sábado, 25 de março de 2017

O TEMPO NÃO FOI, NÃO É E NUNCA SERÁ O SEU ALIADO EM NADA

Olá, colegas. Tempo. O que é o tempo? “Como assim, Soul?”. Saibam que algo intrinsicamente natural para nós seres humanos como o tempo, não é algo tão claro para a ciência. O que é o tempo, se ele possui uma direção, por qual motivo ele existe, são questões que cientistas sérios, e filósofos também, tentam refletir.

 Estas reflexões são espetaculares, no meu entendimento. Uns, quiçá  uma grande maioria, talvez pensem que é uma grande perda de tempo (sem ironias). Preciso pagar o IPTU do ano, em qual fundo imobiliário investir, estou interessado na colega do trabalho, ou qualquer outro pensamento que percorre a cabeça de centenas de milhões de pessoas em suas rotinas. O que saber o que é o tempo, ou se ele possui uma direção, será útil na minha vida? Aliás, poderia haver algo mais inútil do que isso? Muitos podem pensar.

 É uma crítica justa e razoável. Para mim, entretanto, a capacidade de se refletir sobre o que é o tempo, e ir além disso questionar se a nossa noção de tempo é correta ou faz sentido, é que torna a nossa espécie Homo Sapiens tão fabulosa. O que nos torna únicos e preciosos. Dentre vários motivos da minha admiração por Einstein, um deles, talvez o maior, é como ele pôde desafiar noções tão triviais da realidade como Tempo e Espaço

 Como alguém usando simplesmente o raciocínio, o intelecto, pôde refletir sobre o tempo e o espaço de uma forma complemente não-natural para nosso cérebro que evoluiu em nossos ancestrais há milhões de anos, e em nossa espécie nos últimos 200 mil anos? É espetacular. Mais incrível do que isso para mim apenas o amor e a compaixão.

 Porém, esse texto não irá discorrer sobre o Tempo de uma forma tão mais profunda. Não, será sobre a nossa noção natural e arraigada de que o tempo existe, e ele sempre vai para frente. 

 Lendo um artigo hoje de manhã, reparei com uma frase e ideia de que “o tempo seria o seu aliado”. Colegas, o tempo nunca foi, não é e nunca será o seu aliado. Pensemos em termos financeiros. 

 O capital é algo que se pode acumular. Quando alguém recebe um salário, pode fazer, depois de satisfeitas as necessidades básicas humanas, decidir se esta renda se tornará mais consumo ou capital. Logo, se a pessoa decidir poupar, que nada mais é do que destinar uma parcela da sua renda para a formação de capital, ao longo do tempo é de se esperar que a mesma acumule capital. Quanto maior for o tempo, muito maior será o capital

 Quem já não leu alguma passagem de algum texto dizendo “ Se um dólar fosse aplicado em 1735 com uma taxa de juros de 7%, hoje seria possível comprar toda NY com o dinheiro acumulado”.

 Não se esqueçam que “os juros sobre juros” nada mais são do que a renda sendo poupada para acúmulo de mais capital. Se um investidor recebe um dividendo de R$ 1.000,00, cabe a ele a decisão , dessa renda que é de um capital anteriormente acumulado, de consumir ou poupar para aumentar ainda mais o capital. Os juros sobre juros , em finanças, nada mais são do que uma decisão de poupança sobre consumo. 

  A passagem de tempo na acumulação de patrimônio é algo lógico. Quanto mais tempo se tiver disponível, mais patrimônio poder-se-á acumular pelo destino de uma parte da renda, seja do trabalho ou proveniente de capital previamente acumulado, para poupança.

  E o tempo? Abaixo um vídeo do ex-presidente do Uruguai. É curto,um pouco mais de um minuto. Recomendo fortemente que se assista para que o resto do texto se torne mais compreensível. Por fim, há muitas ideias neste um minuto e meio de vídeo ( e não precisa se concordar com nenhuma delas), mas concentrem-se apenas nos últimos 20-25 segundos.





  Seja qual espectro ideológico sobre política ou economia que mais lhe agrade, seja qual tipo de misticismo você se identifique mais, seja qual for a sua orientação sexual. A Verdade é que tempo não se economiza,  o tempo só pode ser gasto. Não podemos acumular tempo, assim como fazermos com o patrimônio, só podemos consumir o tempo. Não há meio termo. Em matéria de tempo, todos os seres humanos, e seres vivos como um todo, são consumidores, nunca poupadores.


