Já na segunda, minha glicemia caiu consideravelmente, e fiquei até um pouco hipoglicêmico. Perguntei pessoalmente isso ao famoso Dr. Souto, numa consulta paga, e ele não me deu uma resposta tão clara de que por isso tinha ocorrido, apenas me disse que eu estava absurdamente sensível à insulina.


Portanto, tendo em vista o meu monitor contínuo de glicose, minha insulina de jejum, e especialmente a minha medição de insulina depois de um desafio de 75 gramas de glicose, eu consigo analisar os meus números de A1C com muito mais confiança. Aposto que quase todos os médicos não passaria pela cabeça todas essas explicações, e apenas apontaria que eu sou quase pré-diabético, o que não faria o menor sentido tendo em vista uma investigação mais profunda e testes muito mais condizentes para averiguar a saúde metabólica. Eu tomei a responsabilidade da minha saúde para mim mesmo, e sou profundamente agradecido de ter tomado essa decisão.

Já se passaram três folhas, e vou ter que fazer uma série de exames laboratoriais, porque senão o artigo vai virar um capítulo de um livro.

Até a próxima!
               


30 comentários:

  1. Olá Soul, muito bom o seu artigo, na sua opinião o que vc acha de cirurgia de varizes (retiradas das safenas) uma vez que estão dilaceradas? abs

    ResponderExcluir
  2. Qual medidor contínuo de glicose você usa, Soul?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Erick. Uso o único vendido no Brasil da Abbott chamado Free Style Libre.
      Eu gostaria de fazer testes com o G6 da dexcoom, mas além de ser mais caro, não vende aqui.
      Um abs!

      Excluir
  3. Respostas
    1. Olá, Scant.
      Acredito que vai ter mais umas 3-4 partes.
      Um abs!

      Excluir
  4. Olá colega,
    Permita-me dar uma opinião sobre o assunto:
    Penso que você está obcecado e ansioso sobre o tema.
    É evidente a importância de fazer exercícios físicos + boa alimentação + dormir bem = pois o resultado será positivo.
    Agora, controlar diariamente a glicose ou fazer mil e um exames, pra mim beira a compulsão.
    É mais ou menos como o cara que quer ficar rico cedo e para isso economiza tanto que fica rabugento, miserável, incapaz por exemplo de dar gorjeta para alguém que prestou um serviço para você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo.
      a) Permito.
      b) Você não é o primeiro, nem o segundo, e não será o último. Eu creio que isso é um mecanismo de defesa amigo. Quase que uma projeção, e não falo por mal.
      Estou longe de estar obcecado ou ansioso. Aliás, eu nunca fui ansioso na minha vida, e isso é uma das minhas características que impressiona a minha mulher, no meio de um mundo cheio de pessoas ansiosas.
      Sobre obcecado , se for no sentido de eu achar muito bacana estudar e saber o que acontece comigo, aí talvez podemos usar esse símbolo lingúistico. Se for no sentido de que de alguma forma isso está interferindo no meu funcionamento como pai, companheiro, investidor, humano, etc, não, está longe de ser o que acontece.
      Quando falo que é um espelho, essa é uma reação normal de pessoas que às vezes não entendem sobre algo, ou não se veem fazendo esse algo, em relação a outras pessoas que se interessam ou fazem esse algo.
      c) Eu acho que um monitor contínuo de glicose deveria ser utilizado por todos por um mês. Um aparelho desses vai te ensinar mais sobre a sua saúde do que diversas idas a médicos, diversos livros de nutrição, etc, etc. É simplesmente autoconhecimento do próprio corpo e como ele interage com o organismo.
      Sobre diversos exames, no começo já disse que sou um ponto fora da curva. Cada um faz os exames, ou deixa de fazer, que achar mais conveniente.
      d) A sua comparação não me parece fazer qualquer sentido, com todo o respeito é claro.

      Um abs!

      Excluir
  5. Mais uma vez, parabéns pelo conteúdo e por se dispor a compartilhá-lo. Ainda estou "digerindo" o seu artigo anterior, acerca da relação entre massa muscular e expectativa/qualidade de vida.

    Acerca do uso da creatina, você já leu ou ouvi em podcast algo relevante que fuja da linha comum dos sites de hipertrofia?

