sábado, 28 de março de 2015

REFLEXÃO - O PROPÓSITO DA VIDA

        Olá, colegas.  Hoje escrevo sobre um filme. Eu adoro cinema, é uma das coisas que realmente aprecio. Se eu tiver um dia onde peguei altas ondas, encontre-me com bons amigos e assisti a um ótimo filme, creio que é muito perto de um dia ideal, um dia bem vivido.  Portanto, eu adoro falar sobre cinema e sobre as idéias que alguns filmes passam ou representam.  Neste artigo, como é costume do meu estilo de escrita, falarei sobre alguns conceitos que possuo tendo como pano de fundo o filme “A Vida Secreta de Walter Mitty”. Não irei fazer uma crítica do filme, pois eu não possuo muita competência técnica para analisar todas as perspectivas possíveis da construção de um filme. Além do mais, eu creio que a crítica sobre cinema algo muito subjetivo, o que é um filme excepcional para mim, pode não ser para outra pessoa.  É apenas uma reflexão minha.

É um dos melhores filmes de todos os tempos? Não. Interpretações brilhantes? Não. Roteiro extremamente  bem construído? Não. Porém, é um filme que nos faz pensar sobre o rumo que damos às nossas vidas, e há cenas e reflexões muito bonitas.

                Eu sou péssimo para descrever objetos ou eventos. Deve ser por isso que eu sempre tirava notas medianas em narração. Sempre me dei melhor escrevendo textos dissertativos. Tendo em vista essa minha deficiência, um dos motivos de não gostar de fazer resenhas de livros, não estenderei muito sobre o roteiro do filme. Basicamente, a história é sobre um homem (Walter Mitty) que trabalha no setor de negativos de fotografias da antiga revista LIFE.  É um sujeito tímido, que aparentemente possui dificuldades de relacionamento e está apaixonado por uma colega de trabalho, mas não consegue se expressar para ela. Uma das formas dele lidar com esse aparente problema é criar situações imaginárias onde ele realiza atos heroicos ou de extrema coragem. Nestes momentos, ele fica paralisado, e numa das cenas o seu chefe fica jogando objetos nele e dizendo “Ground Control to Major Tom”. Eu quando vi a cena não entendi o motivo, mas ficaria claro no decorrer do filme.  

Num determinado momento  da trama , é anunciado que a revista LIFE deixaria de existir em sua versão impressa. Um grande fotógrafo então manda uma série de fotos e diz que uma determinada foto representaria a “quintessência da vida”. O novo diretor então resolve publicar essa foto como a última capa da versão impressa, porém o negativo da foto some, e o protagonista do filme se vê numa enrascada. Após alguns desdobramentos,  Walter Mitty é inclinado a pensar que o fotógrafo poderia estar na Groenlândia.  Será que ele, um homem de hábitos simples e extremamente tímido, que nunca fez nada de extraordinário na vida, vai seguir uma pista e ir até a Groenlândia atrás de uma foto? Isso não seria uma loucura? É aí que surgem duas cenas muito bacanas e que me motivaram a escrever este artigo.

Lembram-se da cena onde num dos momentos de paralisia  o chefe ficou falando “Ground Control to Major Tom” e da garota do trabalho pela qual ele estava apaixonado? Pois então. Ela diz que a música sobre a qual o chefe estava tirando sarro dele (eu não sabia que era parte de uma música), na verdade fala sobre coragem e não ter medo de se arriscar no desconhecido. A música é simplesmente sensacional. Trata de um astronauta que está prestes a decolar, e depois de entrar em órbita tem que dar o passo para fora da nave rumo ao desconhecido.  Chama-se Space Oddity e é do David Bowie. Vale a pena ouvir e refletir sobre a letra.

Uma grande música, uma letra fantástica.

                A outra parte é quando Walter Mitty realmente resolve ir para Groenlândia e partir para uma aventura desconhecida. A cena mostra então o lema da revista LIFE que é o seguinte (já coloco traduzido):

Ver o mundo e os perigos que virão, ver por trás dos muros, chegar mais perto, encontrar o outro e sentir. Esse é o propósito da vida.

