segunda-feira, 9 de abril de 2018

O MUNDO REAL


O mundo real. Existe alguma outra realidade que não seja aquela que experimentamos? O que seria o mundo real? São perguntas de difícil resposta, se é que existe alguma que possa ser considerada definitiva. Nada impede que a nossa suposta realidade nada mais seja do que uma simples simulação, por exemplo. Porém, deixem-se divagações mais abstratas para outro momento, e concentremo-nos, prezados leitores, em divagações mais palpáveis com a nossa vida.

Você entra num bar, é verão e está quente, você está um “pouco acima do peso”, mas não acha estranho o fato de que de uma mesa duas garotas estonteantes olhem em sua direção de um jeito sensual. Feliz com a vida, você pede uma cerveja  a um garçom animadíssimo, a cerveja é barata, mas de alta qualidade. Você resolve então olhar ao redor do bar, e vê que o mesmo está lotado de pessoas jovens, bonitas, com corpos esbeltos e felizes. Você se sente bem, até que a realidade congela, assim como na clássica cena do filme “Vanila Sky” e um sujeito sinistro, mas afável, diz que aquilo não passa de uma peça de propaganda que irá tentar mexer com partes específicas do seu cérebro para que você continue tomando a cerveja de uma determinada marca.

Ao andar pelas ruas da cidade onde nasci na última semana (Santos), algo que gosto muito de fazer até porque a cidade é compacta e plana,  eu notei que nos bares a esmagadora maioria das pessoas está acima do peso, ou está obesa mesmo, os garçons não estão com cara de muitos amigos, e boa parte das pessoas está com o pescoço numa posição anatomicamente não ótima (o que com certeza pode ocasionar problemas ortopédicos no futuro) olhando a tela de um pequeno dispositivo. Uau, isso é quase o oposto do bar do parágrafo anterior.  Será porque a visão de um bar normal de uma cidade normal do Brasil, o que poderíamos chamar de mundo real, pode ser em alguns casos tão deprimente, é preciso criar-se uma realidade alternativa em produtos de marketing que de alguma maneira tentam vender um produto naturalmente associado com esse tipo de ambiente? 

Apesar de qualquer pessoa conseguir distinguir a ficção da realidade no caso dos bares, esse tipo de dissonância da realidade se apresenta de diversas formas.  Minha companheira, à espera de ser atendida numa consulta médica, me relatou de uma forma o tanto quanto indignada que teve que esperar bastante tempo, pois o consultório do médico tinha se transformando num vai e vem de homens bem vestidos e apessoados.  Sim, a famosa relação médicos-indústria farmacêutica em sua realidade mais básica. O que me chamou atenção não foi tanto a relação, que é evidente bastando ver o aumento do número de farmácias e o uso de remédios pelas pessoas, mas o fato dela ter destacado homens bem vestidos e apessoados.  Não eram pessoas mal vestidas, não eram pessoas com algum problema físico no rosto, eram homens jovens apessoados.

No que essa história de consultório se encaixa com o presente artigo e realidades alternativas?  Uma vez, num esforço talvez de melhorar como escritor, escrevi três artigos como se fossem  um roteiro de teatro.  Um deles foi sobre uma passagem do livro “A Revolta de Atlas” da escritora nascida na Rússia Any Rand.  O artigo em questão é este A Vergonha de Atlas, e relendo-o para escrever este texto achei, modéstia à parte, que  o resultado ficou razoável.  Porém, por qual motivo escrevi um texto sátira sobre esse livro tão caro a tantas pessoas, principalmente de matiz mais "libertária"? É porque sou um agente secreto do foro de São Paulo treinado por ex-agentes da KGB? A realidade é menos fantástica do que essa explicação.

Quem não conhece o livro, a história de mais de 1000 páginas é sobre uma sociedade onde as pessoas produtivas decidem dizer “chega, cansei do governo, dos tributos e da regulação” e param de produzir. Elas não só param, como desaparecem, deixando para trás os seus bens.  Como, antes de ler o livro, tinha lido diversos artigos num site chamado Mises Brasil, já estava familiarizado com a história ética-moral do livro, o que mais me interessou na leitura de tão extensa obra foi o aspecto literário e a construção dos personagens.

