sábado, 2 de setembro de 2017

O MAIOR INVESTIMENTO DA MINHA VIDA E SUA LIGAÇÃO IMPROVÁVEL COM ESSE BLOG




Olá, colegas.  Primeiramente, creio que devo explicar o motivo de quase sempre utilizar o termo “colegas” para me referir a vocês prezados leitores.  Eu os vejo como colegas, ou seja,  pessoas com as quais eu de alguma maneira tenho uma espécie de vínculo. Não é “marketing”, eu sinceramente penso assim.


 Além do mais,  realmente acredito que Buda estava certo no seu diagnóstico sobre a realidade e suas quatro verdades fundamentais. Na última delas, o caminho óctuplo, encontra-se o “conselho” de Buda para a iluminação: fale corretamente.  Há mais de 2500 anos, Buda já ensinava o que pesquisas, livros e autores ensinam nas últimas décadas. Não acredita? Quantos textos você já não deve ter lido que para obter sucesso financeiro ou profissional a pessoa precisa pensar corretamente, ou ter pensamentos positivos?


  É claro que a ideia de Buda é muito mais profunda e abrangente do que os autores atuais de sucesso individual, e é extraordinário imaginar como um homem que viveu há tanto tempo tenha “descoberto”  o fato de se quisermos evoluir precisamos nos comportar bem. Um dos aspectos do nosso comportamento é a fala, que num blog equivale à escrita.  É por esse  motivo que não há palavrões nesse blog. Não há xingamentos. É por esse não singelo motivo que chamo as pessoas que não conheço de colegas.

 Na minha vida pessoal também procuro agir assim. É por isso que de jovem agitado, hoje as pessoas, que me conhecem pessoalmente, me “rotulam” como alguém “extremamente calmo”.  É evidente que possuo de vez em quando acessos de raiva, explosão de alguma emoção irracional de sentimentos negativos em relação a outros, mas esses episódios são cada vez mais raros.


 As pessoas não imaginam o mal que fazem a si mesmos e a outros, ao não se comportar de maneira melhor. Ao utilizar xingamentos ou comentários agressivos para pessoas que talvez tenham alguma desavença intelectual. Não se dão conta que ao agir assim apenas se “envenenam” emocionalmente.  Esse comportamento está levando a criação de uma multidão de “pequenos psicopatas”, já que as mídias sociais e a revolução da comunicação elevaram à  enésima potência a capacidade das pessoas se denegrirem umas as outras, quase sempre, se não sempre, por motivos totalmente fúteis e banais


 Logo, eu creio que escrever corretamente me faz uma pessoa melhor, e faz mesmo.  Ao escrever de forma correta em relação a outras pessoas não tenho a menor dúvida que redes neurais específicas vão se fortalecendo, e outras vão se enfraquecendo (as relacionadas a comportamentos não tão desejáveis), aliás, é isso o que a neurociência vem descobrindo sobre a plasticidade do nosso cérebro.
 

   Portanto, vocês leitores, até mesmo os que eventualmente me ofendem, eu realmente acredito que são colegas.  Alguns vínculos, porém, evoluem e se transformam em vínculos mais fortes de amizade


 Tenho o privilégio de poder conversar com os blogueiros Frugal e Viver de Renda quase que diariamente. Pude acompanhar a ideia de negócio do Frugal desde o início, e como foi crescendo. Pensei, e ainda penso, em quase me associar a ele, pois se há algo poderoso na vida é a nossa capacidade de se associar com pessoas boas e competentes.  Assim, um vínculo inicial de apenas nicknames de blogs sobre temas aleatórios, se transformou numa boa amizade, tanto que pretendo fazer uma visita pessoal, o que demandará algumas horas dentro de um voo. 


 Outro vínculo de coleguismo pela internet se transformou numa amizade com consequências financeiras gigantescas para mim. Há um blogueiro pouco comentado, mas que é único no que faz: O Finanças Inteligentes. Análises muito boas sobre mercados, conjunturas econômicas, etc. Não tenho dúvidas de que nesse tipo de assunto ele é o melhor disparado da blogosfera.