                A frase é excepcional e traduz muito do que acredito ser uma vida bem vivida.  Ver o mundo é uma das coisas que me fascina, um dos motivos de gostar de viajar para tantos lugares que boa parte das pessoas descarta.  Porém, quando você realmente resolver ver o mundo, isso necessariamente traz perigos, pois você sai da sua zona de conforto, daquilo que você está habituado. Sair da zona de conforto sempre será perigoso, se entendermos perigo como o rompimento da rotina. A maioria tem medo de cair numa vida rotineira, mas a rotina é uma forma de proteção nossa contra eventuais percalços da vida. Será que troco de emprego e se der errado? Será que acabo um relacionamento que não faz mais sentido? Assim, a rotina é uma forma de nos tranquilizar, ela é muito mais fácil para o nosso cérebro (ver artigo sobre as duas formas como nosso cérebro resolve problemas).

                Ver por trás dos muros e chegar mais perto, ou seja, buscar a verdade, o conhecimento.  Isso que torna a nossa vida mais emocionante e completa. Como disse uma vez Thoreau:

Uma grande verdade para mim. Muito difícil se se conseguir, mas é uma boa utopia a se mirar. Um bom caminho para se trilhar e sempre tentar melhorar nessa direção.

                Para mim não é apenas uma frase bonita, ela para mim significa algo vital: a busca incessante pela verdade, independente de onde o caminho possa nos levar. A verdade (conhecimento) é tão importante que ela deve se colocar acima da fama, do ego, do dinheiro. Eu possuo uma admiração enorme por pessoas que conseguem ter esse tipo de postura na vida. Essa para mim, junto com a compaixão, é a característica mais formidável de um ser humano.

                Qual é a “recompensa” por se arriscar no mundo, e procurar o conhecimento mesmo que isso traga problemas? Você encontrar o outro e sentir.  A nossa felicidade, a sensação de bem-estar subjetivo, depende muito das nossas relações com outros seres humanos. Não são ganhos no mercado acionário, um carro potente, etc, que trarão uma sensação de completude na vida de uma pessoa. Muito provavelmente uma sensação de satisfação genuína apenas brota quando temos relacionamentos saudáveis com a nossa família, nossos vizinhos, nossos compatriotas.  Relacionamentos fortes e saudáveis são só possíveis quando encontramos genuinamente o outro e quando tornamos possível sentir o outro.

                Ver o mundo, enfrentar os perigos do mesmo, procurar o conhecimento, encontrando o outro e sentido, esse é o propósito da vida. Numa forma mais protocolar, eu poderia dizer “Nada a Acrescentar”.

                Depois que o inusitado herói parte para Groenlândia, ele se envolve em várias situações, viaja o mundo, enfrenta perigos, encontra pessoas e realmente as sente. Nesse processo, obviamente ele muda a si próprio e sua percepção sobre o mundo. A última cena, quando é revelada a imagem do negativo desaparecido, a “quintessência da vida”, para mim é algo belíssimo também.  Será que é a imagem da Área 51, de uma mulher lindíssima, de uma paisagem natural espetacular ou de alguma situação que exprima poder e riqueza? Assista ao filme e descubra.

                  A música Space Oddity também tem uma parte belíssima onde se canta "O Planeta Terra é azul e não há nada que eu possa fazer". Sim, o nosso planeta é azul. Ele não é capitalista, socialista, americano, chinês, branco, rico ou pobre. Ele é simplesmente azul, e não há nada que possamos fazer a respeito disso. Nesse ponto, é sempre salutar assistir novamente ao excepcional vídeo do Carl Sagan chamado Pale Blue Dot (pálido ponto azul), onde o grande astrônomo faz reflexões sobre uma foto tirada do nosso planeta a uma distância muito grande, que nada mais é do que um pálido ponto azul.

O que falar sobre Carl Sagan e essa belíssima reflexão? Do século passado, ele é uma das pessoas que eu gostaria de apetar a mão. 

                Espero que tenham gostado. Grande abraço a todos!