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo.
      Creatina é um dos suplementos que talvez eu vá utilizar. Como eu ingiro bastante carne, talvez eu não tenha essa necessidade. Mas a creatina é um aminoácido essencial, inclusive para função cognitiva.
      Tem um estudo famoso, citado muito por médicos que pregam uma dieta exclusiva de produtos animais, que vegetarianos que consumiram um suplemento de 5g de creatina melhoraram a sua função cognitiva (medida por meio de um teste padrão) depois de algumas semanas.

      Um abs!

      Excluir
  6. Excelente artigo, Soul. Apenas uma dúvida: o valor de referência do exame de insulina mencionado é medido em mU/L (ou múltiplos desta unidade)? Fiz um exame chamado "Insulina com Índice HOMA" cujos valores de referência estão entre 2 e 13 mU/L. Este valor de 30 deve ser o limite máximo medido pelo exame, não? Grato pela informação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo.
      a) sim, essa é a medida. A referência varia de laboratório para laboratório, mas se a referência de normalidade for de 2 a 13 está muito mais condizente com os estudos.
      b) HOMA-IR vem do nome Homeostatic Model Assessment of Insulin Resistance. É uma fórmula que correlaciona o grau de resistência à insulina (ou sensibilidade a ela), baseado na glicemia em jejum e na insulina de jejum. É um índice bacana e com muito mais poder preditivo do que A1C ou glicemia de jejum.
      Níveis ótimos abaixo de 1, até 2 considerado normal, acima de 2 já mostra resistência à insulina, quanto maior pior.
      Você pode usar essa calculadora aqui: https://www.thebloodcode.com/calculators/

      Abs!

      Excluir
  7. Parabens pelo seu blog sempre acompanho e nunca tinha comentado. Parabens pela IF.
    Sobre o assunto do post, sou medico e gostaria de fazer alguns breves comentarios:
    - A glicemia de jejum e a hemogl glicada são otimos exames para screening pensando na população em geral. Obviamente casos especificos tem q ser individualizados, daí a funçao do profissional de saúde, mas de um modo geral funcionam muito bem
    - Admiravel seu nivel de detalhismo em relaçao a suas mediçoes de glicemia. Mas na prática o q muda se vc estiver com gli jejum de 80 ou 95? Ou insulina 2 ou 6? As orientaçoes serao as mesmas, intensificar dieta, atividade fisica e manter estilo de vida saudavel.

    Cuidado para não virar refém de numeros objetivando indices perfeitos. Minha sugestao eh manter estilo de vida saudavel e ter um medico de confiança para te orientar.

    Abracao e parabens mais uma vez pelo blog,

    Marcos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcos.
      - não, são exames insuficientes. A medição de insulina, de jejum mesmo a nível populacional, deveria ser o padrão. Um índice como o HOMA-IR tem um valor preditivo muito maior.
      Um exame de OGTT com medição de insulina tem um poder preditivo enorme para o desenvolvimento de síndrome metabólica. Ele capta com 5-10 anos de antecedência.
      Todos os casos devem ser individualizados, aliás esse é o caminho que a saúde deve tomar nos próximos anos: a individualização.

      - Se eu estiver com uma glicemia jejum de 95, sem uma explicação para isso, e se o meu metabolismo quando mais jovem funcionava como uma glicemia de jejum na casa dos 80, significa que está havendo piora de como se metaboliza carboidratos. Com base nessa informação, a pessoa pode fazer escolhas dietéticas mais condizentes com a sua crescente intolerância a carboidratos.
      Uma insulina de 2 ou de 6 não vai fazer muita diferença, é preferível 2, mas 6 ok. Esse não é o problema. O problema é alguém com uma insulina de 15 (sem saber disso pois ninguém pede) com uma glicemia de 95 que dá um HOMA-IR de 3.5, claramente resistente à insulina e sem saber disso, e estar prestes a se tornar diabético e nem saber.

      Isso de intensificar dieta, atividade física e manter estilo de vida saudável parece discurso de miss, para mim tem zero apelo às pessoas, é como dizer "coma uma dieta equilibrada".

      O que é intensificar dieta? Que tipo de exercício? Que hábitos saudáveis?
      As pessoas deveriam saber os riscos que correm atualmente, tapar o sol com a peneira é uma escolha individual de cada um, agora isso está longe de ser a melhor estratégia.

      Um abs!

