segunda-feira, 23 de março de 2020

CORONAVÍRUS - PARTE 1


Olá, prezados leitores. Eu iria fazer um artigo mais pessoal, mas ao sentar na cadeira resolvi mudar a forma.  Eu percebo que tenho poucos leitores, mas desses poucos uma grande parcela leva com seriedade aquilo que eu digo, pois acho que passo transparência e seriedade na forma que abordo os diversos assuntos.

Como disse algumas vezes, cada vez mais me interesso sobre o assunto saúde humana, e não seria diferente em relação ao SARS-COV-2, ou chamado de coronavírus.  Já li e escutei muito material de extrema qualidade, e espero aqui ser um portal para despertar o conhecimento de quem tem interesse em ir atrás de informações de qualidade. Eu não iria ser muito crítico, mas tendo em vista a gravidade da situação e a irresponsabilidade do governo central na figura do seu chefe, não vai ter jeito, vou ter que falar a respeito.


CURVA DUNNING-KRUGER


Eu não sou médico. Mesmo um médico, se a pessoa não é infectologista, epidemiologista ou virologista, é capaz de mesmo assim não ter a capacidade técnica para falar com fundamento sobre o tema. Portanto, é preciso se valer das pessoas que tem expertise nisso, e ir aos poucos tentar fazer com que as peças do quebra-cabeça se encaixem.

O efeito Dunning-Kruger diz respeito à percepção de conhecimento, falso, que pessoas com pouquíssima habilidade têm a respeito de si mesmas sobre o próprio conhecimento.  É como ler um artigo de google sobre virologia e achar que pode saber sobre o tema de forma profunda.  Quanto mais conhecimento alguém vai tendo sobre uma área do conhecimento, mais a percepção dela sobre o próprio conhecimento vai diminuindo.

Portanto, eu Soulsurfer também sofro desse efeito, e você precisa saber disso e simplesmente ir às fontes que eu vou disponibilizar em cada tópico (se não for um tópico meramente opinativo).




O QUE É CORONAVÍRUS


Coronavírus é uma família de vírus que possui espécies de “espinhos” na superfície dos mesmos que são parecidos com coroas, daí o termo “corona”.  De uma forma um pouco mais técnica, para quem tiver interesse, esse “espinho” na verdade é uma proteína que degrada uma enzima específica, facilitando que o vírus assim possa se encaixar numa receptor chamado ACE2, tendo assim acesso ao interior da célula chamado citoplasma (isso no caso específico do SARS-COV-2, não saberia dizer dos outros).

Como biologia básica, ao contrário de uma bactéria que tem o “maquinário” próprio para se auto multiplicar, um vírus depende necessariamente do maquinário de uma célula para poder se multiplicar. O vírus sequestra esse “maquinário”, logo um vírus parasita a célula infectada para que a mesma possa replicar o RNA viral usando as organelas da própria célula infectada.

Pelo que li, os coronavírus são conhecidos há décadas. Na verdade, li um artigo que coronavírus infectam a humanidade há pelo menos 100 anos, e que talvez 20-30% dos casos de gripe no mundo, na verdade sejam causados por vírus corona. Sendo assim, essa família de vírus nunca foi tão grave para seres humanos, mas isso mudou em 2002 com o surgimento de uma espécie dessa família, por meio de alguma mutação, chamada SARS-COV. SARS é um acrônimo para SEVERE ACCUTE RESPIRATORY SNYDROME e COV coronavírus. Portanto, em 2002 surgiu um vírus da família corona que atacava os pulmões ocasionando uma crise severa respiratória.

Esse novo vírus que aparentemente surgiu na China no final de 2019, é chamado de SARS-COV2, por ser um vírus que também ocasiona, em algumas pessoas, uma crise respiratória aguda, e o 2 é como se fosse uma continuação do primeiro vírus de 2002.


QUÃO LETAL ESSE VÍRUS É?


                Os maiores especialistas não sabem. No começo, se dizia, baseado em dados chineses, que a mortalidade poderia ser de 3-4%. Ou seja, se alguém contrair esse vírus, teria uma chance de 3 a 4% de vir a óbito em questão de semanas. Isso é um número absurdamente alto, absurdamente alto. Para se ter uma ideia de proporção, pessoas que possuem um risco de ter um evento cardíaco (não é morte, é um evento como a necessidade de ir a um hospital por causa de uma dor no peito) acima de 10% nos próximos 10 anos são consideradas pessoas de altíssimo risco cardíaco.