Eu no começo da leitura fiquei intrigado, pois achei que não podia ser verdade que um livro tão famoso e referenciado como obra-prima por tantas pessoas inteligentes, poderia ter uma construção literária tão infantilizada. Porém, na metade do segundo volume tinha ficado claro que era assim mesmo que a obra tinha sido estruturada.  

Na obra de Rand, todas as pessoas que de alguma maneira se encaixavam no arquétipo “improdutivos” eram ou tinham algum problema físico, ou sua vestimenta não era apropriada, ou exalavam um cheiro não agradável, ou não eram fisicamente esbeltos, ou eram extremamente inseguros, ou eram extremamente tolos e não conseguiam articular duas ideias de forma clara e racional. Em alguns personagens, todas essas características apareciam concomitantemente. Por outro lado, os personagens tidos no arquétipo “produtivos” eram ou bonitos (alguns tão bonitos que são descritos como Deuses Gregos, e é por isso que a capa do livro é um homem musculoso saído de um livro de anatomia segurando o mundo), ou inteligentes, ou bem vestidos, ou cheirosos, ou dignos, ou extremamente confiantes e seguros de si e do mundo.  Em alguns personagens, todas essas características apareciam reunidas.

Para além disso, há passagens simplesmente ridículas do ponto de vista literário. Dagny é a heroína da história.  O que é algo muito positivo ter uma mulher como heroína, o que não é de se estranhar já que a escritora é mulher.  Dagny até o começo do terceiro volume tem um romance com um empresário que é o estereótipo do que é bom na humanidade chamado Hank.  Algumas cenas de sexo são descritas, e a personagem central da obra parece um furor sexual, além de possuir um comportamento sexual completamente passivo em relação a Hank, em algumas partes assemelhando-se mais a “Cinquenta Tons de Cinza”.  Porém, o que chama atenção é que Dagny tem na faixa de uns 35 anos, e as suas únicas e esparsas relações sexuais se deram em sua juventude entre 18-20 anos com um único parceiro. Sim, há um hiato sexual na vida de Dagny de apenas 15 anos.  É difícil imaginar uma mulher que ficou 15 anos sem ter relações sexuais, e tendo apenas poucas experiências na juventude, de uma hora para outra tenha se tornando um furor sexual.  Está claro que se constrói uma personagem que seja um outro arquétipo na mente de alguns homens: “quase virgem”, mas de alguma maneira uma potência sexual.  Converse com qualquer mulher na vida real, e boa parte delas apenas riria de uma descrição sexual feminina como essa, pois ela seria apenas uma construção mental irreal, assim como o bar de cerveja da propaganda, não é real.

E essa digressão enorme me leva aos homens bem apessoados do consultório médico. Ou a Eduardo Cunha.  Ou à realidade.  Os homens que vão seduzir médicos não são mal vestidos e feios. Eduardo cunha não é mal vestido e é capaz de articular de forma clara e racional os mais variados argumentos.  A realidade não são homens feios fisicamente, intelectualmente limitados e inseguros de um lado versus homens bonitos, intelectualmente avantajados e completamente seguros de si de outro.  Se você vive no mesmo mundo que eu, se caminha pelas ruas das cidades como eu gosto de fazer, muito provavelmente a sua impressão, prezado leitor, como a minha é de que a realidade é muito mais complexa, confusa e difícil do que o mito quase religioso de bem x mal.

O mundo real é feito de pessoas, ficando em linguagem mítico-religiosa como a escritora Any Rand adota no livro citado, que se comportam em certas ocasiões como anjos e em outras como demônios.  O assaltante num momento é o pai de família preocupado com a saúde do seu filho num outro momento. Um empresário de sucesso num momento é o pai que abusou sexualmente de sua filha num outro.  Nem o assalto se torna justificável e menos condenável pelo fato da preocupação do assaltante com o seu filho, nem a possível produtividade do empresário deixa de existir pelo ato horrendo cometido contra a filha.  Multiplique esses exemplos por milhões, por outras variáveis, e percebemos quão complexa pode ser a realidade, e como idealizações de mundo são descrições limitadas da realidade quando muito, pois na maior parte das vezes são apenas visões completamente destituídas de qualquer  ligação com a realidade.