34 comentários:

  1. A mensagem de Carl Sagan é genial. Pena que a maioria dos terráqueos não tenha acesso a ela.

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto Soul,

    Com certeza a vida é muito mais do que apenas alguns dígitos na frente da sua conta. É lógico que dinheiro ajuda nessas horas, mas precisamos dele para fazermos nossos objetivos e não ele como sendo nossos objetivos.

    Uta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Estagiário.
      Obrigado, amigo. Vi o seu vídeo, você é bem jovem mesmo:)
      Grato pelo comentário.
      Abraço!

      Excluir
  3. Fala Soul!

    Belo post! Comecei assistir a esse filme, porém não o terminei. (agora voltarei a assisti-lo pois despertou minha curiosidade, que foto será essa...rs)
    E quanto a música do David Bowie, vou usá-la em meus estudos de inglês!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Investidor. Valeu, é um filme divertido de se assistir. Eu gostei bastante, é um filme que você se sente bem ao final.
      É uma boa, a letra é fácil e ele canta bem devagar.
      Abraço!

      Excluir
  4. Nada disso importa se você vai mergulhar nada após a morte.

    "O propósito da vida é terminar!" ( Agente Smith, em Matrix Revolutions)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida pode ter 1.000 propósitos ou nenhum. Isto está no olhar de casa um. Felizes são aqueles que enxergam 1 ou 1.000 propósitos. Para aqueles que não enxergam propósito nenhum, a morte já chegou (em vida).

      Excluir
    2. Troll, visitando blogs em uma madrugada de sábado para domingo, o horário mais nobre das relações humanas, espero que não esteja sem propósito na vida.

      Excluir
    3. Olá, Troll! Quanto tempo colega:)
      Sabe que essa é uma das frases que mais gosto da trilogia Matrix? É possível que assim o seja. Porém, talvez levarmos uma vida assim seja muito difícil para nós seres humanos, pois afinal de contas precisamos viver dezenas de anos, e a esmagadora maioria dos seres vivos, humanos inclusos, opta por viver. Veja, em nenhum momento abordei o tema se a nossa vida possui alguma finalidade que não a própria vida, tema preferido de todas religiões. O foco foi mais na vida que todos nós temos que levar.

      Abraço!

      Excluir
    4. Olá, UB! Resolveu tirar um ano de sabático? O meu também está próximo.
      Um propósito realmente parece ser uma forma poderosa de motivar pessoas a realizar coisas.
      Valeu pelo comentário, abraço!

      Excluir
    5. Talvez, seja o fim da vida à qual nos acostumamos, o que nada é senão morte. Pois viver a vida é poder encontrá-la sempre diferente dos temores do passado e da expectativa do futuro, sentimentos que matam o presente, único momento em que a própria vida ainda não morreu.

      O Idiota.

      Excluir
  5. Soul,
    Adorei este filme, como também o filme do Tom Cruise "No Limite do Amanhã". Tudo aquilo que nos leva a refletir e criar boas idéias, bons pensamentos, vale a pena. "Tudo vale a pena quando a alma não é pequena". Para os pequenos de alma, Soul, seu texto é inútil… Para os demais, ele faz parte do grupo das coisas bacanas de se ler nesta vida. Tem pessoas que só o dinheiro interessa, vida vazia… Oremos por elas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pela visita e pelo comentário Heavy Metal.
      Abraço!

      Excluir
    2. A mesma pessoa que fala em orar por desconhecidos é a mesma que diz que comunistas merecem a morte em praça pública com um tiro na cabeça. O ser humano é bizarro.

      Excluir
    3. Troll,

      A respeito dos socialistas o HM está 100% correto.

      Abraços.

      Excluir
    4. IL, quem te acompanha sabe que você também tem um lado bizarro. Só vou começar a avaliar se pessoas merecem ser executados em praça pública de caras como o Surfista e ADP também apoiarem a ideia.