                Portanto, ter a chance de 3 a 4% de morrer nas próximas semanas deveria ser algo assustador para qualquer um. Felizmente, apesar de haver muitas dúvidas a respeito, os especialistas acreditam que muito provavelmente o índice de letalidade máximo talvez seja de 0.5%, podendo ser menor do que isso. Dados da Coréia do Sul parecem confirmar esse cenário.

                Se quiser ouvir um grande especialista falando sobre isso, sugiro esse podcast: https://samharris.org/podcasts/191-early-thoughts-pandemic/. Uma entrevista do grande Sam Harris com um médico especialista, não lembro a especialidade, do famoso John Hopkins.

                Há alguns que dizem que talvez a mortalidade possa ser de 1%, e outros que estão dizendo que na verdade a mortalidade é semelhante a de um vírus da gripe que é algo de 0.1%. Há muito debate sobre o tema, o vírus é muito novo, e não se pode saber ao certo. Mas, para que a mortalidade seja em níveis baixos, é preciso que o sistema de saúde não colapse.


ACHATAMENTO DA CURVA – O ASSUNTO NÃO MUITO ENTENDIDO


                Talvez todos, ou uma boa parte da população, já se deparou com o conceito de achatamento da curva, ou com o clássico gráfico feito que já correu a internet em diversos formatos.


Quem disse que a capacidade do nosso sistema de saúde está na altura daquela linha pontilhada? Será que não está na metade da altura ou um terço da altura, indicando que o sistema entrará em colapso achatando ou não a curva. Essa linha pontilhada é a capacidade de países ricos, até porque o gráfico foi criado lá, e foi importada acriticamente aqui pelo país. Não vi nenhum jornalista fazendo essa pergunta básica para as autoridades brasileiras. Outra, vai ser difícil achatar a curva com dezenas de milhões de pessoas em favelas apinhadas sem água corrente e sabão. Logo, será que essas "quarenta" à moda brasileira, cada Estado da federação fazendo do seu jeito, apenas não estão destruindo ainda mais a economia?


                Sobre o tema em geral, e esse conceito do achatamento da curva em específico, eu sugiro o vídeo desse biólogo brasileiro, é um bom vídeo:




                O conceito é mais ou menos o seguinte. Se um vírus não pode ser contido, pois ele já se espalhou, ou possui vários focos simultâneos, então, para não causar o colapso do sistema de saúde, é melhor que os casos sejam distribuídos durante um período maior de tempo, e não num tempo concentrado. Se as previsões apontam que 50% de uma população será infectada, e se 20% dessa população poderá necessitar de atendimento médico hospitalar, melhor que essa infecção ocorra num período de 18 meses, e não de 3 meses, por exemplo.

                Imagine o Brasil com 200 milhões de habitantes. Se 100 milhões forem infectados, 20 milhões em teoria precisariam de atendimento hospitalar. O SUS não consegue nem atender a demanda de normalidade, imagine 20 milhões de pessoas em 90 dias?

                "Mas seria tão rápido assim, Soul?" Isso é outro tópico com muito debate e não há nada claro. Isso depende de várias modelagens, e especialmente do grau de transmissibilidade da doença. O conceito de transmissibilidade chama-se R-naught ou R-O. Um R-O de 1 significa que uma pessoa infectada pode infectar em média uma pessoa. Um R-O de 10 significa que uma pessoa em média pode infectar outras 10. Uma R-O abaixo de um significa que uma pessoa infecta em média menos de uma pessoa, uma doença assim não tem chance de causar epidemias. Sugiro o vídeo abaixo entre o minuto 1:40 e 2:30, especialmente a parte sobre a diferença em contágio que um R-O de 2.5 e 4 possuem.


                Qual é o R-O do SARS-COV-2? Não se sabe. Não se sabe se a temperatura influencia de forma drástica ou não, há estudos novos que estão correlacionando que o aumento de temperatura diminui o R-O. Não se sabe nem ao certo quais são todas as formas de contágio. Há muita dúvida ainda. Mas, pelo que li, os especialistas colocam o SARS-COV-2 com um R-O de 2 a 4, devendo ser algo na faixa dos 2.5-3. 

