quarta-feira, 9 de novembro de 2016

DONALD TRUMP - O VIGOR DA DEMOCRACIA AMERICANA, O GOLPE NAS GERAÇÕES FUTURAS E UNCHARTED REEFS PELA FRENTE

Trump, o novo presidente da maior potência econômica e militar do planeta. Quem iria imaginar isso há 15 meses? Porém, o inusitado ocorreu. Quais seriam os motivos para uma vitória tão improvável ter ocorrido? Primeiramente, porque temos que reconhecer que a Democracia americana, para um país daquele tamanho e com níveis grandes de complexidade, é dinâmica e forte. Se não fosse assim, um negro com nome de Obama (que se parece muito com Osama) jamais seria eleito. Sempre disse para pessoas que criticavam os EUA na minha presença, de que a eleição do Obama era uma prova de como os EUA podem ser surpreendentes. Alguém imagina um negro sendo eleito num futuro próximo no Brasil, mesmo nossa população tendo uma quantidade de negros e mestiços muito maior do que a norte-americana? Eu não.

Eu não sabia que o Trump tem 70 anos. Ele será, segundo artigo que li, o presidente mais velho da história dos EUA. Seria ele o mais despreparado também?


  Assim, os EUA são vibrantes neste aspecto. Trump é um empresário de grande destaque e um homem sem qualquer experiência política, militar ou diplomática. É um completo outsider. Isso não deixa de ser algo incrível. Não temos ninguém, pelo menos até agora, que poderia ser idêntico ao Trump neste aspecto no Brasil. O Bolsonaro além de não ter qualquer relação com Trump nas origens, nem mesmo na capacidade argumentativa,  nada mais é do que um político profissional de longa data. Portanto, os EUA mais uma vez surpreendem a todos com a eleição de alguém tão diferente do status quo político.

 Em segundo lugar, parece que é uma mensagem dos americanos, ao menos metade da população que foi às urnas (o voto não é obrigatório lá, ao contrário do Brasil), de forte repulsa ao sistema político atual. Não se enganem amigos, a crise de representação política é profunda e abrangente, não é apenas no Brasil. O nosso país é apenas pior em sua representação, talvez fruto de uma sociedade não tão esclarecida e desenvolvida, mas tirando alguns países extremamente ricos e estáveis (como Austrália, Nova Zelândia, Noruega, etc), o mundo passa por um momento de profundo questionamento da representação política.

  Mas, por que essas pessoas estão insatisfeitas? Elas não estão insatisfeitas porque estamos piorando o ambiente que deixaremos para nossos filhos, ou porque hoje o número de deslocados e refugiados é maior do que no ápice da segunda guerra mundial. Não. Elas estão insatisfeitas porque a sua qualidade de vida, em que pese termos muito avanço na tecnologia, não vem necessariamente melhorando. Elas querem mais empregos com maior remuneração, vizinhanças mais seguras, aposentadorias melhores, sendo todos estes desejos compreensíveis e naturais.

  Um ponto que chama, e chamou, a minha atenção sobre Trump, é que via muitos colegas entusiasmados com a possibilidade de sua vitória, pois ele representaria alguma forma de resgate de valores individuais e de liberdade econômica. Isso é algo que não se encontra nas falas do agora novo presidente americano. Ao contrário, acaso ele realmente venha implementar o que disse, é possível que tenhamos uma nova onda de protecionismo nacional, não a expansão do comércio entre as nações. 

  É interessante ressaltar também, ao contrário do que muitos que se interessam por finanças (bato nessa tecla, pois a audiência maior desse blog é voltada para essas pessoas), não há qualquer indício de que ele venha a diminuir o papel do Estado, muito pelo contrário. Neste ótimo artigo feito pelo Instituo Mises Brasil, fica claro que o que Trump quer, acaso ele realmente implemente o que prometeu, é mais Estado. A diferença em relação a candidata democrata é que ele aumentaria o papel do Estado via endividamento, ou seja empurraria a conta para gerações futuras, que foi exatamente o que o Governo Dilma I e II fizeram com o Brasil.

  Nos debates, eu ficava me perguntando como ele vai baixar impostos e aumentar substancialmente gastos governamentais militares e em infra-estrutura sem subir a já altíssima dívida pública americana? A resposta do IMB é que ele simplesmente não vai fazer nem metade do que prometeu, porque simplesmente é inviável economicamente.

 Ele fará os EUA fortes de novo no ponto de vista da geopolítica? O Obama é visto por muitos como um presidente fraco nesse front, e eu gostaria de saber os motivos. “Ah, ele não interveio mais decisivamente na Síria, não impediu a anexação da Crimeia pela Rússia, ou não se impôs a expansão da China” alguém pode ser refletindo.

 A Crimeia tem uma maioria russa, não havia muito o que ser feito. A China é a nova superpotência do mundo, não há nada e nenhum país que irá impedir isso. Depois de passar 4 meses naquele país, eu apenas me sinto humilde em relação ao meu conhecimento sobre uma das civilizações mais antigas do mundo, e sempre acho engraçado ver a análise de pessoas sobre o país sem conhecer quase nada sobre a incrível história ou nunca nem ter colocado os pés lá. A Síria é um atoleiro, não há saída fácil, talvez no começo, agora não mais.