  Esta é uma verdade fácil de ser apreendida, difícil de ser completamente entendida. Mais difícil ainda é levar uma vida de acordo com este ensinamento. O que se mais vê, e basta abrir os olhos e observar a realidade que nos cerca, para vermos pessoas achando que o tempo não é gasto, e que além de tudo ele não é infinito.

 O nosso tempo de vida nessa terra, amigos, é deveras finito. Talvez nossos descendentes daqui 200 anos possam viver milênios. Quem sabe o que pode acontecer com o conhecimento humano até lá. Assim, a ligação dessas futuras gerações de humanos ( e eu tenho dúvidas se poderemos dizer que são humanos como nós) com o tempo pode vir a ser radicalmente diferente. Porém, para nós seres humanos no ano de 2017, o nosso tempo é finito.

 Quando se tem algo que é imprescindível, que não é renovável (ou seja só se pode consumir) e finito, faz sentido que a utilização desse insumo seja feito da melhor maneira possível, não é mesmo? 

 Se sofri um acidente aéreo, e me encontro no meio do deserto do Gobi na Mongólia sozinho com apenas um litro de água, faria sentido usar o líquido para escovar o meu dente? Pensemos. A Água é vital para a nossa sobrevivência, ela na situação é extremamente finita  (apenas um litro) e eu não sei quantos dias terei pela frente no deserto, faria sentido desperdiçá-la? Não faria qualquer sentido.

  Se assim o é, por qual motivo tantas pessoas desperdiçam o seu finito tempo nessa terra? Por qual motivo gastamos algo tão precioso e finito para metaforicamente “escovar os dentes no meio do deserto?”. Evidentemente, essa é uma questão que cada um deve responder para si mesmo. 

  Logo, o Tempo não é o seu aliado, nunca será. O tempo é algo que apenas diminui, que a cada dia consumimos. A cada dia vivido, diminui o nosso tempo aqui na terra. Não o contrário. A cada Real (ou dólares, ou euros) poupado, aumenta-se o patrimônio. Com o tempo isso não acontece.

  Portanto, não se auto-enganem, queridos leitores, achando que o tempo é seu aliado na acumulação de riqueza, pois ele não o é. A acumulação de riqueza nada mais é do que uma troca por tempo. Você pode até considerá-lo aliado, mas ele cobrará o seu preço por essa "aliança", e em alguns casos o preço será extremamente alto.

  Como algumas pessoas gostam de tirar conclusões precipitadas, ou gostam apenas de reafirmar suas ideias prévias, essa simples constatação em nada quer dizer que há algo de errado em acumular patrimônio. Não há qualquer juízo de valor, mas apenas um juízo de fato.

  Além do mais, muitos empreendimentos humanos necessitam tempo, ou seja, necessitam que gastemos o nosso precioso e finito recurso em alguma coisa. Quer ser um médico? Você terá que gastar o seu tempo para estudar bastante. Quer conhecer a Mongólia? Você terá que gastar o seu tempo com isso. Quer acumular uma determinada quantidade de patrimônio, você terá que gastar o seu tempo com isso.

  Percebe-se que não é uma questão de se desesperar com o conceito de que a cada segundo que respiramos, é um segundo a menos de vida, e de alguma forma isso nos paralisar. Não, prezados leitores. Isso serve para que possamos tentar, de forma consciente, tomar as rédeas das nossas vidas. 

 O que pretendo dizer com isso? Para mim nada mais é do que saber de forma consciente com quais empreendimentos, dentre uma gama quase infinita, gostaríamos de gastar o nosso tempo. E destes empreendimentos quais deles podem nos trazer uma maior satisfação.

  Essa reflexão é vital. No que toca aos investimentos, ela é de extrema importância. Como é muito fácil hoje em dia simular retornos para muitos anos no futuro, muitos talvez possam não se dar conta de que aquele gráfico quase que exponencial para o futuro, deveria ser contrabalançado com outro em declínio, que é o seu tempo de vida nessa terra. É uma troca. Talvez alguém queira atingir 100 milhões, ou 1  bilhão de dólares, quem sabe. Não há nada de mal na escolha em si, desde que ela seja tomada de forma consciente, e desde que esse acúmulo de alguma maneira guarde uma coerência com os anseios, mais uma vez repito conscientes, dessa pessoa do que seja uma boa vida, ou seja satisfeita e plena.