                Uma doença com R-O de 3, e que seja facilmente transmissível, faz com que haja um crescimento exponencial nos infectados em questão de semanas, então, sim é possível que o vírus se espalhe por 50% da população em 3 meses.

                Se 20 milhões de pessoas precisarem de hospital em 3 meses, não há qualquer chance do SUS, de hospitais particulares, de qualquer sistema de saúde do mundo, suportar a demanda. O que ocorre então? A letalidade da doença aumenta.

                Se eu, Soulsurfer, tenho 40 anos, saudável, sem nenhuma comorbidades, necessito ser hospitalizado por causa do COVID19, se eu fosse hospitalizado nas primeiras 24 horas de sintomas mais sérios como falta aguda de ar, eu talvez tivesse uma chance de 99.8% de sobrevivência. Porém, se não houver como eu ser hospitalizado, porque o sistema colapsou, talvez a minha chance de sobrevivência caia para 70%, ou seja,  a chance de eu morrer aumenta drasticamente. Em relação a grupos de riscos como idosos com comorbidades (quase todos os idosos em nosso país), a impossibilidade de se hospitalizar e ter acesso a uma UTI, acaso necessário, fará com que a letalidade nesse grupo exploda.

                Logo, se o sistema colapsa, o índice de letalidade (tópico anterior) aumenta drasticamente não pela letalidade em si da doença, mas por falta de tratamento apropriado, e é isso que está ocorrendo no norte da Itália e na Espanha atualmente.

                A ideia então é espalhar os casos por um período maior de tempo. Porém, e esse foi uma reflexão minha já há 10 dias, quem disse que mesmo achatando a curva o SUS não colapsará no Brasil? Infelizmente, eu ainda não vi ninguém sério falando sobre o tema, pois além do Brasil possuir menos leitos, menos ventiladores, as UTIS do SUS, por uma notícia que que eu li, estavam quase que 95-97% ocupadas.

                E o que é ainda mais preocupante. Talvez alguém que tenha um infarto, e poderia sobreviver, ou seja, algo em nada relacionado ao COVID19, talvez não tenha atendimento e venha a morrer. Então a letalidade do colapso do sistema aumenta as mortes não só por esse novo vírus, mas por todas as outras doenças.

                     Certo, vamos nos trancar em casa, para achatar a curva. Se todo mundo ficar dentro de casa e nunca mais sair, o R-0 do vírus cai para zero em poucas semanas ou meses. Mas, quando se fala em achatamento da curva, ela não muda o número de infectados, apenas o período de infecção. Esse é um dos maiores mal entendidos sobre esse conceito. Nenhum jornalista faz perguntas a esse respeito, e eu acho incrível. Além do mais, ninguém fala sobre ondas sucessivas de surtos, que é o que pode vir a acontecer na China assim que eles retornem à normalidade, isso depois de 60-75 dias de quarentena. Esse é o tema que mais me atrai sobre o COVID19 na atualidade, na verdade tem outros, e quase nunca esse tema é tratado, mesmo por especialistas.

                  Mas, o meu pai ao telefone hoje, e ele não está só nisso,  imagina que essa é uma situação de 14 dias. Não se engane prezado leitor, essa é uma situação de meses a anos, pois o vírus não irá desaparecer num período inferior a 18 meses. Para um artigo simples a respeito, sugiro esse artigo da BBC Brasil: Porque essa pandemia pode durar meses ou anos

                O artigo ficou longo, e farei uma continuação sobre diversos outros tópicos: comprar ou não ações, governo brasileiro, caos social, é uma doença ou não que afeta apenas pessoas de idade, saúde metabólica, etc. Porém, apenas se as pessoas se interessarem pelo tópico e o que tenho a dizer.

                 
FONTES DE ALTÍSSIMA QUALIDADE SOBRE O TEMA




        Há muito material de qualidade, não vou citar aqui papers científicos pois ninguém se interessaria, mas esses 4 podcasts já daria uma visão ampla sobre o tema.