 O fato é que os EUA tem que reconhecer que eles tiveram um breve momento como a única superpotência do mundo logo depois da queda da União Soviética. Não é isso que se desenha para as próximas décadas. Os EUA vão querer ter influência no mar da China? E como eles podem fazer isso sem gastar quantidades enormes de dinheiro, prejudicando a sua própria economia? Assim como parece estranho a China querer influenciar alguma coisa perto dos EUA, cada vez, em minha opinião, ficará claro que não será possível os EUA influenciar áreas tão próximas a China.

 Sobre este aspecto, não vejo muito como os EUA podem vir a ganhar maior influência no mundo do ponto de vista geopolítico. Os EUA são o ator mais importante da arena internacional, não há qualquer sombra de dúvidas, mas há limites para a sua atuação e eles irão ficar cada vez maiores, e não há nada de errado nisso. Portanto, aumentar ainda mais a máquina de guerra americana, como o Trump pretende, um erro que apenas aumentará a dívida americana, assim como Bush fez com a guerra do Iraque que estimam ter custado, além de centenas de milhares de vidas humanas, algo na faixa dos trilhões de dólares.

  Porém, isso é apenas a minha opinião, e posso estar redondamente enganado, e sinceramente não vejo grande influência para o Brasil. Agora, há um tema que vejo com profunda tristeza: crise ambiental


 Eu, ao contrário de grandes jornalistas, não viajei o mundo para observar o estrago que nós humanos com a nossa forma de vida estamos causando aos ecossistemas do planeta. Porém, como já estive em diversos lugares, pude observar algumas coisas que estão ocorrendo. As regiões que mais crescem no mundo são as localizadas na Ásia. Quando estive pela primeira vez há quase 10 anos havia poluição, mas sinceramente não era algo muito diferente de uma cidade grande brasileira. Quanta coisa mudou em menos de 10 anos. Quando estava na Indonésia, Malásia, e em algumas partes do Camboja e Laos há alguns meses, fiquei bastante impressionado. Em diversos dias, mesmo com sol e sem nuvens, não se conseguia ver o horizonte com clareza, mesmo montanhas. Demorou um certo tempo para perceber que era poluição advinda de grandes queimadas da ilha de Sumatra para plantação de Palm Oil. 

 Poucas pessoas sabem, mas grandes ecossistemas vem sendo destruídos apenas para a plantação dessa espécie que é utilizada em quase tudo hoje em dia pela indústria. Na ilha de Bornéu, quando peguei um avião para ir a um parque nacional mais remoto, vi plantações e plantações a perder de vista de Palm Oil, num deserto verde deprimente. 

 Bornéu, talvez junto com a nossa floresta Amazônica, talvez seja um dos lugares com maior biodiversidade do mundo. Essa preciosidade vem sendo destruída, colocando em risco a existência de populações selvagens de Orangotangos (um dos cinco grandes primata ao lado do Homem), além de muitas outras espécies. Tive a oportunidade de ver Orangotangos semi-selvagens e foi muito bacana. Será algo muito triste para toda a humanidade se de alguma maneira causarmos a extinção de um grande primata.

Deserto verde: Plantações de Palm Oil

  A poluição na China também é algo estarrecedor. Mesmo num dia claro, e sem muita poluição, não conseguimos ver o sol em Beijing. Foi uma sensação muito estranha. Fiz amigos na China que me disseram que há dias em que a poluição é tão extrema em grandes cidades chinesas que muitas pessoas chegam  a sentir efeitos físicos negativos severos como dores de cabeça, olhos irritados por causa da poluição do ar. Estamos tornando o nosso mundo um lugar pior para se viver às custas das novas gerações, o que para mim é um grande crime.

 Donald Trump disse que o aquecimento global, apesar de evidência científica em contrário, é uma farsa. Ameaçou tirar os EUA do acordo de Paris assinado em dezembro de 2015. Espero sinceramente que isso não aconteça, pois poderíamos repetir o que foi o acordo de Kyoto de 1997, e perdemos mais tempo, quando a janela de oportunidade para agir está cada vez se tornando mais estreita. Além do mais, estaria colocando os EUA na contramão do que a maioria dos países estão dispostos a fazer. Para mim a questão ambiental é uma das mais importantes para a espécie humana nesse começo de século.

  Se a sua vida será influenciada diretamente enquanto investidor? Difícil dizer. O melhor a fazer  é  se concentrar em sua vida e procurar fazer o melhor ao seu alcance. Isso é verdadeiro. Porém, não vivemos numa ilha, e é inegável que atos políticos afetam as nossas vidas, mesmo atos vindo de potências estrangeiras. Como brasileiro dificilmente minha vida será afetada diretamente, mas é estranho pensar que tantos lugares que estive podem sofrer grandes consequências. 