 Acabamos nos tornando amigos. Na semana passada, ele inclusive esteve em casa, fomos à praia aqui perto para ele conhecer e tomamos um açaí. Um sujeito excepcional, com uma história de vida bem interessante, ao menos para mim que sofro da "síndrome" do um ano a mais (mais sobre o conceito no final do texto).


 Pois bem. O Finanças Inteligentes há uns dois meses me mandou um e-mail sobre uma opção de investimento. O conceito era algo novo, e a TIR poderia ser significativa num período de 6 a 8 anos. Desconfio, não no sentido de achar que estão me enganando necessariamente, de qualquer proposta de investimento que vem até mim. Comecei a pesquisar, e vi que realmente poderia haver viabilidade.


 Marquei a primeira reunião com o presidente do grupo. Foi boa. A partir dali as pesquisas aprofundaram. O Finanças Inteligentes tinha chegado a mim com um investimento de X. Eu transformei em 6X, numa segunda reunião,  e negociei com o presidente do grupo algumas outras condições, o que levou a TIR potencial do negócio para 26% aa num período de 6 a 8 anos.


 Depois disso, foram ao menos quatro encontros com advogados conhecidos meus, todos eles super competentes.  Como poderia fazer um bom contrato que me protegesse ao máximo? Trabalhei no contrato que me enviaram, e transformei-o de cinco para dez páginas, mas ainda faltava algo.


 Eu comecei uma nova banda de rock. Estou super empolgado. Diariamente tenho estudado técnicas vocais. Vou fazer aulas para aprimoramento vocal, em poucas semanas já descobri um universo de conhecimento teórico e prático que já me vem sendo útil . A banda também está bem unida, sendo que todos são músicos excelentes. Ensaiamos semanalmente, e  já tiramos quase 30 músicas em apenas sete ensaios.  Estou bem feliz mesmo com esse Hobby 


 No nosso segundo ensaio, eu viro para o guitarrista, que possui doutorado na Suíça em contratos societários e é sócio talvez do maior escritório da Cidade (o cara é fera), e pergunto: “André, quem toca civil no seu escritório?”, ele me respondeu “é o Marcus Vinícius” ,  pensei comigo “esse nome não é estranho” e perguntei “ele tem cabelo preto liso? Deixa eu ver uma foto dele do seu whats”, o advogado tinha se formado comigo e eu não o via há mais de 12 anos.


 No outro dia, entrei em contato com o advogado, ele perguntou “para quando você precisa essa análise?”, respondi que tinha uma reunião importante e decisiva em dois dias, ele então marcou uma reunião imediatamente.



 Quando cheguei à reunião, além de ficar impressionado com a estrutura do escritório, fiquei feliz com os avanços profissionais do meu conhecido. Ele tinha virado professor titular da Universidade Federal (algo que é bem difícil), e tinha se tornado um grande conhecedor de direito civil. Ele me chegou com uma pilha de documentos, e tinha analisado o meu caso, ao menos superficialmente,em pouco tempo.


  Eu, pela minha atuação profissional, conheço diversos advogados, quase todos medianos para baixo. Já li textos de advogados reclamando que não ganham tão bem. Sim, é claro que não ganham, numa área concorrida dessas, uma pessoa com conhecimentos técnicos medianos será remunerado de acordo. Esse meu conhecido estava longe de ser um advogado mediano, e a consequência que os seus retornos financeiros  devem ser acima da média.


 Conversamos objetivamente durante duas horas, e ele me iluminou diversos aspectos de uma área no Brasil onde quase não existe escritos, experts jurídicos, etc: propriedade fracionada. Nem mesmo um grande amigo meu, que tinha acabado de voltar de uma especialização em Nova Iorque e com grande conhecimento em direito imobiliário, conhecia o tema com profundidade.