      Excluir
  8. Sugiro um texto sobre “hipocondria” e um outro sobre “TOC”

    ResponderExcluir
  9. Olá Soul, obrigada por compartilhar conhecimento. Este texto foi bastante esclarecedor. O que você acha de suplementos? Vitamina D, K2, Ômega 3, entre outros, rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega.
      Suplementos, como o nome diz, deve ser formas de auxiliar, não a fonte principal para um determinado nutriente.
      Vitamina D, pegue mais sol, por exemplo. Vitamina D atua em conjunção com vitamina A que precisa de vitamina k2, que é influenciado pelo cálcio, que por sua vez é influenciado por magnésio, etc, etc.
      A melhor forma é ter uma boa alimentação.
      A vitamina k2 é uma vitamina mais difícil de se achar em comidas, não há em plantas (a não ser algo como natto), e para animais terem em boas quantidades eles precisam ser grass fed. Eu, pelo meu risco cardíaco aumentado, vou suplementar com k2 mk-7.
      Ômega 3 , para saber se há necessidade, o ideal é fazer um teste chamado omega 3 index. Eu fiz, meus níveis são ótimos, e não vejo razão para suplementar no meu caso.

      Suplementação deve ser caso a caso e depois de feitos os exames adequados para saber a real necessidade.

      Um abs!

      Excluir
    2. Soul, alguma chance no futuro de uma série de posts sobre alimentação e outra sobre suplementos?

      Qual marca de azeite vc recomenda no brasil?


      .

      Excluir
  10. Soul, há algum teste genético nacional que você recomende para ajudar na adequação da dieta? dei uma olhada no da genera, mas achei pouco detalhado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Julato.
      O campo da nutrigenômica vem crescendo bastante. Como disse num comentário acima, a tendência é uma individualização cada vez maior. Um alimento pode ser bom para mim, mas não tão bom para você, e pode haver explicações genéticas para isso.
      Há alguns genes padrões para se olhar. Eu ainda quero fazer um teste como 23 and me para mim e família, e depois colocar numa dessas plataformas que faz análise.
      No Brasil, infelizmente ainda é bem caro.
      Um abs!

      Excluir
  11. Estou achando muito interessante as postagens sobre o que eu chamaria de "ajuste fino" da saúde, pessoalmente também me interesso nisso e quando eu puder vou pensar em monitorar alguns desses dados, principalmente o cardíaco. Haja sangue :(

    Por outro lado, penso que as críticas aos profissionais que não pedem esses exames não procedem muito, pois as pessoas, em sua imensa maioria, não segue nem a recomendações super básicas de alimentação e exercícios, vamos dizer o mínimo do mínimo que seria estar com um IMC normal, cintura de tantos cm, 30 minutos de atividade física por dia, não consumir drogas, sol na medida certa, dormir bem etc, então perde o sentido essas coisas.

    É o mesmo que ensinar sobre derivativos para quem não faz nem o balanço mensal de gastos e gasta mais que ganha, perda de tempo total. Por isso, concordo com os médicos nesse ponto.

    De outro lado, acho que para pessoas que realmente estão no caminho eles deveriam colocar esses exames, pois inclusive atletas de alto desempenho não fazem tudo isso e alguns morrem, ex. parada cardíaca, apesar que muitos enchem a cara de cerveja e pinga, entretanto creio que os médicos nem sabem ou nem lembram desses exames, pois o custo benefício não vale para a maioria da manada de pacientes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega.
      a) O pessoal faz um drama...Se você tem convênio, o mesmo irá cobrir quase 100% de todos os exames que realizo semestralmente. Em relação a sangue, ao invés de fazer um painel básico, que você demoraria 1 minuto e coletaria uns 2-3 tubos de 3-5ml, você vai ficar na salinha 2 minutos e meio e coletar talvez uns 7-8 tubos de 3-5ml. Sério, não tem diferença alguma, é falta de conhecimento mesmo.
      a.1) o risco cardíaco deveria ser uma das prioridades de qualquer pessoa acima de 40 anos e homem, independente do estado de saúde. 30-40% do primeiro sintoma que há algo errado é morte, o que torna doenças cardíacas assustadoras.