  Uma outra coisa interessante sobre o Tempo de vida Humano, é que ele, ao contrário do capital, possui qualidades diversas. Isso é uma constatação meramente biológica. O meu pai de quase 80 anos, nunca voltará a ter a vitalidade de quando ele tinha oito anos. Aliás, ele possui um quadro pendurado no apartamento onde vive, retratando uma cena da infância dele num município do interior de Pernambuco. O quadro é ele jogando bola de gude com outras crianças. Não adianta, aquele tempo nunca mais voltará. Simplesmente passou. A saúde dele nunca será mais como a criança que ele foi há 70 anos.

  Portanto, a nossa vitalidade diminui. A nossa saúde piora. Logo, a quantidade do tempo que gastamos na terra em certa medida é diferente na qualidade. Não é a mesma coisa que um dólar, por exemplo. Um dólar é um dólar, não há nada de qualitativo melhor ou pior entre dólares. 

  Os meus últimos dois parágrafos não significam que a nossa vida como um todo piora com a diminuição do nosso tempo na terra. Claro que não. O que se tem de vitalidade na juventude, ganha-se em maturidade em fases mais avançadas. Podemos ser felizes como crianças, jovens , adultos e idosos. Podemos ser infelizes enquanto jovens, mas felizes enquanto idosos. Podemos ser felizes enquanto jovens e insatisfeitos quando idosos. Porém, a nossa vitalidade física e biológica vai diminuindo cada vez mais, e a partir de certo ponto a queda é expressiva. 

  Portanto, além de termos um recurso finito que devemos escolher bem com o que gastar, este recurso tende a ser qualitativamente diferente com o passar do tempo, o que faz com que nossas escolhas no presente sejam ainda mais importantes e a nossa reflexão sobre como gastar o nosso tempo ainda mais fundamental.

 Portanto, colegas, tempo não se poupa. Tempo se gasta. Vida não se multiplica, ela se esvai. O Tempo nunca será o seu aliado. Somos humanos, fazemos planos, temos ambições, sonhos e projetos. Tudo isso demandará nosso tempo. Nosso recurso finito e precioso. Cabe a cada um tomar decisões conscientes como deseja gastar esse insumo.

  Quando pensar em Tempo, não pense nele como um aliado. Pense no tempo como se ele fosse água e estivesse no meio de um deserto. Você não vai querer desperdiçá-lo à toa, não é mesmo? Não faça o mesmo com o seu tempo de vida.

Já que falei de Mongólia e Tempo, nada melhor do que um exemplo. No meu lado esquerdo a poucos metros estava a Rússia. No meu lado direito (montanha nevada) estava a China. Nas minhas costas o Cazaquistão. Estava no ponto mais Oeste da Mongólia. Uma região absurdamente linda, remota e desolada. Gastamos 12 horas, muito esforço físico, para chegarmos no topo da montanha (estávamos descansando, preparando para o assalto final) a mais de 4 mil metros, com um percurso muito difícil mesmo. Esse foi um tempo muito bem gasto.


  Grande abraço!



44 comentários:

  1. Não faz um mês estava conversando com um amigo mais ou menos sobre isso. Ele é meio bitolado com questões políticas, todos os dias manda dezenas de links de reportagens sobre política.
    Outro dia ele veio almoçar em minha ksa e eu tava falando com ele como acho um puta desperdício de tempo acompanhar as notícias sobre política.
    Os ponteiros do relógio não param nunca e so invés de se preocupar com o que se pode controlar na sua própria vida, se perde tempo discutindo coisas que não podemos controlar. Há um bom tempo, seguindo uma dica do corey, que faço dieta de informação.
    Eu realmente acho que quando poupamos estamos de alguma forma adquirindo mais tempo de vida.
    Veja seu, passou mais de um ano viajando pelo mundo. Tempo esse que se dedicou exclusivamente a viver, a contemplar a vida.
    Eu sou uma pessoa que me preocupo muito em ter qualidade de vida. Dei prioridade em morar num apartamento menor, mas num bairro melhor e próximo ao meu trabalho, onde gasto 10 min de caminhada pra ir e voltar.
    Eu sou servidor público e onde trabalho tem vários servidores que estão com mais 60, 65 anos e não se aposentam para não terem perdas salariais. Tenho um colega que ganha 19 mil e que caso se aposente perderá pouco mais de 2 mil. Veja hoje quanto tempo ele perde por não ter poupado.
    Não temos controle sobre o futuro, talvez eu usufrua do dinheiro que hoje poupo, pode ser que eu morra antes. Mas eu gosto de pensar que o dinheiro poupado hoje me renderá mais tempo livre no futuro.
    Eu tenho um amigo que o pai dele ao falecer deixou alguns imóveis para ele e o irmão. Ele tira com os aluguéis menos de 4k por mês, o que eu acho muito pouco. No entanto ele saiu do trabalho. Ele tem uma filha pequena e a esposa dele trabalha. Ele saiu e disse que quer de dedicar à filha, aproveitar à infância dela, que precisa de dinheiro para pagar as contas e isso ele já tem.
    Alguns amigos o criticaram, eu o apoiei totalmente. Ele dedicará todo o tempo de vida dele a viver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. De certa forma, você fez o que o Mujica diz no começo do vídeo. Você toma decisões financeiras que parecem ser sóbrias.
      Morar perto do trabalho e ir andando para mim é uma excelente decisão. Ganha-se em muitos aspectos. Um dos maiores deles é que se pode andar pela cidade, e quando se anda pela cidade pode-se começar a observar muitas coisas interessantes quando se está apenas deslocando dentro de um carro.

      A "dieta da informação" é uma estratégia inteligente. Não é nova, e muitos autores a abordam. Eu mesmo às vezes exagero um pouco, mas eu gosto por exemplo de lavar a louça de manhã cedo ouvindo CBN. Porém, há muito deixei de que o noticiário sobre política ou economia atrapalhe o meu bom humor comigo mesmo e com outros. É por isso que fico de certa maneira triste quando muitas pessoas ficam bravas, com raiva, quando certo acontecimento ocorre, ou quando certa opinião é proferida.


      Não tenho dúvidas também que o ato de poupar é fundamental para que possamos ter uma maior segurança no presente e futuro, e que de alguma maneira possa nos proporcionar mais "liberdade". Porém, não se pode entrar na armadilha que é necessário uma grande quantidade de dinheiro para ser "livre". Não. Se refletirmos, veremos que já possuímos uma grande quantidade de liberdade, mas por decisões nossas, inconscientes ou não, a cerceamos.

      A decisão do seu amigo parece-me uma boa decisão, se é algo que ele realmente quer.

      Grato pela mensagem, amigo.

      Abs!

      Excluir
  2. Excelente artigo, um dos melhores que já li na blogosfera econômica (e olha que já li muitos)!

    E ainda acrescentaria: o tempo é sempre gasto SEM SABERMOS quanto dele temos! É um recurso diametralmente oposto às aparentes precisões das tabelas do Excel!

    Conjugar o imponderável do tempo com as probabilidades da vida, eis o grande desafio - é quase uma arte, é preciso colocar tudo numa grande balança virtual.

    Costumo dizer e pensar que, para alguém sem herdeiros ou intenção de deixar herança, quando se perde a vida... se perde não só a vida, mas todo aquele patrimônio acumulado junto, vai tudo pro buraco.

    Se soubéssemos quanto tempo de vida teríamos e todas as necessidades de dispêndio de dinheiro ao longo da mesma, poderíamos otimizar tudo - de modo que não fosse necessário economizar em nada excessivo e ter sempre o dinheiro requerido, tudo a seu tempo. Seria uma grande alocação perfeita, de tempo e dinheiro.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Renato. Sim, você tem toda razão. Eu entraria nesse tópico no artigo, mas acabei não o fazendo, e lendo a sua mensagem vi que foi um erro ter deixado de fora. O que você abordou é preciso.
      Tenho um grupo de Whatsapp onde o pessoal da rua avisa onde tem onda aqui na ilha e as condições. Há dois dias, fiquei sabendo que um surfista se afogou porque teve uma crise na água e ficou inconsciente. Foi resgatado e está em coma induzida. Ele tinha um pequeno carrinho de caldo de cana pelas redondezas. Ontem de noite, ao participar de uma "pizzada" com vizinhos, falaram que uma mulher que aparentemente gozava de perfeita saúde teve um aneurisma e morreu na aula de Yoga num estúdio da região.
      Isso coloca as coisas em perspectiva, ou ao menos deveria.
      Além do tempo ser finito, nunca se pode saber se ele não terá um fim abrupto. Ou se nossa saúde não irá se debilitar de forma muito rápida.