 Em poucos dias estarei no Irã, e uma das primeiras medidas a ser anunciada pelo Trump, pelo menos é o que ele disse nos debates,  é de alguma forma procurar anular o acordo nuclear. Há dois dias conheci um Iraniano que estuda economia em Londres. Ele disse que é isso exatamente o que o Supremo Líder Iraniano quer. O Irã possui um sistema político que mistura religião com política. Há eleições diretas, mas os nomes dos candidatos precisam ser aprovados por um conselho de 12 "sábios" que são diretamente influenciados pelo supremo líder o Alitolá Khamenei. O acordo foi meio que “empurrado" goela abaixo de partes mais conservadoras do país, pois há um grande movimento por mudanças, principalmente pela classe média bem informada de Tehran. O que os conservadores mais queriam, segundo esse Iraniano, era uma vitória do Trump e o fracasso da negociação desse plano, pois assim poderão  voltar com a velha retórica de demonizar os EUA, o que fazem com certa razão pois os EUA só fizeram bobagem no Irã nas últimas décadas,  e seguir com o programa nuclear.

  Ou o que vai acontecer na Coréia do Sul. Quando estive lá, tive a oportunidade de ir na DMZ (demilitarized zone), uma área de extrema tensão entre a Coréia do Sul e Coréia do Norte. De alguma forma, os EUA irão mudar a sua política no país? Existem dezenas de milhares de militares americanos lá, eu mesmo tive a oportunidade de conversar com um mercenário que já tinha lutado em Fallujah (uma das batalhas mais sangrentas da guerra do Iraque). 

 Difícil saber, pois o Trump ficou conhecido por mentir descaradamente sobre fatos nessa eleição e mudar de ideia constantemente sobre alguns temas. Uma vez conheci um americano que comprou um barco e navegava o mundo. Ele me disse que no pacífico sul, havia uma região com inúmeros uncharted reefs, ou seja bancadas de corais que não estavam catalogadas nos mapas de navegação, o que tornava a navegação difícil e perigosa.

  Creio que com Trump entramos num “oceano com uncharted reefs”, o que vai acontecer é difícil saber. Talvez ele não cumpra nem 10% do que prometeu, talvez ele vá mais além ainda, muito difícil saber. Independente do que acho ou penso a respeito dele, o resultado deve ser respeitado, pois esse é o cerne da Democracia.  Nós, e isso é uma lição para os brasileiros, devemos aceitar eventuais resultados desfavoráveis na política. Isso é do jogo.

 “Ah, a Democracia não é o melhor regime, quem disse que a maioria vai tomar a melhor decisão”, essa é uma ideia defendida por alguns. É verdade, não há qualquer garantia de que a maioria tome necessariamente a melhor decisão. Porém, depois de passar por alguns países onde a dissensão política é duramente reprimida, só me fez ainda mais ver o valor de um regime onde possamos expressar opiniões e eventualmente nos colocar contra o governo do momento.

  Apenas espero que não entremos numa era da "pós-verdade", como vi um artigo na folha de São Paulo de um colunista que gosto. Nesta nova era, a verdade não é algo mais tão necessário para a política. Ao invés da cansativa checagem de fatos, raciocínio sobre o que se diz faz sentido, nos contentaríamos com histórias que nos fazem felizes ou façam mais sentido para nossas visões de mundo, independente se é verdade ou não o que se diz. Espero sinceramente que não, pois para mim seria uma degradação total da vida política tão importante para convivermos em sociedade. 

  
obs: O colega blogueiro Rover em seu último artigo disse que conseguiu vender a sua empresa e que em breve estará mudando para o exterior, provavelmente para os EUA já que o Trump venceu. Lembro de um e-mail há mais de um ano ele ter me dito que esse era o seu objetivo, conseguir vender a empresa a qual construiu. Escrevi uma mensagem no blog dele, mas fica aqui a minha mensagem de satisfação de saber que ele atingiu o seu objetivo tão arduamente perseguido. Que sirva de lição e incentivo a todos os demais blogueiros e leitores que possuem objetivos que possam ser aparentemente difíceis de conquistar, mas que com determinação podem ser alcançados. Por que não?


É isso colegas, grande abraço a todos!

57 comentários:

  1. Soul,
    Na minha avaliação, não foi o Trump quem venceu, foi a Hillary quem perdeu rs.. O maior adversário de Hillary era ela mesma. Ela teve diversas oportunidades para tentar mudar sua imagem de desonesta e duvidosa. Não conseguiu. Também não esclareceu sobre as volumosas doações para a Fundação Clinton, bem com as polêmicas envolvendo o lobby de empresas no governo Democrata e sempre desconversou sobre o caso dos e-mails, o que é considerado uma falha gravíssima, ainda mais para um Secretário de Estado. Já o Trump, soube jogar o jogo. Suas propostas polêmicas não são defendidas pela maioria, mas fisgam votos de uma parte relevante da população. Ele conseguiu captar a recente onda global protecionista e anti-imigratória. Com esses votos garantidos, partiu para políticas populistas focando outro perfil de eleitor. E jogou bem, como outsider, o populismo ajudou fortalecer sua imagem. Um outsider liberal teria poucas chances de vitória mesmo nos Estados Unidos. Muito dificilmente Trump conseguirá cumprir com suas promessas de campanha, até porque, precisará passar por cima de um Congresso de maioria Republicana. É altamente improvável que parlamentares Republicanos e até Democratas votem a favor de suas propostas. Abs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, FI.
      Está parecendo técnico de futebol brasileiro, amigo! hehe
      Não foi o outro time que ganhou, foi o nosso que jogou mal!:)
      No caso dos E-mails, ela admitiu que errou. Você mesmo em seu penúltimo artigo disse que o risco Trump tinha quase sido eliminado, e que o FBI ter encerrado as investigações sobre o "escândalo dos e-mails" era ago que fortalecia a candidata. Quanta coisa mudou em apenas um dia não é mesmo?
      Eu acho que sobre um eventual governo Trump, a analogia com uncharted reefs parece ser boa, os EUA poderão navegar sem grandes danos, ou podermos ter muitas surpresas pela frente. Na verdade, ninguém sabe.
      Agora, você foi correto, ele quer menos comércio mundial e uma retórica mais agressiva em relação a minorias. Como isso vai ser colocado em prática, veremos.
      Se ele não fizer nada do que prometeu, não passará de um estelionato eleitoral "a la Dilma" não é mesmo?
      Vamos ver, grato pelos comentários sempre bons FI.
      Abraço amigo!

      Excluir
  2. Você citou a Noruega como páis rico e estável. Pelo que vejo o ciclo de riquiza da Noruega assim como de boa parte da Europa parace não ter folego para durar muito tempo.
    Se o preço do Petróleo diminuir eles terão dificuldades de se manter viáveis, já que o país não tem muitas outras fontes significativas de geração de riquezas.
    É cedo pra dizer o que vai acontecer no Mundo a partir de janeiro, só o tempo vai mostrar.
    Mas acho que o que levou o Trump à vitória foi sair do senso comum e do politicamente correto. Parece também que o sentimento de nacionalismo começa a se tornar mais forte em alguns grupos e algumas partes do mundo.
    Você pelo conhecimento que tem de outros países talvez tenha uma visão diferente da minha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. A Noruega possui um fundo soberano de 1 trilhão de dólares para uma população de algo em torno de cinco milhões de habitantes. A Noruega está numa posição de proporcionar uma boa vida para os seus habitantes por décadas e décadas.

      É verdade, só o tempo irá dizer, aliás como tudo na vida. Por isso, o estudo da história é importante. Hoje em dia somos impacientes, queremos saber quais são os efeitos de algo de maneira instantânea, assim como só o tempo está mostrando como foi a administração Bush, só o tempo dirá como será uma administração Trump.

      É verdade, há um ressurgimento do nacionalismo em vários países. Já vimos isso em outros momentos da história, o resultado não foi mais prosperidade humana, mas sim mais conflitos entre seres humanos.

      Abraço!

      Excluir
    2. A vitória do Trump deve ser fundamental para o fortalecimento da direita e extrema direita em muitos países, principalmente se o tempo mostrar o mendato do Trump como um bom mandato pros EUA.
      Na Europa políticos e partidos com essa postura devem se fortalecer e até na América Latina podemos ter situações semelhantes.
      O tempo vai dizer, mas podemos estar vivendo um momento de mudança politico/ideológica no Ocidente.

      Excluir
    3. Olá, colega. Também penso o mesmo, veremos os desdobramentos. Creio que será uma grande decepção para muitas pessoas, que ainda acreditam que o eixo de desenvolvimento do mundo se encontra na Europa-Eua, e não na Ásia.

      Abraço!

      Excluir
  3. nao tem ninguém igual no BR? e o Dória?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. O Dória, realmente não pensei nele. Porém, provavelmente ele seguirá o caminho tradicional de se transformar num político profissional. Ele já declarou apoio ao Geraldo para presidente em 2018.
      Abraço

      Excluir
    2. Uai, mas e Trump não virará?

      Excluir
    3. Um pouco diferente, não acha? O primeiro cargo político dele será o de maior importância do mundo. Creio que é algo inédito.
      Abs

      Excluir
  4. Nessas que concordo 100% com o Bastter, ignorar isso completamente. Histeria injustificada vai ser enorme. Exageros geram cliques, geram lucro (pra imprensa).

    Abraço, Soul!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Se você diz ignorar para continuar com a estratégia de investimento, sem sobras de dúvida. Isso não pode ser motivo para ficar mudando de estratégia, ou caindo na onda de analista.
      Abraço!