E por qual motivo isso possui alguma relevância? A razão é muito simples.  Uma mulher negra na década de 50, cansada depois de voltar ao trabalho, não quis ir para o lugar reservado a negros num ônibus de uma cidade do interior dos EUA, e resolveu ficar sentada em bancos reservados para brancos. Rosa Parks provavelmente não queria mudar o mundo naquele momento, ela apenas estava cansada de um dia de trabalho, e não achava correto que ela deveria ceder o seu espaço a um branco pelo simples fato dela ser negra.  Um ato de revolta simples se transformou no catalisador de um dos maiores movimentos contra o racismo nos EUA, e talvez no mundo inteiro.  Rosa Parks talvez não fosse a heroína que habita a fantasia de tantos homens, talvez ela não fosse brilhante intelectualmente, e nem mesmo um furor sexual depois de toda uma vida de acatamento sexual, mas com certeza o que ela fez foi extraordinário.

Precisamos sonhar muitas vezes, e às vezes o sonho não se coaduna com a realidade atual. Tentarmos conhecer a realidade, sem escapismos infantis e grosseiros, é a única forma para podermos tentar ter alguma influência sobre essa mesma realidade.  Seja alguém que irá construir uma das empresas atuais mais poderosas do mundo, como Steve Jobs, seja uma trabalhadora de loja de departamento que iria ajudar a construir um movimento que iria sacudir o país mais poderoso do mundo, seja um pai de família que se esforça para que o seu filho não se perca no caminho perigoso das drogas.

Eu, Soulsurfer (mas podem me chamar de Thiago também), há algum tempo consigo ver uma grandeza enorme em alguém como Rosa Parks, mas também numa mãe que com dificuldades se equilibra numa rotina desafiadora e mesmo assim consegue dar amor tão essencial para o desenvolvimento de uma criança.  Vejo o valor enorme num sujeito genial como Steve Jobs, mas um valor incrível também num médico que durante décadas tenta da melhor maneira possível cuidar de seus pacientes não apenas com remédios e tratamentos clínicos, mas com carinho e preocupação.

Sim, quando saímos da “mitologia” do marketing e de algumas descrições infantis do mundo, a realidade se torna mais complexa e muitas vezes difícil.  Mas quem disse que viver é fácil? Quem disse que o mundo não é um lugar cheio de conflitos sejam interpessoais, sejam os próprios demônios internos que alguém precisa lidar diariamente? A solução para uma vida melhor não é a fuga da realidade, mas sim a sua aceitação.

Um abraço a todos

50 comentários:

  1. Boa reflexão. A gente se enche de ilusões para fugir do fato de que a vida é extremamente banal, maior parte da vida é completamente imemorável.

    A indústria da ilusão é muito forte hoje em dia, nunca foi tão fácil ser um fracassado, tendo em vista que as injeções de endorfina estão por toda parte atualmente.

    Se livrar destas amarras e enfrentar a realidade é, como vc disse no último parágrafo, muitas vezes difícil. Entretanto, é o único caminho para a verdadeira satisfação e criação de valor. Espero que possamos viver, individualmente pelo menos, um rompimento com este sistema infeliz que vende alegria na forma de ilusão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bicho Poupão (interessate o nick, gostei). Sim, Nietzche já dizia que entre a extrema melancolia e a extrema felicidade há dezenas de gradientes intermediários emotivos, e que quase sempre estamos nessa região.
      Porém, talvez um dos segredos da vida seja transformar, apreender ou aprender, momentos tidos como imemoráveis em momentos memoráveis. Veja, imagino que trocar a fralda suja de um bebê não seja o que muitos homens tenha em mente de um momento memorável. Um momento memorável talvez seria chegar num lugar num terno alinhado num carro esportivo com duas modelos russas do lado. Esse ao menos é o estereotipo . Porém, será que o momento de carinho e atenção de um Pai para com o seu filho pequeno não é um momento memorável? Será que não é a soma de momentos como esses que tornam a vida significativa?
      Eu tenho a impressão que sim. Logo, talvez seja uma simples mudança de percepção da realidade, despindo-se daquilo que é apenas propaganda ou ilusão fabricada do que seja uma vida de qualidade.