      Excluir
    5. Pessoal, é um artigo sobre vivermos mais leve a vida. Acho que ninguém deve ser executado em praça pública. A humanidade, do lado ocidental, já fez isso muitas vezes em priscas eras. Evoluímos. Algumas regiões do mundo, como infame EI, ainda se comete isso. Ninguém deve ser assassinado. Precisamos evoluir. Pessoas precisam ser responsabilizadas por seus atos, mas não creio que o assassinato estatal, ou privado, seja uma solução humana, e nem mesmo eficiente.

      Abraço!

      Excluir
    6. Muito bacana ler esse seu depoimento acima, Soul. Concordo 100%. E sobre pessoas que praticam abertamente com desenvoltura orientação e incentivo a pornografia e outras obscenidades, você também apoiaria ou não, Soul?

      Excluir
    7. Fale Jonas, como você acha que seria o mundo sem pornografia?

      Excluir
    8. Anônimo, os desejos, manias e interesses sexuais são da alçada subjetiva de cada um. Sinceramente, é um assunto que não me interessa e acho que a sociedade gasta muito tempo e energia se digladiando sobre essas temáticas, quando temos problemas muito mais graves.

      Excluir
  6. Soul, já viu este?

    https://www.youtube.com/watch?v=HRlQ1_KRCCw#t=12

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vi ontem, muito bom mesmo:)
      Recomendo!
      Abraço!

      Excluir
  7. Excelente seu blog Soul!

    ResponderExcluir
  8. Estou maravilhado com o conteúdo de alto nível que você proporciona gratuitamente aqui, soul. Cheguei aqui no seu blog hoje, através de um comentário seu no blog do Rover (outro mestre).

    Gostei muito desse texto em particular, pois é um pensamento tão simples, mas que a maioria da população brasileira não tem a mínima noção. Eu tbm era um desses que ficava maluco lendo sobre altas taxas de rentabilidade, trades, forex, etc... Com o passar do tempo, eu me dei conta que essa tal "rentabilidade" que eu tanto procuro, só vai me fazer diferença no dia em que eu tiver um capital acumulado respeitável (na minha visão, 6 dígitos). Sou jovem, tenho 20 anos, e eu estava me perdendo no caminho. Eu não estava investindo na minha força de trabalho, sacou ? É somente através dela que eu poderei acumular capital, visto que eu não possuo heranças. O foco total da minha vida hoje, precisa ser voltado a alcançar uma remuneração que me proporcione "aportes suculentos", hahahahaha.

    Isso é algo que muitos não entendem mesmo. Estabeleci uma meta na minha vida, que enquanto eu ganhar pouco, não vou me preocupar com rentabilidade da forma que eu me preocupava, e sim me preocupar em aumentar minha remuneração, e poupar. Poxa, tenho amigos que ganham na faixa de 1.5k e ficam se matando, esquentando a cabeça com ações, bolsa de valores, consórcios.... É isso que eles não conseguem enxergar. Eles podem ser os investidores mais sábios, inteligentes, mais bem preparados do mundo, mas eles nunca irão sair do lugar se continuarem com,essa remuneração mensal. Se eles me pedissem um conselho, eu diria a eles para colocarem o seu dinheiro na poupança, e investirem neles mesmo, e não esquentarem a cabeça com rentabilidade até construírem um capital bacana.

    Buscar aumentar a sua remuneração 20% ao ano, e poupar no mínimo metade do que se ganha. Se a pessoa levar uma vida frugal, não vejo empecilhos pra se alcançar a tão sonhada liberdade financeira.

    Nada tem mais poder que os juros compostos.

    Mudando de assunto totalmente, é impressionante como a internet nos proporciona um conhecimento valioso e GRATUITO. Eu andei pensando esses dias, a gente não paga por absolutamente NADA na web. É muito raro de se encontrar conteúdo pago. Antigamente eu não tinha essa visão, mas hoje eu percebo o quão enriquecedor/benéfico isso é. Fico pensando como era antigamente. As pessoas precisavam comprar livros para se ter acesso a um tipo de conteúdo, e hoje eu tenho acesso com 3 cliques, surreal. Temos o conhecimento na palma das nossas mão, só não aprende quem não quer.