      Excluir
  5. Muito bom! Um visão bastante interessante do que ocorre na política externa americana.
    grande abraço

    ResponderExcluir
  6. Já viajei esse Brasil quase todo, e uma das coisas que mais me chamaram a atenção foi o desmatamento e a quantidade de animais silvestres mortos nas estradas. No Mato Grosso e Rondônia são quilômetros e mais quilômetros de devastação para plantação de soja, algodão e milho, já no Nordeste impera a cana-de-açucar. Até quando a Natureza irá suportar?
    PS: Não sou naturalista/ambientalista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Guardião da Fortaleza!
      Primeiramente, o que você entende por ambientalista ou naturalista? Se gosta de contemplar um rio, provavelmente você tem apreço pelo ecossistema em que vive. Se não gosta de ver lixo espalhado pela sua cidade, provavelmente tem apreço pelo ecossistema em que vive.
      Um dos grandes erros, ao meu ver, é considerar que somos algo aparte da natureza. Não a espécie humana faz parte da natureza, nós não existimos como uma entidade fora da natureza. Assim, parece-me evidente que o equilíbrio e a sobrevivência do ecossistema em que vivemos é algo vital para a própria sobrevivência da nossa espécie.

      Abraço!

      Excluir
    2. Olá, Soul.
      Na verdade mencionei isso apenas para informar que não sou desta área, mas que, como cidadão, me dói o coração ver tanta agressividade à natureza. Você está corretíssimo em se preocupar e pensar desta forma. Gosto bastante deste trecho:
      "Quando a última árvore estiver cortada,
      quando o último rio estiver poluído,
      quando o último peixe for pescado,
      vocês vão entender que não se pode comer dinheiro."
      Acompanho a blogosfera de finanças ha bastante tempo, mas só agora decidi criar o meu blog para comentar no post dos amigos.
      abraços

      Excluir
    3. Eu acho que "naturalista/ambientalista" deve ser entendido, na atualidade, como aquelas pessoas que militam pela morte de 80% da população mundial, como base na ideia absoluta de que a raça humana é um câncer para a "Natureza"/"Planeta".

      Excluir
    4. Olá, Guardião,
      Também gosto muito dessas frases, são de índios nativos da América do Norte (apenas não lembro de qual povo).
      Espero que escreva mais por aqui.

      Luis Antonio,
      Não creio que a sua definição guarde qualquer semelhança com a realidade.

      Abraço em ambos!

      Excluir
  7. Olá Soul, faz tempo que não apareço por aqui mas sempre sigo acompanhando seus textos!

    Em relação ao post de hoje e as eleições americanas, na minha opinião o Trump está muito longe de ser um exemplo de pessoa, mas acredito ser alguém muito melhor para liderar os EUA do que a Hilary.

    Acho que a informação que chegava até você durante a viagem era escassa, talvez alguma coisa via redes sociais, mas no Brasil era extremamente descarado um jornalismo bem tendencioso, pró Hilary e focando nos discursos do Trump contra imigrantes ilegais e algumas declarações bem idiotas dele, mas de coisas que na minha opinião são fúteis e pequenas se colocadas ao lado da representatividade que tem um possível presidente americano e de todas as investigações, suspeitas e fraudes que vem sendo divulgadas contra a Hilary pelo WikiLeaks, FBI, etc.

    Enfim, a galera por aqui anda indignada com a eleição dele por conta de uma influência bem grande da mídia por aqui, mas quem vai um pouco mais a fundo para tentar entender esse resultado acho que consegue enxergar um movimento parecido com o que vem aparecendo por aqui, um voto de protesto contra a fraude, corrupção e todo esse sistema político que faz embrulhar o estômago da galera.

    Um grande abraço Soul!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gabriel!
      Pode ser, as informações que chegam ao Brasil, ainda mais via redes sociais costumam ser de baixa qualidade.
      Como tive oportunidade de ver alguns debates republicanos (antes da nomeação) e os três debates presidenciais, pude formar uma opinião mais própria sobre Trump. Se não completa e acurada, mas pelo menos pessoal. Eu acho que ele tem o potencial de ser um verdadeiro desastre, mas só o tempo dirá.

      Um abraço amigo!

      Excluir
  8. Se está tão preocupado com o meio ambiente porque não vai morar no meio no mato, aproveite e aposente seu carro e qualquer meio de transporte movido a combustível fóssil. Claro que você não vai fazer isso porque você é apenas um hipócrita de bosta.

    EcoLixos é igual esquerdista que quer socializar a economia, mas não quer socializar seus bens.

    Antes de escrever esse bando de sandide dê primeiro o exemplo. Vá morar no meio da floresta e viva do que a natureza lhe der, daí escreva sobre meio ambiente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega, retirando as suas adjetivações que mostram insegurança em relação a si próprio, seu comentário me deu a ideia para um próximo artigo, com o intuito de mostrar o quão tola e incoerente é "a posição" (coloco entre aspas, pois você não defendeu posição objetiva nenhuma) colocada por você.