      Um abraço

      Excluir
  2. Rapaz, admiro muito sua inteligência, seu guia de fiis me fez ganhar muito dinheiro.

    De outro lado, fico intrigado como você perde tempo com Ayn Rand e outros malucos anti-estado. É tanta besteira desses sonegadores de imposto escrevem que só posso achar como piada. Você tem estudo formal, leituras não aja como um adolescente bobão que "aprende" no facebook que todo imposto é roubo.


    As ideias de diminuir impostos do Trump são ótimas para os vendedores de Ferraris e de mansões. O pŕoprio Trump ganhou 1 bilhão com a mudança que ele fez na lei tributária ianque. Estou pensando em virar presidente depois de ficar multimilionário também.....

    Em relação à tv, ela foi pensada e planejada para arrancar até o último centavo das pessoas.O marketing está aí para enganar, enrolar e fazer as pessoas se endividarem até morrer.


    Para fechar, espero que você escreve sobre dinheiro e qualidade de vida. Vou comprar o livro sobre leilões, mas quero ler um sobre qualidade de vida.


    Ass. Carioca.

    p.s. mudei de email, vou te escrever pelo celular.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carioca.
      Eu já tenho uma visão diferente. Foi por meio do contato de autores como esse, que pude modificar, ampliar e repensar muitos assuntos como: inflação, regulação, empreendedorismo, governo, tributos, liberdade, felicidade, etc. Assim, sou grato pela leitura desses textos.

      Você é brasileiro nato e tem mais de 35 anos? Então, é só se filiar a um partido político e concorrer, um monte de gente vai fazer isso nessa eleição:)

      Os meus últimos artigos foram sobre qualidade de vida, e de certa forma sobre dinheiro também, dá uma conferida lá se quiser.

      Um abs

      Excluir
    2. Endosso o voto por um livro sobre qualidade de vida =P

      Excluir
  3. E o surf. Se Santos produziu o MIneirinho, campeão mundial, pode produzir outro bom surfista.

    Treine os aéreo.rsss

    Abs,

    Carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rapaz, depois de Santos produzir o melhor time de todos os tempos, qualquer coisa de valor que essa cidade produzir é um bônus.
      Um abraço

      Excluir
    2. Santos?
      A última coisa boa que saiu desse balneário foi a banda Charlie Brown Jr.

      Meu tu não sabe o que aconteceu !
      Os caras do charlie brown invadiram a cidade !
      Chame sua mãe, seu cachorro, sua sogra,
      Traga todo mundo o coro vai comê !
      Give up hey !
      Do you really wanna do it boy

      Excluir
    3. Tem o seu valor também. Na minha adolescência, via o Chorão direto pelo Gonzaga.
      Bons tempos.
      Abs

      Excluir
  4. Belo texto, Soul. Sempre um oásis nesse deserto de ideias dos blogs financeiros.

    ResponderExcluir
  5. Soul, a melhor vida para ser vivida, a vida boa, realmente parece ser a nossa. A unica vida que podemos viver, com escolhas nossas, limitadas às nossas condições intelectuais e materiais. É mais fácil entender isso em alguns momentos e questionamos isso em outros momentos. Mesmo assim, devemos buscar a nossa vida e praticar é necessário para que pequenos conflitos possam ser resolvidos olhando nossa vida por cima.

    Ótimo texto novamente. Bate muito com a visão de outros filósofos brasileiros.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sequoia.
      Agradeço mais um comentário, colega.
      Um abs

      Excluir
  6. Há pessoas que não veem tv, são felizes, surfam, correm, praticam seus esportes sem se importar com o consumismo boboca. Essa minoria deve ser imitada.


    De outro lado, há gente que torra dinheiro com relógios suíços, suv's, viagens de ontentação.Vivem das aparências. Esses vão morrer sustentando o sistema.