 Esse meu conhecido, não só conhecia bem do tema, como já tinha sido palestrante em encontro sobre propriedade fracionada, estava ciente do projeto de Lei no Senado que pretende regular essa modalidade jurídica (tendo inclusive sugerido alteração em dispositivo do projeto de Lei), conhecia todos os grandes players do mercado e de quebra estava fazendo a estruturação jurídica de um negócio de propriedade fracionada na ordem das dezenas de milhões de reais. A minha negociação é indiretamente relacionada a propriedade fracionada.


 Não vou aqui discorrer sobre o que é propriedade fracionada. Mas, prezados leitores, é um novo mundo no mercado imobiliário, e rios de dinheiro estão sendo feitos pelos primeiros que estão explorando esse mercado inexplorado no Brasil. Um bom negócio estruturado corretamente de propriedade fracionada pode fazer o VGV (Valor Geral de Venda) ser multiplicado por 2,5 talvez até 3 vezes, com os custos de construção sendo os mesmos. 


 Você não leu errado. Algo que de uma forma tradicional era vendido por R$ 500.000,00, com essa nova estruturação tem a possibilidade de ser vendido por R$ 1.500.000,00, sem que haja alteração significativa nos custos. O negócio é tão absurdo, que em 2016 em plena crise financeira e imobiliária no Brasil, o VGV de propriedade fracionada no Brasil foram de inacreditáveis dez bilhões de reais, apresentando um crescimento considerável em relação ao ano anterior. É um mercado com um potencial gigantesco.


 No final do encontro, pergunto: “Tem como fazer hipoteca de dívida futura e condicional?”, ele responde “Sim, olhe o Código Civil”.  Olho o código civil e lá está o art. 1487: “ A hipoteca pode ser constituída para garantia de dívida futura ou condicionada, desde que determinado o valor máximo do crédito a ser garantido.” Perfeito, meu contrato poderia ser melhorado e tornado mais seguro para mim.



 Fecho as últimas condições da negociação, gasto 10 mil reais para assegurar minhas garantias do ponto de vista formal, uma despesa minúscula perto do tamanho do negócio e da segurança maior que me proporciona e assino o contrato.  Estou 100% garantido, claro que não. Pode dar errado? Claro que sim. Diminuí consideravelmente as minhas possibilidades de uma perda significativa com o meu processo de Due Diligence prévio? Sem sombra de dúvidas.


  Esse contrato, se der certo, significará umas 20 operações tradicionais de leilão  que faço com um lucro razoável. Ou seja, é algo extremamente significativo. Tão significativo, que uns 18-19% do meu portfólio atual podem se transformar na minha IF brasileira. E o resto? Vai para o exterior, para investir em milhares de empresas, imóveis, etc, e não me preocupar mais com ativos. Com isso, minha segunda IF no exterior não estaria só garantida, como tem o potencial de ser aumentada consideravelmente, fazendo com que com Taxas de Retirada conservadoras me proporcionem a possibilidade de viver bem em qualquer lugar do planeta se eu assim o desejar.


 Tudo isso porque fiz amizade com um blogueiro. Esse blog que nunca me rendeu divisas financeiras, apesar de ter me rendido tanta coisa em outras áreas, pode indiretamente ter me proporcionado a possibilidade de ter feito o maior e melhor negócio da minha vida.  Quão extraordinário não é esse fato?

 Isso levanta a questão sobre os vínculos que podemos ou não construir em nossas vidas. Podemos ser agressivos, não confiar em ninguém, nos fechar cada vez mais em nossas bolhas cada vez mais diminutas. É claro que podemos fazer isso, e com certeza é o caminho mais fácil. Ou, podemos nos comportar melhor, nos dedicar, sermos abertos a novas experiências, amizades, feedbacks, etc. 


 As conexões que podem acontecer em nossas vidas não podem ser previstas de antemão. Elas podem ser completamente imprevisíveis. Porém, se a pessoa se fecha para essas conexões, a possibilidade de algo positivo acontecer é zero


  Fiquei de falar sobre a "síndrome" do mais um ano. Você, prezado leitor, provavelmente nunca leu sobre isso no Brasil, pois infelizmente somos um país de renda média, a educação financeira inexiste, e até mesmo na blogosfera financeira nacional são pouquíssimos casos de pessoas em I.F ou perto dela. Porém, nos EUA esse é um assunto muito comum. 