      b) Colega, eu já estive em vários médicos no decorrer da minha vida (muito antes de me interessar por saúde), e sei bem como a coisa funciona. Não pedir insulina? Minha mulher estava com uma insulina de 13, tendo mãe e tia diabética, ela estava no caminho certo para ter uma doença degenerativa. Dificuldade para engravidar (Ovário Policístico, não era o caso dela mas apenas um exemplo, é extremamente correlacionado com resistência à insulina). Uma médica viu a insulina dela, depois de passar por duas, falou que estava alta, ela começou a estudar, fez mudanças dietéticas, a insulina dela baixou e nós tivemos a nossa linda Serena. A quantidade de pessoas prejudicadas por uma prestação de serviço incompleta, mesmo as informadas e com dinheiro, é enorme.
      b.1) Aqui, estou procurando levantar ferramentas para que as pessoas possam reclamar a responsabilidade pelas suas saúdes. É que nem independência financeira. Cada um faz o que quiser com a informação. Algumas pessoas podem se ressentir, outras ironizar, algumas podem ter o estralo de que o que elas mais possuem de importante é a vida, e cuidar da saúde, e saber o que se está fazendo, é um passo importante para uma vida mais plena.

      c) A analogia possui algum sentido, mas não creio que seja tão simples assim. Há 36 meses atrás, eu acharia que óleo vegetal é saudável, que gordura engorda, que ovo é um péssimo alimento, que idosos fazendo musculação não era uma necessidade, que pessoas realmente podem dormir 6 horas por noite e ter uma boa vida, etc, etc, etc, e principalmente confiaria no diagnóstico ou recomendação de um médico sem questionar ou saber o que está ocorrendo.

      d) Como disse, é apenas informação. Cada um faz o que achar melhor com a informação. Não há certo ou errado, desde que a pessoa saiba o que está fazendo.

      Um abs!

      Excluir
    2. Olá, Soul.

      Muito obrigado pela resposta detalhada, sigo acompanhando as postagens.

      abs

      Excluir
  12. Quando aqueles que tem o dom da palavra (ou escrita) se metem, de forma agrandada, a falar sobre temas que não dominam é isso que vemos.

    Dr. Google, quando precisar de segunda opinião busque o Dr. Yahoo, ok? Um monte de baboseiras sem custo-efetividade, baseadas em estudos sem a visão crítica necessária, mas segue o jogo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega.
      Não entendi muito bem. O seu ponto objetivo é? Por que você pareceu, com toda a vênia, a Dilma falando.

      -Quando alguém que escreve bem (por acaso sou eu?, se sim obrigado!), se mete de forma "agrandada" (oi?), vemos alguma coisa (o que vemos?).
      - Busque então (quem, eu, os leitores, os brasileiros) respostas para otimziação de vida no google, e como segunda opinião o yahoo (é isso que tentou dizer?).
      Um monte de baboseira (o que eu escrevi ou o que você acha em pesquisas no google se levarmos em conta que você pode ter sido irônico?), sem custo-efetividade (em relação ao quê, não ficou claro também, saber sobre sua saúde metabólica com simples testes laboratoriais é um custo muito grande sem efetividade, é isso que tentou dizer?), baseados em estudo sem visão crítica necessária (quais estudos? do que você está falando aqui, essa realmente foi enigmático, e qual seria a crítica necessária? Crítica em relação ao quê?), mas segue o jogo (sim, sim, a vida segue meu amigo, com você, sem você, comigo, sem migo, com humanos, sem humanos, com planeta terra, sem planeta terra, com sol, sem sol, pode ter certeza que a realidade - o jogo - vai continuar existindo e o jogo desenrolando).

      Se for possível você tornar mais claro o que quis dizer, por gentileza retorne ao espaço.

      Um abs!

      Excluir
  13. Soul, alguma chance no futuro de uma série de posts sobre alimentação e outra sobre suplementos?

    Qual marca de azeite vc recomenda no brasil?

    ResponderExcluir
  14. Olá soul. Qd eu estava grávida me pediram a tolerância a glicose foi o único caso. Vc já viu o trabalho da terry whals? É uma médica que reverteu a fadiga da esclerose múltipla dela com uma dieta que bomba a energia, simplesmente cortando alimentos inflamatórios e adicionando outros que aumentam a energia. Tem um vídeo curto dela no YouTube um ted talk falando sobre o protocolo whals. O livro eh bem completo e dá boas dicas para melhorar o metabolismo e a energia. Fiz a dieta por um tempo e os resultados são incríveis. Eu me sentia com a energia de uma criança. Abs

    ResponderExcluir
  15. Aguarde...
    Olá, Soul! Como vão as coisas em tempo de pandemia gerando consequências reais e diretas no Brasil? Vontade de ler post seu sobre qualquer coisa heheh.. principalmente sobre o momento que passamos e suas perspectivas do futuro. Abraços!

    ResponderExcluir