Leia a Parte II

51 comentários:

  1. Depois da pandemia de H1N1 em 2009-2010 hábitos simples como álcool gel, lavar bem as mãos e usar máscara em sintomas de gripe foram descontinuados em larga escola. É por causa de hábitos como esse que o Japão está conseguindo segurar os casos, lá é um país altamente denso mas a higiene do povo é exemplar. Acho que manter hábitos assim evitaria pandemias...

    Dezenas de milhares de pessoas morrem de gripe anualmente. Não "assusta" tanto a população pois são casos espaçados...

    O ruim dessa "quarentena" é que os casos de depressão e ansiedade dobram por causa do isolamento forçado. Quem precisa está impedido de procurar apoio psicológico/psiquiátrico...

    depressibleman.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo.
      Sim, todos os seus pontos são relevantes. Na verdade, estamos fazendo um grande experimento social coletivo, com consequências psíquicas imprevisíveis, aliás tudo está meio que imprevisível.
      O obesidade mata muito mais do que a gripe e causa muito mais doenças, mas ninguém se desespera com ela. O problema é que é um vírus novo, com um contágio grande, e com uma taxa de morbidade-hospitalização de 10 a 20 vezes maior do que a gripe. E se esse vírus sofrer uma mutação? Com tantas pessoas infectadas, não seria de se estranhar várias mutações.
      E, para piorar, a gripe vai continuar existindo, imagina um diabético de 70 anos pegando gripe e covid19 ao mesmo tempo?
      Abs!

      Excluir
  2. Eu me interesso e mta gente também, manda ver e obrigado!

    ResponderExcluir
  3. VOTEI NO DORIA ME SALVA GOVERNADOR23 de março de 2020 17:12

    O bom dessa crise é que depois dela vamos poder alugar lugares top pagando 500, 600 reais. Tudo vai ficar uma mixaria pois com 40 milhões de desempregados, ninguém vai ter grana pra bancar os preços de hoje.

    Imagina ir no McDonalds e pagar 5 reais no combo? 3 reais no lanche que vc quiser? Porra, tudo vai ficar barato demais!!

    Só temos que passar por isso ilesos e trancafiados em casa pra não trombar com o Corona. Depois, quem conseguir manter seus empregos, vai ter acesso facilitado a coisas que antes eram bem caras ou inacessíveis.

    CHEGA de comprar em Atacadão, vou viver de queijos caros e chocolates importados que só tem no Pão de Açucar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, amigo.
      Se houver deflação, como você imagina, é possível que o seu salário tb caia.
      Agora, se você tiver líquido agora, com certeza, se passar sem problemas de saúde, e se houver deflação, o seu poder de compra aumentaria.
      Abs

      Excluir
    2. Apenas pq vc citou o McDonalds, anonimo:

      Essa é uma empresa norte americana. Logo, o preço do seu produto é dolarizado, embora vc pague em reais.

      Exemplificando: um combo hoje custa 25 reais (5 dólares; 1 USD = 5 BRL); amanhã o real se desvaloriza e 25 reais passam a valer o equivalente a 3 dólares (1 USD = 8,33 BRL).
      O que o McDonalds vai fazer é simplesmente corrigir o preço desse combo ao equivalente a 5 USD, isto é, BRL 41,65 no nosso exemplo.

      Ledo engano vc achar que o seu combo no McDonalds e o seu cafezinho no Starbucks vão ficar mais barato.
      --
      Lindo texto, Soul!
      Estava ansioso por seu post sobre esse assunto.
      Parabéns!
      Você traz muita lucidez sobre o assunto.
      Fora isso, torço para que estejamos errados sobre o colapso na saúde.
      Abracao!!

      Marcos.

      Excluir
    3. Acho difícil ter deflação! Os governos estão injetando dinheiro na economia. Outra coisa é que com a deflação, o governo acaba aumentando o valor real da sua dívida.

      Excluir
    4. Marcos,
      Sim, deflação é o horror para quem tem dívidas. E depois de 2008 com a explosão de quantitative easing e envididamento, uma deflação é capaz de estourar essa imensa bolha de dívida.

      Marco,
      A chance do nível de vida para o average joe melhorar no Brasil é nenhuma, como você bem notou.