    Nós que pensamos diferentes devemos continuar na trilha do crescimento financeiro e na melhora como ser humano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Morrermos todos nós iremos um dia (pelo menos nossa geração, daqui 100 anos quem sabe). O ato de consumir, mesmo coisas de maior valor ou de marca, não é nenhum problema, desde que a pessoa realmente extraia valor da compra, e que essa compra não ocasione nenhum trade off negativo inconsciente. Se a pessoa extrai valor, e sabe o que está trocando com a compra de um determinado item, serviço, experiência, creio que esta pessoa pode ter satisfação como uma outra pessoa "off the grid".
      Abs

      Excluir


  7. Dica de leitura: Quem pagou a conta, livro que mostra como os americanos manipularam intelectuais do mundo apíos a 2a Guerra Mundial. Nosso ex-ppresidente FHC ganhou um dinheirinho para escrever muitas besteiras também...


    Nossas artes são fruto daquilo que os manipuladores quiseram que víssemos.

    Nossa civilização está toda baseada em conversa fiada, mentiras e marketing.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega.
      Por isso a reflexão própria é tão importante.
      Abs

      Excluir
    2. FHC foi agente da CIA. E muita gente ainda o elogia...

      Excluir
    3. Fala Anon das 13:44, me indique fontes que corroboram que FHC foi agente da CIA, por favor.

      Excluir
    4. Está no livro da Quem pagou a conta, que detalha a manipulação dos intelectuais no mundo todo para que elogiassem o american way of life.

      Tudo que vemos hoje nas artes plásticas, esses montes de rabiscos, por exemplo, foi ideia dos americandos para prejudicar a arte russa.
      Vários intelectuais foram comprados para escrever um monte de asneiras.

      O marketing molda a sociedade. A propaganda destrói bolsos e mentes.

      Excluir
    5. Amigo, dei uma olhada na sinopse do livro e acho pouco crível que FHC tenha sido um agente da CIA contra o comunismo, porque FHC era um grande simpatizante do comunismo, tendo ajudado na edição da revista "Fundamentos", do Partido Comunista Brasileiro, se auto-exilou no Chile e na França durante a Ditadura Militar.

      Em 78, FHC se candidatou ao senado e contou com o apoio de Lula.

      Não bastando isso tudo, ainda é do PSDB, um partido adepto do socialismo fabiano e que tentou se filiar à Internacional Socialista (http://www.psdb.org.br/acompanhe/notas-oficiais/congresso-da-internacional-socialista/).

      Em suma, acho extremamente improvável que FHC tenha sido agente da CIA. Muito mais fácil ele ter sido agente da KGB.

      Um abraço,
      MIN

      Excluir
    6. Um adendo: ainda que, contrariando todas as probabilidades, FHC tenha sido de fato um agente da CIA na luta contra o comunismo, isso só deporia a favor dele, e não contra. Ou preferia que a ditadura soviética tivesse saído vitoriosa da Guerra Fria?

      Abraço

      Excluir
    7. Micro Investidor Nerd, o fato que devemos destacar é que um país soberano não deve ser governado por presidentes que tenham RECEBIDO GRANA DE AGÊNCIAS ESTRANGEIRAS. Os interesses do Brasil são maiores do que a vaidade de um intelectual.

      Se vc estudar, até FIDEL Castro foi agente da CIA, depois ele se revoltou e mudou de lado.

      Um intelectual, caso do ex presidente FHC, deve ser imparcial nas suas ideias. Não deve receber dinheiro para defender sistema A ou sistema B.

      No blog, o Soul está falando de um mundo de aparẽncias e falsidades, um mundo comandado pela propaganda. E muitos intelectuais na Europa, nos EUA e na América Latina participaram de propaganda, seja capitalista ou comunista.

      Excluir
    8. O Brasil deve ser comandado por alguém que não seja manipulado por outro governo.

      Já fomos colônia de Portugal, da Inglaterra, somos colônia dos E?UA, daqui a uns 20 ou 30 anos seremos colônia da China. Mas não sevia ser assim.

      Estaremos sempre fazendo papel de bobos diante do mundo.

      Excluir
    9. Nisso concordamos. Porém, não custa dar o nome certo aos bois.

      Abraço

      Excluir
    10. 16:39 O brasil, com b minúsculo mesmo, não quero escrever com letra maiuscula, não tem que ser comandado por pessoas que querem o bem da nação e não somente os seus próprios interesses.

      O brasil deveria se lembrar dos ideais republicanos de coletividade, se remetendo a questão do modelo republicano da grécia.