 Se você souber ler Inglês, pode ter um bom resumo do que é essa “síndrome” neste bom artigo overcoming the one more year syndrome. Basicamente, a ideia é sempre adiar mais um ano a decretação de independência financeira, para acumular mais um pouco de dinheiro. Ora, um pouco mais de dinheiro torna as retiradas futuras menores, logo mais seguras, e você fica um ano a menos vivendo apenas do portfólio, o que faz com que as retiradas também sejam mais seguras. Não preciso dizer que isso me acompanha há anos. 


 No caso do artigo linkado, o autor diz expressamente que ele poderia ganhar  U$ 1milhão a mais se continuasse a trabalhar mais cinco anos (é o tipo de raciocínio que já fiz dezenas de vezes mentalmente, claro que adaptado para a minha realidade). Depois de muito refletir, ele percebeu que esse um milhão a mais não faria uma diferença tão significativa no estilo de vida que ele gostaria de ter, mas esse um milhão a mais faria uma diferença tremenda no seu ativo mais valioso: tempo de vida com saúde nesse planeta terra.  Então, ele resolveu que não precisaria desse dinheiro a mais, e tomou coragem para sair do seu emprego extremamente bem remunerado em Wall Street.


  Sempre sofri dessa “síndrome” pelo meu caráter um pouco conservador, e pelas influências de criação, de pessoas que convivo, etc. Um fato curioso, porém, é que das dezenas de pessoas que tive interações mais profundas na minha viagem de quase dois anos, não teve uma que não me falou “Just do it man”. A "fauna" que é  viajantes de longa duração em lugares não muito turísticos realmente é completamente diferente das pessoas que convivemos diariamente. 


 Talvez um contato imprevisível com um blogueiro, que só foi possível porque criei um blog e durante alguns anos continuei escrevendo de uma maneira que construísse credibilidade junto a algumas pessoas, possa ter sido o pontapé para eu superar final e felizmente essa “síndrome”.


 Essa linda família iraniana da belíssima cidade de Esfahan nos recebeu por quatro dias. Esse era um café da manhã tradicional extremamente delicioso. Conseguem ver o queijo branco de cabra (meu deus que delícia), e o pão, e a sopa verde que era maravilhosa. O lugar que comíamos foi o mesmo lugar onde dormíamos (dormimos no chão todas as noites). As filhas do casal eram muito bacanas. Uma era advogada, a outra estava terminando faculdade sobre a história iraniana. O pai era policial aposentado, e tinha uma pequena lan house. Não falava Inglês, mas foi extraordinária a comunicação que tive com ele. A mãe era mais séria, mas nos tratava como reis. Esse momento maravilhoso da nossa viagem, talvez um dos pontos altos, só foi possível por causa de uma rede imprevisível de acontecimentos, encontros, que só foram possíveis, pois nós estávamos abertos. Envolveu um encontro com um casal de franceses na aventura que foi cruzar a China para Mongólia do jeito mais barato e não do mais tradicional e muito mais caro, um Mullah iraniano da cidade de Qom (um Mullah é uma espécie de padre), o irmão divertido desse Mullah, uma peregrinação religiosa de xiitas no Iraque (que depois descobri que é a maior peregrinação religiosa do mundo, e quase ninguém faz a mínima ideia, eu não fazia, nunca tinha visto nem mesmo fotos ou imagens) e muitos outros acontecimentos. Não há hotel cinco estrelas, voo executivo, pratos sofisticados, que cheguem remotamente perto da experiência que tivemos com essa família, tudo de graça, e fruto de estarmos abertos para o que a vida pudesse nos oferecer.



  É isso colegas, um grande abraço!




63 comentários:

  1. Olá Soul!

    Olha que interessante, o blog aumentou sua bolha e por consequência lhe trouxe o negócio da vida! Que demais!

    Concordo quanto ao Finanças Inteligentes, realmente o melhor em análises. Costumo visitar seu blog com frequência.