      Abs

      Excluir
  4. Muito bom esse seu post. Normalmente eles são incompreensíveis. Acha mesmo que essa quarentena vai durar meses? Acho que, se isso acontecer, o dano a economia vai ser pior do que a do vírus. Não vamos morrer de COVID-19, mas vamos morrer de fome.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, E. Nerd.
      Incompreensíveis? É mesmo, por qual motivo? Pergunto, até para poder melhorar o meu estilo de escrita.
      O Brasil não está em quarentena. O Brasil está improvisando, e cada Estado fazendo uma coisa diferente. Não adianta bairros chiques fazerem isolamento social, se houver focos imensos em comunidades mais pobre, impossível conter o vírus aí.
      Meses e meses de uma quarentena tipo chinesa ou italiana, não acho viável, pois seria o caos econômico.
      Um abs!

      Excluir
    2. Tu és um bolsonarista. Taxe as grandes fortunas e conceda Renda Mínima para a população desassistida, bolsominion.

      Excluir
  5. Já estava pra te mandar um e-mail pedindo a sua visão sobre o tema kkk

    Gostaria muito de saber das suas preocupações com relação à segurança de sua IF. Inferi que vc tem muita coisa em Tesouro Selic....

    Acha que há risco real de default? como está protegendo sua família nesse sentido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo.
      A minha IF depende da minha tolerância a diminuição de gastos.
      Se eu precisar trabalhar, eu vou trabalhar, sem problemas.
      Mas eu tenho imóveis, tenho renda fixa líquida, etc.
      Default do principal? Acho difícil, por enquanto.
      Se houver default, se meus imóveis forem invadidos e perdidos, eu tenho o imóvel que eu moro.
      Se tudo for perdido, eu tenho uns 4-5 anos de despesas fora do país.
      Se me tomarem também isso.
      Aí, realmente não tem jeito, é ir trabalhar no que tiver disponível.
      Mas há inúmeras camadas de segurança.
      Abs!

      Excluir
    2. Olá, Soul.
      "4-5 anos de despesas fora do país" gostaria de saber como você calcula esta despesa, baseado no custo de vida de qual país? Eu pretendo montar uma proteção desta. Bom texto, esperando a parte II. Abs

      Excluir
    3. Olá, Evandro. Eu nem pensei muito a dar a resposta, mas apenas calculei quanto está o câmbio, quanto estão as minhas despesas no Brasil, e quanto tempo daria.
      Ah, o que tenho é bem pouco em relação ao meu patrimônio, num país como Austrália daria para viver uns 18 meses.
      Num país como Tailândia, talvez uns 5 anos.
      Abs!

      Excluir
  6. Muito bom. Acelere a parte dois =)

    ResponderExcluir
  7. Ontem eu estava lendo alguns posts pela blogosfera econômica e pensei no seu blog!

    A temática de como alinhar uma régua que saiba contemplar uma "medida de equilíbrio" entre as questões biológicas deste vírus e o aspecto sócio-econômico é um enorme desafio. Não adianta considerar apenas um aspecto e ignorar o outro. Vivemos num mundo real.

    Por quanto tempo conseguimos suportar um estado de quarentena como já está ocorrendo sem que isto se converta numa escalada de crimes e violência? As pessoas precisam trabalhar...

    Cada município deveria se mobilizar para propiciar restaurantes populares e/ou centrais de doações para os mais necessitados.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Renato C.
      Bom te ver por aqui amigo, espero que você e os seus estejam bem e seguros.
      Espero dar minha opinião sobre esse equilíbrio na parte 3, há ainda muito o que se dizer sobre o corona em si.
      Abs!

      Excluir
  8. Estava aguardando o post sobre o corona, realmente um problema complexo, uma crise econômica com potencial para ser maior que a de 1929 além de ser um problema social/saúde pública. Acho que nossa maior chance de minimizar esse problema são os remédios em fase experimental darem certo e em alguns meses retornarmos as atividades normais.
    Para me proteger também estou com meu patrimônio 70% líquido, totalmente por acaso visto que esse dinheiro estava sendo guardado na RF para uma aquisição que seria realizado agora e pela quarentena não foi possível realizar a compra. Aguardando o desenrolar dos próximos meses para saber o que fazer com esse dinheiro.