      Deveria tentar se poscionar na questão da liberdade dos antigos em detrimento da liberdade dos modernos, conforem preconizou Benjamin Constant, enquanto direção política e social, o bem comum coletivo.

      O brasil paga/pagou o preço por não ter se modernizado na época correta, pois pós independência era a 4ª economia mundial, mas no momento de se industrializar e construir ferrovias, preferiu manter a atividade eminentemente agrícola e exploratória, com a manutenção dos escravos, isso por conta da concentração de poder nas oligarquias, que não queriam ter que gastar e se industrializar, preferiam manter o status quo, assim, o brasil ficou para trás.

      Posteriormente, quando o país teve a oportunidade de se desenvolver tecnologicamente, investir na industria nacional especializada e não somente na de exploração bruta, mais uma vez perdemos o bonde, criamos empresas boas para extração de matéria prima bruta, mas não desenvolvemos tecnologia para o refinamento, assim, ficamos e estamos dependentes de tecnologia estrangeira.
      Por qual motivo? Novamente a mentalidade retrógrada de que apenas alguns escolhidos podem governar o país, se as ideias boas partem de desconhecidos que não fazem parte da casta socialmente aceita, estes revolucionários/idealistas serão duramente combatidos e ridicularizados.

      Agora, o brasil não possui condições de competir de forma satisfatória no mercado global, justamente por não ter se formado um pensamento nacional.

      Atualmente, na pós-modernidade ou modernidade líquida, este conceito cunhado por Zygmunt Bauman, em que a liberdade dos modernos ou liberdade individual superando o coletivo, num conceito de liberdade negativa relação indivíduo-Estado, é muito difícil a criação de uma identidade nacional capaz de alavancar o brasil a nível mundial, ainda mais pelo fato da modernidade líquida ser altamente mutável e manipulável, como a atual situação nacional não é favorável, por qual motivo deveríamos tentar consertar os problemas oriundos do passado? Não é melhor nos aproveitarmos das facilidades do presente, num mundo globalizado, mas não mundializado?

      Att.

      H.

      Excluir
    11. Micro Investidor Nerd e Anon, deixo o vídeo do coronel Enio Fontenelle sobre a Nova Ordem Mundial e a Nova Nova Ordem Mundial -

      https://www.youtube.com/watch?v=5d3GqapIy4s

      Creio que a visão geopolítica do coronel acrescente ao debate de uma forma mais profunda, não apenas nas questões atinentes a teorias consideradas conspiratórias.

      H.

      Excluir
  8. As pessoas assistem novela, bbb e programas de fofocas sobre celebridades. A realidade, a vida real, é na maioria das vezes muito dura.
    Ainda mais no Brasil.
    Um dado que vi outro dia e me deixou assustado é que o Brasil é o lugar onde mais se toma Rivotril no mundo. Nós vivemos uma epidemia silenciosa de ansiedade. E talvez as redes sociais estejam contribuindo pra piorar isso.
    O que tem de gente que passa o dia todo vendo vídeos de cachorrinhos fofinhos no instagram, ou atualizando a timeline do facebook ou acessando o Whatsapp por minuto pra ver as novas mensagens.
    A realidade é realmente complexa. Mas na minha opinião não devemos nem tentar entendê-la nem fugir dela. Eu tento aceitar o mundo como ele é e as coisas como elas são. Isso não quer dizer que eu seja acomodado ou conformado, mas que sei que não tenho controle sobre nada. Tento viver um dia de cada vez, de forma serena, focado na minha vida. Estudando, me exercitando, poupando e convivendo com minha família.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega.
      Parece-me que você vive uma boa vida.
      Um abs

      Excluir
  9. Muito bom o texto! A propósito, seu guia de fii está pronto?
    abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Não pretendo fazer nenhum, mas no ano de 2014 produzi muitos artigos sobre o tema.
      Um abraço!

      Excluir
    2. ah tá certo!. O livro é sobre leilão de imóveis. Abraço

      Excluir
  10. Bom dia Pensamentos Financeiros,

    Parabéns pelo blog, muito material útil aqui, li alguns posts antigos até, e gostei bastante.