      O seu raciocínio de alocação de tempo, poupança, dinheiro é perfeito. Creio que a solução para uma boa vida passe pela reflexão desses pontos.

      Abraço!


      Excluir
  3. Todos os espíritos que alguma vez brilharam consentirão neste único ponto: jamais se cansarão de se espantar com a cegueira das mentes humanas. Não se suporta que as propriedades sejam invadidas por ninguém, e, se houver uma pequena discórdia quanto à medida de seus limites, os homens recorrem a pedras e armas; no entanto, permitem que outros se intrometam em suas vidas, a ponto de eles próprios induzirem seus futuros possessores; não se encontra ninguém que queira dividir seu dinheiro, mas a vida, entre quantos cada um a distribui! São avaros em preservar seu patrimônio, enquanto, quando se trata de desperdiçar o tempo, são muito pródigos com relação à única coisa em que a avareza é justificada...

    Sêneca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belíssima passagem do Sêneca. Aliás, gosto muito de pensador antigo.
      Abs!

      Excluir
  4. mais um texto confuso que simplesmente não dá pra entender...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Uma pena que não tenha entendido. Quem sabe se você me apontar onde ficou confuso, eu possa tentar ajudá-lo a compreender.
      Um abs

      Excluir
  5. Não desperdicei meu tempo lendo este texto, felizmente. Muito bom.

    Não sei por que vocẽ achou que eu tava brabo no anterior. Só foi minha interpretação das entrelinhas, de um viés. Obviamente, posso estar enganado. As ondas estavam maravilhosas.

    Tempo se esvai, é verdade. Você pode até aumentar seu tempo de vida com exercícios físicos e uma boa alimentação em geral ao longo dessa vida. Assim como nos investimentos, não há garantias. Mas isso não muda o fato de serem tempos diferentes. Mesmo que se viva mais devido a uma vida equilibrada, 30 anos sempre serão diferentes de 60, 70 ou 80 anos. É como consumir capital no presente, mas ter mais pra queimar no futuro. Esse consumo no presente é obrigatório e não há como fugir disso. Por esses motivos, a ideia de poupar tempo, como diz o texto, não faz sentido algum.

    Livros que abordam a relação tempo x dinheiro de uma forma similar ao texto são: O valor do amanhã - Eduardo Giannetti; Dinheiro e Vida - Vicki Robin e Joe Dominguez. Acredito que sua ideia ao fazer o post foi ter visto a frase "o tempo é seu aliado" em algo ligado às finanças. Bom estopim.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Era você? Bacana que tenha voltado!
      Sim, a temperatura da água está muito boa, com sol, pena que o vento está estragando um pouco.
      Quase sempre há algo nas entrelinhas, naquele caso específico, é a capacidade de rir de si mesmo e de suas ideias. Uma característica essencial para mim. Achei que o "conto", modéstia à parte, foi bem construído e interessante, o que poderia fazer pessoas refletirem um pouco sobre suas próprias convicções. Porém, sabia que a maioria ficaria simplesmente brava, sem sentir qualquer alegria ao ler o texto, e o pior sem nem mesmo notar o absurdo do ato que consta naquela passagem do livro.

      Eu particularmente gosto muito do Giannetti, e creio já ter lido quase todos os seus livros. Esse citado por você, li há muito tempo, seria interessante relê-lo novamente agora com mais maturidade, inclusive financeira.
      O outro eu não conheço. Já anotei o nome.

      Um abraço!

      Excluir
  6. Tempo é algo preciso. Devemos utilizar com habilidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, tempo é algo realmente precioso. E belo nickname:)
      Abs!