      Abs

      Excluir
  9. Apesar de o post ser sobre um assunto diverso, seu parágrafo sobre o velejador americano serviu de pretexto para fazer uma pergunta que já estava há um bom tempo na minha cabeça.
    Nunca considerou continuar sua viagem por mar, comprando um veleiro e fazendo a rota clássica pelos trópicos?
    Parece uma viagem sensacional e com um propósito muito semelhante a sua atual aventura.
    Existem blogs de gente fazendo exatamente isso, além de vários livros de gente que fez essa volta (helio setti jt, Joshua slocum, dentre inúmeros outros).
    É algo que está. Os meus planos após a IF, mas que demanda o convencimento do resto da família.
    No seu caso, o mais difícil você já fez: partir e levar a sua companheira junto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Belíssimo tópico. Eu adoraria viajar pelo Pacífico Sul, surfando em diversos lugares como Tonga, Samoa, Nova Caledônia, Taiti, etc.
      O problema é que não tenho nenhuma habilidade manual para esse tipo de coisa. É algo que já passou pela minha cabeça, mas não sei se tenho competência para tanto.
      Irei pesquisar os nomes citados por você. Desejo sinceramente que você consiga colocar isso em prática algum dia.

      Abraço!

      Excluir
    2. Já que demonstrou interesse pelo tema, vou desenvolver a ideia um pouco mais.
      O livro do joshua slocum está em domínio público e pode ser encontrado facilmente na internet.
      Um exemplo aqui:
      http://www.rlyachts.net/sailingalonearoundtheworld.pdf
      Ressalvo apenas que esta obra se refere a uma viagem no começo do século XX e, portanto, trata de um mundo muito diferente do atual. Em todo caso, este livro é considerado o pioneiro do turismo a vela pelo mundo e muito recomendado (confesso que ainda não li, apesar de estar na minha lista de próximas leituras).


      O livro do Helio Setti eu já li e gostei bastante. A viagem dele foi realizada na década de 80 e descreve uma realidade muito próxima da que veríamos hoje. Infelizmente só irá encontrar o livro para comprar.

      Se quiser acompanhar histórias atuais, existem diversos blogs de gente fazendo isso.

      Um que gosto bastante é o http://itacaresailing.blogspot.com.br/
      Eles ainda estão no comecinho da viagem.

      Outro bacana é o http://sailipanema.com/
      É o relato de um casal que começou a viagem no ano passado. Já fizeram um caminho um pouco maior.
      Se quiser experimentar esta vida por alguns dias e trocar experiências com alguém que a conheça melhor, é possível se hospedar em alguns destes barcos. No ipanema existem todas as informações de como fazer isso (preço, o que oferecem, o que esperar, etc).

      Quanto a conhecimento, não há nada que, com algum esforço não possamos aprender.
      O capitão do Ipanema, por exemplo, afirma que saiu do zero e um ano depois estava cruzando o atlântico.

      A parte teórica, inclusive, parece envolver temas que você gosta bastante, como, por exemplo, navegação astronômica.

      A prática, só se aprende no dia a dia, dando a cara para bater.

      Por enquanto é isso.
      Dependendo do seu interesse pelo assunto, vamos trocando mais informações.

      Abraço

      Excluir
    3. Olá, colega. Desculpe a demora em responder. Estava sem acesso de internet. Só posso agradecer as informações. Olharei com mais calma os links dados por você, tenho páginas de vários links e livros para ler e olhar quando voltar ao Brasil.
      Mais uma vez agradeço, e o tema me interessa sim. Não sei se a minha companheira que costuma passar mal em pequenas embarcações.

      Abraço!

      Excluir
  10. Soul, acredito que o aquecimento global que estamos passando é apenas um ciclo natural do sol e do planeta em si, não é causado pelos humanos, enfim, nesse quesito o trump não está errado ao meu ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Eu penso que essa questão não deveria ser uma matéria de crença, mas sim de evidências científicas. Se o aquecimento total é apenas um ciclo do sol? É possível, eu não tenho condições técnicas de responder isso. Entretanto, aparentemente não é o que a esmagadora maioria da comunidade científica pensa. O preço se estivermos errados, por exemplo acreditar que é apenas um ciclo solar e não de causa antropogênica, é simplesmente muito alto. Além do mais, as propostas são no sentido de tornar as nossas matrizes energéticas mais limpas e eficientes, muitos países estão indo nessa direção, a China inclusive, que é o país que mais investe atualmente em energia solar e eólica. Depois de estar na China, entendi perfeitamente o motivo. Poluição, e não mais liberdade, é o tópico que mais leva chineses a rua para protestar.

      Abraço!

      Excluir
  11. Grande Soul, belo post!

    Sobre os mercados: The markets always goes up. Independente dos governos e partidos que ficam nas cadeiras (isso no longo prazo).

    As propostas de ambos acho que são para aumentar as dívidas (mais do que o Obama já aumentou). Não tem jeito, esquerda ou direito só querem é mais estado (para eles).

    Felizmente eles têm muitas limitações legais e constitucionais para o que podem fazer. Desde a eleição passada que gosto mais de acompanhar o Partido Libertário que ganhou muito mais votos do que na eleição anterior. Uma pena o Rand Paul não ter sido o candidato dos Republicanos, eu gostava mais dele entre todos. Nessa eleição eu penso que o melhor seria o Gary Johnson mesmo.