    Se possivel, gostaria de contar com a sua ajuda, sou um blog novo, estou começando agora, vou tratar de investimentos com aportes pequenos (por motivos de salário pequeno), te adicionei aqui na lista de blog sugeridos, se puder fazer o msm, te agradeço

    att.. Investidor e Realista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega.
      Boa sorte em sua jornada.
      Um abs

      Excluir
  11. Parabéns pela reflexão.

    ResponderExcluir
  12. Você escreve muito bem. Vou comprar o livro sobre leilões e aconselho que não pare por aí. Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Mundo Real? Isto existe?

    Anon reflexivo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Se olhar com atenção, vai ver que esse tema foi abordado no primeiro parágrafo.
      Abs

      Excluir
  14. Grande Soul, sempre citando a revolta de Atlas aqui.
    Amigo, o musculoso ser da capa do livro é o próprio Atlas.

    Realmente a narrativa do livro é bem pobre.
    Ayn Rand não era uma escritora de mão cheia, e talvez tenha se excedido em muitas coisas.

    Nem sempre um filósofo será um bom escritor, imagino.
    Tem que mergulhar profundo na obra dela pra entender a filosofia e não a literatura em si.

    Agora o impacto da filosofia de Ayn Rand é muito vasto, o próprio partido Libertário nos EUA cresce cada vez mais devido à ela. Na orelha do livro, falam que a revolta de atlas foi o segundo livro mais influente dos EUA, perdendo apenas para a Bíblia.

    De fato, os EUA nasceram como um país libertário e por isso são a potência que são hoje, embora as dezenas de milhões de leis e marcos regulatórios por lá já tenham suprimido bastante a liberdade do ser humano.

    Outra coisa que me chama atenção é que ela escreveu o livro em inglês mesmo sendo russa, isso empobrece muito, imagine ter que escrever um livro em russo.

    Abraço amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Frugal,
      Claro, um grande pensador não será necessariamente um grande escritor, mas para ser um grande escritor é imprescindível ser um grande pensador.
      Não creio ser uma questão apenas de língua, ou de habilidades literárias. Pela literatura, dá para ver que o mundo descrito por ela simplesmente não existe. Quando um pensador descreve um mundo que não existe, seja para efeitos de simplificação ou para fins de argumento, eu creio que se perde muito da força argumentativa.

      Para fazermos juízos como o feito por você Frugal, é preciso conhecer profundamente a história não só dos EUA, mas como do mundo como um todo. Algo que nem você, nem eu, muito provavelmente conhecemos. O que podemos fazer é dar palpites e chutes. Eu creio que os EUA são a potência econômica de hoje por inúmeros motivos, sendo muito difícil apontar apenas um.

      O mundo real é muito complexo do que as simplificações que geralmente são feitas. Sucesso, fracasso, guerras, ideologias, etc, etc, quase sempre possuem múltiplas explicações e causas.

      Grande abraço frugal!

      Excluir
  15. Excelente artigo, serve para abrir nossas mentes, muito interessante, obrigado.

    ResponderExcluir
  16. Fala, Soulsurfer.

    Ótimas reflexões. O livro da Ayn Rand está na fila de leitura, fiquei preocupado com possíveis spoilers, mas vc habilmente os evitou. kkk

    Continuo esperando o lançamento do livro sobre leilões (e futuramente algum outro sobre independência financeira em geral, rsrs).

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, concursado!
      O livro vai sair, as últimas 4 semanas tive que parar a escrita por razões familiares, mas nos próximos dias vou retornar. Já tem umas 350 folhas, faltam apenas umas 120-130 para terminar.
      Um abs!

      Excluir
  17. Não é a toa que o livro é bom, você mesmo adora falar dele.
    Acho que é o livro mais comentado desse blog.
    Parabéns a Ayn Rand.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. É verdade, já falei bastante dele.
      No começo a história demora para engrenar, mas pelo segundo livro ela engrena.
      Há os seus pontos éticos, e não deixa de ser uma boa leitura.
      O ponto porque eu falo tanto é porque a minha platéia é formada quase que exclusivamente por pessoas que gostam de finanças, economia, etc, e para boa parte dessas pessoas esse livro é uma referência. Esse é o motivo.
      Um abs!

      Excluir