      Excluir
  7. https://www.youtube.com/watch?v=ArIhdczMhxM

    Palestra 25.11.2016 Luiz Felipe Pondé

    Lembrei de você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Vi que o vídeo tem duas horas. Como já ouvi várias vezes o Pondé falar, conheço mais ou menos a sua linha de raciocínio. Vi o nome da palestra também. Irei escrever uma resenha sobre o livro "Como ser um Conservador" escrito por um dos grandes "conservadores" ingleses. É um livro interessante, e deveria ser lido por muitos que acreditam que são "conservadores".
      Abs

      Excluir
  8. Parabéns! A dúvida! "Tudo menos viver no limbo da dúvida". Escolhas e renúncias. Ação e reflexão. A grande maioria apenas segue em frente em busca do consumo.

    Me lembrei de um texto de Marta Medeiros:
    "Morre lentamente quem não troca de idéias, não troca de discurso, evita as próprias contradições.

    Morre lentamente quem vira escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mesmas compras no supermercado. Quem não troca de marca, não arrisca vestir uma cor nova, não dá papo para quem não conhece.

    Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru e seu parceiro diário. Muitos não podem comprar um livro ou uma entrada de cinema, mas muitos podem, e ainda assim alienam-se diante de um tubo de imagens que traz informação e entretenimento, mas que não deveria, mesmo com apenas 14 polegadas, ocupar tanto espaço em uma vida.

    Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o preto no branco e os pingos nos is a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam brilho nos olhos, sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.

    Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

    Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não acha graça de si mesmo.

    Morre lentamente quem destrói seu amor-próprio. Pode ser depressão, que é doença séria e requer ajuda profissional. Então fenece a cada dia quem não se deixa ajudar.

    Morre lentamente quem não trabalha e quem não estuda, e na maioria das vezes isso não é opção e, sim, destino: então um governo omisso pode matar lentamente uma boa parcela da população.

    Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.

    Morre muita gente lentamente, e esta é a morte mais ingrata e traiçoeira, pois quando ela se aproxima de verdade, aí já estamos muito destreinados para percorrer o pouco tempo restante. Que amanhã, portanto, demore muito para ser o nosso dia. Já que não podemos evitar um final repentino, que ao menos evitemos a morte em suaves prestações, lembrando sempre que estar vivo exige um esforço bem maior do que simplesmente respirar."

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Grato pelo comentário, e pelo texto colado.
      Um texto bacana, com certeza.
      Um abs!

      Excluir
  9. Prezado amigo blogueiro,

    Achei que apenas uma edição em inglês iria deixar de receber muitas pessoas no Brasil que não conseguem ou não querem ler em inglês. Como eu disse por lá o foco é publicar em inglês, mas para não deixar muitas pessoas na mão e dependendo do Google Translate achei por bem deixar as cópias em português brasileiro também.

    A cópia em português ficará no Blogger, com a url http://frugalsimples.blogspot.com.br Veja que na versão em português temos um “S” a mais para deixar a URL também em português.

    As futuras atualizações do frugalsimple.net também estarão disponíveis em português via blogspot.com.br

    A versão em português será um pouco mais enxuta e com menos fotos para otimizar para celular e conexões mais lentas e economizar dados do leitor, mas o conteúdo escrito será o mesmo. Sinta-se a vontade para comentar em qualquer um dos dois. Seu blog consta em ambos os blogrolls.

    Se preferir fique a vontade para add o http://frugalsimples.blogspot.com.br no seu blogroll também.

    Grande abraço!

    Frugal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Frugal!
      Acho uma boa você continuar a escrever em português.
      Abs!

      Excluir
  10. Legal o texto. Porém, o tempo passa para todos, para quem investe e para quem tem dívidas, mas os efeitos desse tempo são diferentes, bons para quem investe e ruim para quem deve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Sim, o tempo passa para todos. A dívida, tirando poucos casos, costuma ser deletério. Gastamos ainda mais tempo com tarefas muitas vezes que não nos trazem qualquer satisfação genuína. Isso é abordado no primeiro minuto no vídeo do Mujica.
      O fato do tempo passar para quem poupa e quem deve, de maneira alguma faz com que não se exija um dispêndio de tempo no ato de poupar. Cabe a cada um, já que a maioria dos leitores aqui é de pessoas que se interessam por finanças, se questionar sobre suas escolhas financeiras de poupança, e até que ponto elas estão sendo condizentes com uma satisfação maior de vida.
      Abs!