    Um forte abraço de seu mais novo leitor/fã. Que tudo de bom, e melhor aconteça na sua vida, e com sua família.

    Muleque Diferenciado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, fico contente que tenha aclarado os seus pensamentos, bem como fico satisfeito com o seu rejuvenescimento.

      Excluir
  9. Fala soul

    Que belor artigo man. Eu acho que a vida não possui um sentido genérico. A vida é estar e perceber o momento. Eu só lamento que existem muitos e muitos seres humanos que não possuem acesso à cultura e informação e não podem se iluminar e achar sua verdade.

    Pra mim o grande sentido da vida é ter a chance de vivenciar grandes experiência. No meu caso eu vou preenchendo esse "vazio" quando viajo e me deparo com a natureza dos lugares. É nesse momento tbm que eu percebo que realmente existe uma inteligência superior no universo, pois aquilo tudo é muito perfeito pra ser mera obra do acaso, aquilo que chamamo de Deus (apesar de que não sigo religião nenhuma).

    E que "cagada" no bom sentido hein. Space Oddity dando o tom dos nossos blogs. Sem combinar. auauhahuauh


    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rover!
      Valeu, colega. Sim, compartilhamos esse apreço por viagens, sei exatamente do que está falando. Agora, eu não vejo nenhuma incompatibilidade com o acaso, e a vida pode não passar de um grande ato fortuito do acaso.

      Pois é, fiquei espantado com a coincidência heheh

      Abraço!

      Excluir
  10. Bom dia, Soul,

    Este post é bem interessante e positivo, totoalmente na linha do que vc escreve.


    Será que poderíamos pensar que seres humanos diferentes nascem com tendências de comportamento diferentes. Alguns se encantam com os números, outros com as palvras. Umas pessoas amam a rotina, outros querem o sabor do desconhecido e a aventura. Será que cada um nasce com um "destino" genético?

    Para alguns ter poder é a razão de vida, outros se sentem felizes em formar uma boa família.
    Ao falarmos sobre leituras, pergunto se vc já leu o livro "Mente Seletiva", de Geofrey Miller ? Guerra de esperma de Robin Baker ? Recomendo os dois, são muito bons, a leitura é agradável.

    abs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Ex-socialista? Lembro uma vez vendo uma aula de um curso de assuntos diversos (era no departamento de sociologia), uma das pessoas, quando da usual apresentação, disse que quando o muro de Berlim caiu, o mundo dela colapsou. Foi interessante ouvir o relato.

      Primeiramente, agradeço a mensagem. Isso é uma discussão interessante. Em nenhum momento quis parecer que há um determinismo. Estou assistindo a um seriado chamado "House Of Cards" e pode haver pessoas que o centro da existência é o poder. Entretanto, parece que para a esmagadora maioria dos seres humanos coisas muito mais triviais (não as acho triviais, mas elas são mais normais do que poder) dão muito mais significado e satisfação. Isso é muito normal de se ver em relatos de pessoas com alguma situação terminal. Além do mais, inúmeros estudos vem chegando a algumas conclusões sobre o que leva as pessoas a terem uma sensação de bem-estar subjetivo.

      Você tem toda razão que as pessoas podem ter objetivos muito distintos, e não precisamos necessariamente pular de paraquedas na Nova Zelândia para acharmos significado na vida. Porém, creio que há alguns aspectos que nos levam mais próximo a uma vida mais plena. Há, atualmente, um certo Tabu de se discutir o que é uma vida boa, pois a premissa de que isso não pode ser discutido objetivamente, já que o conceito de uma "vida boa" é extremante subjetivo. Pode ser. Porém, pensadores mais antigos como Platão, Aristóteles não se furtavam da discussão do que seria ter uma vida boa.

      Do Miller creio que li apenas o "Darwin vai às compras". O outro autor eu não conhecia. Obrigado pelas dicas de leitura.

      Abraço!

      Excluir
    2. Eu também gosto muito do Millor. Os hai-kais dele eram sensacionais.

      Excluir
  11. Olá Soul,

    Parabéns pela bela reflexão!

    Abraços.

    ResponderExcluir