    O que você pensa em relação aos Bancos Centrais e as injeções gigantescas de dinheiro na economia como tem acontecido recentemente? Inflando mais a bolha ou salvando de um caminho mais catastrófico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marco. Grato pela lembrança, amigo.
      Eu estou uns 20-25% líquido, mas ainda bem que essa liquidez teoricamente me mantem por uns 30-40 anos, o que me proporciona talvez até a comprar um pouco de ativos deprimidos, vamos ver.

      Sobre bancos centrais, eu não irei opinar, pois acho que realmente aí eu falaria sobre algo que tenho pouquíssimo conhecimento. Ninguém sabe, mas aumentar o endividamento, num mundo já altamente endividado, com certeza aumenta a fragilidade de todo o sistema.

      Um abs

      Excluir
    2. soul, no seu caso, "estar líquido" é o que? tesouro selic, poupança, din din em espécie, tudo isso?

      Excluir
    3. Olá, animal. Concetro-me em um fundo de renda fixa, LCA e LCI tudo do BB. Se Brasil quebrar, quebro junto (ao menos a parte líquida do patrimônio).
      Abs!

      Excluir
  9. Fique a vontade de postar a parte 2,3,4 e 5, se for necessário.

    ResponderExcluir
  10. Fala, Soul, como vai?
    Sabendo o quanto vc é um cara curioso e se interessa por assuntos do tipo, assim como eu, estava ansioso pra ler o que escreveria sobre o assunto.
    Assim como passado no texto, pelo meu entendimento, tenho o sentimento de que as coisas são muito mais sérias e tensas do que parece, isso considerando os diversos pontos que a situação afeta e afetará(econômico, social, científico e afins).
    Neste momento me sinto até um pouco confuso com a situação, sinto que não há o que fazer a não ser esperar e ver o desenrolar da coisa. São tantas variáveis inclusas e um ambiente totalmente incerto, já que estamos lidando com algo novo.
    Abraços e se cuide!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, RAI, eu estou bem, sanidade boa e família bem (apesar de acreditar que os meus pais e irmã mais velha estão em risco).
      Sim, são diversos aspectos, por isso acho que serão algumas partes sobre esse tema.
      um abs e se cuide tb!

      Excluir
  11. Olá Soul,

    Quais as medidas que você está tomando hoje?
    Está preso em casa ou chega a dar uma caminhada na rua?
    Aumentou o estoque de comida ou acha que não precisa?
    Está tomando algum suplemento para aumentar a imunidade?
    A filha está bem? algum cuidado extra com ela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, amigo, vou abordar todas essas questões, provavelmente na parte III, que deve sair lá por sexta-feira.
      Abs

      Excluir
  12. Viu a idéia de Israel? Ministro falando: https://youtu.be/uGl1YydafxY

    Acredito que isolar somente o grupo de risco e criar algumas poucas barreiras para diminuir o contágio é muito melhor que o lockdown. Mais gente vai morrer pelas medidas de lockdown que acabam com a economia do que pelo corona em si.

    ResponderExcluir
  13. A preocupação com o colapso do sistema de saúde é infundada no Brasil. O sistema aqui já colapsou a muito tempo.
    O que cabe a cada um é tentar se cuidar e torcer pra se pegar a doença não precisar de tratamento hospitalar.
    Queria ver sua opinião sobre os impactos econômicos e nos investimentos.
    Eu investi na bolsa, mas minha perspectiva é de longo prazo.
    O que acha da queda dos fii's?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Não concordo.
      O sistema sim é ineficiente, mas ele colapsado com uma crise de pandemia não é algo que gostaríamos de ver, até porque os hospitais particulares tb sofreriam.
      A minha opinião de leigo e com efeito Dunning-Kruger será dada provavelmente na parte IV, inclusive FII.
      Um abs

      Excluir
  14. Boa tarde
    Me chama a atenção como existem países pobres densamente povoados na Ásia como índices relativamente baixo de casos com a Indonésia , Filipinas e mesmo a Índia tem poucos casos em relação a sua população. Pela proximidade com a China, teoricamente, já deveriam estar numa fase mais avançada de infecção, talvez o clima ajude...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo.
      São observações interessantes sobre os países citados. A Indonésia olhei mais informação, e lá já morreram seis médicos de COVID19, e os casos vem aumentando, mas talvez num ritmo menor do que certos países europeus.
      Um abs

      Excluir
    2. Não seria pq fazem menos testes na Indonésia?