      Excluir
  11. Soul, excelente texto... Como vc escreve bem, acho isso fantástico. Mas tenho uma questão, quanto de dinheiro seria necessário por mês para podermos não gastar mais tempo pensado em conseguir mais dinheiro? Uns 10 k por pessoal, msm esta alugando uma casa? Parece-me que sim e a vc?( Essa dúvida sempre me atormenta, e como vc é uma pessoa muito esclarecida, gostaria de saber sua opinião)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Você quer uma resposta objetiva para algo que pressupões muitas suposições subjetivas. Onde se mora, como se mora, filhos, casado, precisa sustentar parentes, etc.
      Eu nos últimos três meses no Brasil gastei junto com a minha companheira algo em torno de uns 12 mil (algo em torno de 4 mil reais mês). Comendo bem e saudável, pagando as contas de condomínio -IPTU, comendo sushi fora umas 2-3 vezes por semana, indo ao cinema, uma vida confortável em suma (não pago aluguel, pois habito em imóvel próprio).

      Sendo assim, eu creio que 10 mil reais uma quantidade bem razoável de dinheiro, se a pessoa faz escolhas de consumo mais consciente.

      Abs!

      Excluir
    2. Depende de quanto vc gasta, oras...
      10 k pode ser muito pra uns, ideal pra outros e quase nada para outros
      Dica : levante TODOS os seus gastos por mês e multiplique por 1,3 pra ter uma margem de segurança
      Voilà!

      Excluir
    3. Anônimo, sim, depende de quanto você gasta.
      Porém, é aí que entra o meu texto, e textos como o Money Mustache, por exemplo.
      Os seus gastos, se pensarmos num patrimônio que gere renda para abrigar estes gastos, nada mais são do que uma troca, um gasto do seu tempo. Cabe a cada um refletir sobre gastos, tempo e patrimônio.

      Abs


      Excluir
    4. 4K gasto com a escola integral e bilíngue da minha filha.
      Jogue filhos e a conta ganha mais uma casa decimal

      Excluir
    5. Não tenho dúvidas, colegas. Pois isso disse que era o meu exemplo, e que a resposta objetiva é um pouco difícil quando se depende de tantos pressupostos subjetivos.
      Eu creio que com dois filhos, gastando bem, algo em torno de 15k por mês. Porém, dá para viver muito bem com muito menos do que isso.
      Eu dificilmente pagaria 4 mil reais num simples colégio, ainda mais que para mim é muito claro que boa parte da formação de um jovem é extremamente influenciada pelos pais. Minha formação veio mais da convivência que tive com pessoas de idade das mais variadas matizes, quando jogava xadrez, do que o colégio que frequentei. Entretanto, não sou pai, e posso estar equivocado.
      Abs!

      Excluir
  12. Excelente texto Soul!

    Por isso sempre levo comigo a ideia de = buscar o equilíbrio!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Investidor Inglês.
      Valeu, um abraço!

      Excluir
  13. Interessante você falar em tempo quando o brasileiro precisa trabalhar como um escravo para o governo por 5 meses todos os anos para que as pessoas que o compõe possam viver como um rei.
    5 meses jogados fora, todos os anos, para só então começar a sobrar algum tempo para si. É duro ter que ler um texto desses feito por uma pessoa que pertence a esse grupo tão seleto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério, colega? Até num texto como esse? Caramba, algumas pessoas gostam realmente de soar o mesmo em diferentes situações.
      Espero sinceramente, amigo, que qualquer rancor ou frustração que por ventura possa existir dentro de você possa ir se dissipando aos poucos, e que você realmente possa refletir para tomar decisões, que estejam dentro da sua capacidade de controle, que possam otimizar o seu tempo e sua vida na terra.

      Um abs!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Desculpe, mas funcionário público não paga imposto. Isso é uma ilusão matemática. O governo te paga 10 e te pega 6 está, na verdade, te pagando 4. Era melhor dizer que você recebe 4 diretamente. Você não está sendo surrupiado. Talvez estejam te dizendo algo confortável pra você dormir bem achando que paga imposto. É diferente de alguém que não recebe nada do governo e tomam 6 dele. E a classe média brasileira é idiota, não pelas razões proferidas pela Chauí, e sim porque paga 2x pra ter acesso a algo. Os pobres só pagam 1x, além de com desemprego e morrem na fila mesmo. Jamesson, imagino que você nunca precisou dos ótimos programas sociais. Bom pra você.