    Mas entre Hillary e Trump, pra mim não há a menor sombra de dúvida de que o Trump é MENOS péssimo. O mundo iria aguentar mais dezesseis anos de Marxismo Cultural. Acho que está mais do que na hora de dar uma renovada por ali, e por aqui também em 2018. A esquerda já deu o que tinha que dar.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frugal, primeiramente, sobre os mercados sempre subirem, saiba que deixei um comentário enorme no seu último artigo a respeito. Porém, acho que a internet caiu e não foi publicado. Parabéns, o artigo foi muito bom mesmo. Poderia estar num livro em língua portuguesa, muito bem escrito.

      O seu ponto é fundamental: a Democracia americana é forte. Lá as instituições são realmente respeitadas, ao contrário aqui do Brasil. O resultado é que realmente há muitos limites ao poder de atuação despótico de um presidente. Porém, mesmo assim, um mau presidente pode fazer um mal danado. Eu creio que Trump possui esse potencial. O problema do Gary Jonhson é que era alguém aparentemente despreparado, pelo menos é o que pareceu quando ele perguntou "O que é Aleppo?" Como alguém que quer ser presidente dos EUA, pode fazer uma pergunta dessas ao vivo?

      Frugal, pense colega. Marxismo cultural? Podemos usar essa expressão, que para mim em muitos casos às vezes serve para se sair pela tangente, para sei lá falar do processo de ocupação dos colégios no Brasil. Agora dizer que Obama, Hillary são marxistas culturais é algo difícil até mesmo de comentar. Vamos analisar os fatos ruins e bons, e tentar deles extrair algum sentido.
      Foi um republicano o Bush que mergulhou os EUA numa das piores crises de sua história. Lembra-se? Além de um legado de guerras, destruição de vidas, destruição da credibilidade dos EUA (ou você acha que as pessoas não se lembram que o Iraque foi invadido baseado numa mentira?), gastou trilhões de dólares numa guerra, e contratou inúmeros gastos que foram recebidos pela administração Obama.

      O problema no Brasil é que sempre queremos renovar, esse eu acho um mote que faz com que o nosso país patine. Precisamos inovar no que tem que ser inovado, não em tudo. Isso vai ao encontro do meu último artigo. Nenhum país evolui de forma mais consistente se não houver um processo mínimo de continuidade. Descontinuidade a todo o momento não é necessariamente bom, na natureza isso significa extinção de espécies. A evolução costuma ser um processo contínuo.

      Abraço!

      Excluir
  12. Eu sinceramente fiquei muito feliz com a vitória do Trump, apesar de discordar de muitas ideias dele.
    Eu sempre torço pra que os republicanos ganhem e depois dos democratas darem espaço pra um psicopata lunático como o Bernie Sanders, minha rejeição aos democratas só aumentou.
    Não espero muito de Trump, mas com os democratas cada vez mais à esquerda, espero que os republicanos governem por 100 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega, um partido governando por mais de 80 anos nós já temos experiência no mundo: o PRI mexicano. Os resultados não são muito bons. Como o meu pai sempre disse, "a incerteza do futuro é que faz os governantes agirem dentro de limites". Não desejo a nenhuma democracia do mundo a hegemonia de um único partido.

      Abraço!

      Excluir
    2. Vide o PT aqui, que acreditou na reeleição eterna.

      Excluir
    3. Pois então, isso é apenas uma prova de que grande projetos costumam naufragar muito antes do que os líderes imaginam, vide Hitler e o seu Terceiro Reich de 1000 anos.
      Abs

      Excluir
  13. Trump vai ser um Reagan ou um Bush filho? O tempo dirá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só o tempo dirá. Se ele frustar os seus eleitores, talvez possa fazer um bom governo. Se resolver colocar em práticas suas diversas medidas, difícil saber as consequências econômicas e geopolíticas.
      Abraço

      Excluir
  14. Fiquei muito feliz com a vitória do Trump, embora saiba que muitas das ideias dele ficam apenas no campo da retórica. Veja por exemplo a ideia infantil de construir o muro com o México, algo que só os rednecks acreditam. Seria muito mais efetivo se ele fosse nas cidades que sabidamente têm grande numero de imigrantes ilegais e simplesmente capturasse e jogasse eles fora do país. Mas infelizmente não é tão simples, embora felizmente tenha crescido a hostilidade contra esses invasores e outras "minorias" que querem se aproveitar de todas as brechas possíveis.

    O grande mérito da vitória do Trump é o bom exemplo que ele transmite para o resto do mundo. Talvez a Europa acorde e expulse a escória imunda que há anos se infiltra nela e destrói a sua identidade cultural e racial em nome de um humanismo doentio. Talvez muitos governos parem de jogar dinheiro fora com "ajudas humanitárias" para a África e parem de bajular países islâmicos. Quem sabe?