      Excluir
  15. Boa tarde, Soul!

    O teu texto vem num momento oportuno (já estou esperando as próximas partes, rs). Já passamos por aflições virais e bacterianas terríveis, como a Gripe Espanhola, Peste Bubônica, Varíola, Sarampo, Tuberculose, Cólera e outras tantas; creio que a COVID 19, ou SARS-COVID 2, não será mortífera quanto a estas outras, mas pode trazer consequências econômicas e políticas.

    Algumas epidemias ajudaram a derrubar regimes, nações e até mesmo clima; caso o novo Coronavírus atinja a muitas pessoas, possivelmente haverá considerável perda de vidas, mesmo com baixa letalidade, mas com um peso nominal grande (estamos apontando 7 bilhões de pessoas na Terra). E tudo isso pode ser um prato cheio para as coisas, em âmbito político, piorarem ou melhorarem; não sabemos o que se sucederá se esta gripe causar muitas baixas.

    Já estou na espera do segundo capítulo. Até mais!


    Anderson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anderson.
      Para que lado o mundo vai, só o mundo irá nos dizer. Como tudo na vida, podemos aprender e melhorar com isso tudo, ou podemos nos dividir ainda mais, a decisão será nossa.
      Um abs!

      Excluir
  16. Paramos 15 dias.
    Os hospitais se preparam.
    E aí, fazemos o que depois?
    Soltamos os jovens e crianças e prendemos os idosos?
    Soltamos todo mundo 15 dias e depois faz nova quarentena?
    O que me incomoda não é a quarentena, mas a falta de clareza do que faremos em seguida. Qual a estratégia?
    E outra : Penso que ou remamos todos para um lado (ficamos todos de quarentena ou solta todo mundo) ou não saímos do lugar. O F#%@ é o Mandetta falar algo num dia e o Bolsonaro outro no dia seguinte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo.
      Minha opinião de leigo, e com as várias incertezas, e sabedor que tudo muda a cada dia, é muito parecida com a sua.
      Creio ser temerário não temos uma direção, e remarmos cada ente federativo numa direção.
      Um abs

      Excluir
  17. Soul, sei que não gosta mais de falar de $, mas pra mim, pobre mortal, essa crise é hora de comprar empresas sólidas visando "retorno" de investimento em 6 m, 12 m ou 36 meses ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo. Darei minha opinião, logo mais
      Mas, se você tem liquidez, tem certa reserva de emergência e estabilidade de renda, sim é possível que colha bons resultados em 36 meses.
      Abs

      Excluir
  18. Vota no Bozo de novo, que considera a pandemia apenas um gripezinha, e continue apoiando o neoliberalismo, que faz da vida uma mercadoria descartável e que somente beneficia 1% da população do mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Acho que a incompetência do Bolsonaro não tem relação com "neoliberalismo". Aliás, ele não é liberal, nem mesmo conservador. Ele é apenas incompetente mesmo.
      Um abs!

      Excluir
    2. O soul é um negacionista. Pergunto-me se também olavista e terraplanista, do grupo do Heavy Metal.

      Excluir
  19. O Reino Unido, Trump e Bolsonaro creio terem certa razão em um sentido, deixar só o grupo de risco em casa e liberar todo mundo para trabalhar e circular, pois ai em pouco tempo toda a população ficará imune, agora se ficar parado para achatar a curva por 3/4/5/6 meses ou mais a crise econômica matará mais do que a Covid-19

    ResponderExcluir
  20. Olá Soul, uma fonte preciosa de informações para saciar a curiosidade é o Centro de Medicina Baseada em Evidências sobre Covid-19 da Universidade de Oxford. Há muito conteúdo interessante e de altíssima qualidade por lá, se é que já não o conhece. De todo modo, fica a sugestão: https://www.cebm.net/covid-19/

    A propósito, excelente texto, um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gustavo, não conhecia.
      Vou dar uma olhada, obrigado.
      Abs!

      Excluir