      Excluir
  14. Excelente texto, torço para que o nosso país, num futuro próximo, construa uma sociedade com mais capacidade de ter reflexões importantes como essa. É uma pena, mas grande parte da população infelizmente ainda precisa ter preocupações grandes com as necessidades básicas. Desculpe pelo comentário um pouco fora de contexto, gostei muito do seu texto, mas no final da leitura pensei em todas as pessoas próximas que hoje não tem a mínima condição de ter esse tipo de reflexão, e não é por falta de condições ou capacidade intelectual, simplesmente precisam se preocupar com o alimento ou pagamento de contas de básicas, água, luz... Enfim para variar um pouco mais um excelente texto, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Surfista!
      Tudo bem colega?
      Você tem razão. O texto pode soar um pouco "distante" para muitas pessoas, talvez para uma parcela significativa da nossa espécie.
      A vida pode ser muito dura. Porém, creio que mesmo assim, por mais difícil que seja a situação, refletir sobre o que se faz com o tempo é importante, mas sei que essa reflexão talvez não seja de nenhuma valia para um camponês que perdeu as duas pernas ao pisar numa mina terrestre no Camboja ou para um brasileiro que está desempregado e com um monte de conta em atraso.

      No mais, grato pela reflexão, amigo.

      Abs!

      Excluir
    2. Comigo está tudo bem, voltei a surfar com mais frequência e estou me preparando para uma Surftrip, ainda não decidi o lugar, se você tiver sugestões agradeço.
      Eu estou conquistando a oportunidade de ser mais reflexivo nos últimos meses é muito bom ter essa condição.

      Excluir
  15. Soul,

    Bacana a abordagem .. realmente ... tempo é o bem mais precioso que temos ... e tem gente que gasta quase tudo em rede sociais fazendo selfies ..etc rs ...

    Abs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rodolfo!
      Realmente, essa é uma maneira não muito inteligente de usarmos nosso tempo.
      Abs

      Excluir
  16. Puxa vida. Estava exatamente querendo escrever sobre isso... sinto que estou em uma crise existencial (crise no sentido de questionar, tomar as rédeas da vida). Já decidi que quero acumular um certo valor para viver de renda e estou caminhando para isso. ok, muitos de nós assim o decidiu. O que não sei ainda lidar é com como viver uma vida que eu acho plena (afinal, o tempo está correndo e a vida é aqui e agora, não sei do futuro) e também aguardar o tempo para o acúmulo de capital. Falo isso porque atualmente me sinto presa ao meu trabalho, a uma cidade que não escolhi para viver... se pudesse eu estaria fisicamente perto daqueles que realmente importam para mim... experimentando outros caminhos, outros interesses que não a burocracia. Não que eu esteja reclamando do que tenho atualmente, eu sei que sou privilegiada, mas eu sinto que não é a vida que gostaria de estar vivendo... Será que preciso amar meu destino seja ele qual for (amor fati)? Difícil... rs Muitas dúvidas... se tiver alguma luz rs. Obrigada pelo texto, como sempre nos faz pensar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, May.
      Se você sente que " não é a vida que gostaria de estar vivendo", por qual motivo está a vivendo? Pelo salário, pelo medo, pela insegurança, pelo objetivo de acumular um certo patrimônio depois de X anos.

      A vida se gasta, ao contrário do patrimônio que se acumula. Essa reflexão é muito pessoal, mas o seu tempo com saúde na terra vai se esvaindo. Cabe a você achar algo que proporcione uma vida financeira boa, e que de certa forma te aproxime dos valores e das pessoas que você ama. Cabe a você se desafiar, e tentar achar uma solução para isso.

      Um abraço!

      Excluir
  17. De fato, Soul. Só quis dividir aqui essa angústia pessoal porque, ao conversar, às vezes surgem outros pontos de vista que não tínhamos avaliado. Obrigada por gastar um tempo para me responder e também por postar sempre textos tão bem formulados. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, sim essa angústia é normal. Eu ainda de certa forma lido com ela. Porém, num determinado momento temos que vencer alguns receios e dar alguns passos em rumo ao desconhecido. Quase sempre é recompensador e nossos medos prévios se mostram infundados.
      Um abraço e grato pela mensagem.

      Excluir