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Áustria agora, Franca em 2017 e em seguida a Alemanha mostrarão que o mundo deu uma guinada para a direita nacionalista.
      Embora não goste do pmdb, creio que o momento de escorraçarmos o PT não poderia ter sido melhor.

      Excluir
    2. A humanidade conhece bem esse filme...
      Abs

      Excluir
  15. Caro blogueiro,
    Se você investe em FIIs, poderia nos ajudar quanto a questão dos elevados custos das correspondências?
    Fiz um post a respeito do assunto e a sua colaboração será bem vinda!
    http://abacusliquid.com/cvm-regras-de-fiis/
    Abraço
    Uó!

    ResponderExcluir
  16. Respostas
    1. Olá, Rodolfo. Tá aí uma cosia que olho muito pouco nos últimos dois anos.
      Abraço!

      Excluir
  17. Acho que o Trump vai ter um caminho parecido com o que Lula teve no seu primeiro mandato. Muitas coisas prometidas serão trocadas por seu oposto e isso vai fazer os EUA prosperar outra vez.

    Quanto a questão ambiental, me parece que a energia solar, num futuro não tão distante, será a principal fonte de energia. E por ser uma energia limpa, muito dos problemas ambientais serão eliminados. Muitas empresas do ramo do petróleo estão investindo na energia solar, já se preparando para o fim dos combustíveis fósseis. Além disso, o custo de muitos processos produtivos vai cair muito, melhorando ainda mais a qualidade de vida das pessoas. O que vc acha disso?

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. A Energia Solar é promissora. Uma fonte de energia renovável, razoavelmente limpa, que abrangesse grande parte das necessidades humanas por energia seria muito bom. Porém, ainda estamos muito longe desse cenário. E o tempo para tomarmos medidas, antes que consequências realmente nefastas possam acontecer, está se encurtando cada vez mais.

      Não se esqueça que o CO2 fica acumulado por centenas de anos na atmosfera. A Terra irá se aquecer, mesmo que adotássemos apenas energia solar daqui a 10 anos. A grande questão é não deixar que se passe de um aumento limite. Cientistas acreditam que aumentos de temperatura média acima dos 4 graus teriam consequências desastrosas. A corrida é para que esse aumento médio fique abaixo de dois graus até 2100.

      Abraço!

      Excluir
  18. Muito bom. Estou procurando parceiros para meu Blog, gostaria que vc desse uma passada no meu e adicionasse ao blogroll. Já adicionei o seu aos meus blogs parceiros http://estoupobre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Pensamentos Financeiros, não acha que deveria se expor ao bitcoin? Andei lendo recentemente e fiquei impressionado como ele pode tomar parte do mercado do comércio eletrônico, paraísos fiscais, ouro e demais investimentos. Acho que, para tanto potencial (o pessoal da fintech só fala de bitcoin e blockchain atualmente), um valor de mercado de 11,5 bilhões de dólares é uma poeira ainda.Sem contar a propriedade de não-correlação com os demais ativos.

    Qual a sua opinião? Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Estava lendo um livro do Fernando do IMB sobre bitcoin. Sei muito pouco, quando souber com mais discernimento, poderei ter um juízo de valor mais claro. Nesse tipo de coisa, sigo as lições de W.Buffett e outros investidores famosos : " se não conhece, não invista".
      Abraço

      Excluir
  20. De novo com esse papo de ecosistema? Já aposentou seu carro e meios de transporte? Ainda não? Entao pq tá falando desse assunto?

    E vc aponta MISES? KKKKKK

    vá a merda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega, vamos escrever o nosso idioma de maneira correta? Nós fazemos parte dos ecossistemas, sem ecossistemas sem possibilidade de vida humana, ok?
      Abs

      Excluir
  21. Fala Sô!
    Está em qual parte do mundo hoje?
    Criei no meu site uma nova página de monitoramento do tráfego da blogosfera. Depois dá uma conferida.
    http://abacusliquid.com/blogosfera/ranking-alexa/
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Alexandre. Hoje, estou no Brasil.
      Muito bom trabalho anda fazendo. Irei trocar ideias com você sobre administração de um blog.
      Abraço!

      Excluir
  22. Grande Soul.
    Hj vim aqui ver se você tinha escrito algo sobre o Fidel.
    Não sei se vai escrever, mas eu acharia interessante ver o que vc tem a dizer.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitos temas né meu amigo Frugal?
      Como sempre, personagens como o FIDEL costumam ser complexos e ter muitas facetas.
      Porém, tenho que admitir que sei pouco sobre ele, e as informações despejadas na net costumam ser de baixa qualidade em temas como estes.
      Abraço!

      Excluir
  23. ola Soul,Senor Abravanel seria um perfil paralelo ao do Trump (ele tentou uma vez ser candidato a presidente mas implodiram sua candidatura rapidamente).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Silvio Santos? Não saberia responder, colega. Lembro-me muito vagamente de quando se cogitou que ele poderia concorrer a presidência, apenas lembro-me da minha mãe dizendo que votaria nele.
      Abs

      Excluir