    Já quanto a banda de rock, legal que estão comprometidos. Eu já não tive a mesma sorte infelizmente. Mas foi muito divertido enquanto durou.

    O que estão tocando? A minha pendia mais para Led Zeppelin e Pearl Jam, embora eu e o baterista tentássemos inserir Metallica hehe


    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, I.Inglês! Pois é, interessante não.
      Olha, a ideia é fazermos um projeto da história do Heavy Metal, mas está quase uma história do Rock. A ideia é ter 70-80 músicas indo da década de 50 até alguma banda de death metal. Temos ideia de nos apresentarmos e se a coisa der certo quem sabe até música autoral.
      É massa demais a sensação.
      Um abraço!

      Excluir
    2. Soul, legal isso ai hein! Massa essa de passar pelos anos do Rock! Encontrarão uma boa variação.. (rock, hard rock, heavy metal, grunge, new metal, nossa tanta coisa)

      A sensação é única! Já subi no palco para uma plateia acho que de 100 pessoas. Sem palavras para descrever...

      Boa sorte para vocês!

      Excluir
  2. Pelo título, pensei que você seria pai.

    Parabéns aí. Tem gente de muita qualidade transitando por aqui, uns mais antigos, alguns que já saíram, um pessoal mais novo. Todos contribuem de alguma forma na medida de suas possibilidades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Olha, ser pai com certeza seria uma grande alegria.
      É verdade.
      Um abraço!

      Excluir
  3. Não consegui ler tudo, mas gostei de como começou o post. Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Se der tempo, termine o artigo, creio que poderá gostar.
      Abs

      Excluir
  4. Obrigado por compartilhar um pouco das suas experiências conosco Soul.

    Realmente as conexções que fazemos na blogosfera podem transcender a barreira virtual e nos levar a outro nível proporcionando não somente experiências como também grandes oportunidades de crescimento nos mais variados níveis.

    Eu mesmo, no projeto na qual estou envolvido há algum tempo e da qual faço mistério na blogosfera devido o mesmo ainda não estar concluido foi graças a essas conexções. E vou ainda mais longe, eu já tive uma desavença com a pessoa que é a responsavel pelo projeto que estou envolvido. Apesar de nunca te-lo visto pessoalmente mas somente pela rede social, já trocamos farpas e um belo dia comecei a conversar com este sujeito numa boa e toda aquela barreira que tinhamos um com o outro foi quebrada e mais adiante surgiu o convite para participar do projeto em questão. Projeto esse que pode acelerar minha IF em 10 anos ou mais.

    Eu também tive o privilégio de conhecer grande nomes não só da blogosfera mas também vários leitores que contém uma bela bagagem e mantenho contato com eles ainda hoje.

    Na blogosfera tanto os blogueiros como os proprios leitores tem muito a agregar e se soubermos vasculhar neste vasto garimpo poderemos encontrar muitas joias preciosas.

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mestre.
      " Apesar de nunca te-lo visto pessoalmente mas somente pela rede social, já trocamos farpas e um belo dia comecei a conversar com este sujeito numa boa e toda aquela barreira que tinhamos um com o outro foi quebrada e mais adiante surgiu o convite para participar do projeto em questão. Projeto esse que pode acelerar minha IF em 10 anos ou mais."
      O que dizer? Você superou uma barreira que muitas pessoas não conseguem superar. Se isso fosse apenas para ver que a outra pessoa "não era tão ruim assim" já seria ótimo. Porém, além disso, essa pessoa está envolvida num projeto importante para você. Uau, hein. Imaginava isso no momento que trocava farpas com essa pessoa? Creio que não. Veja como é muito melhor assim, você quebrou algumas barreiras e isso pode vir a ter um grande impacto positivo na sua vida. Bacana mesmo!
      Desejo todo sucesso nessa sua empreitada.

      É verdade, há muita coisa boa aqui. Aliás, penso que isso poderia ser ainda mais forte. Porém, muitos ainda se perdem com farpas desnecessárias. Na gringa, os blogueiros estão se unindo, eles fazem até um encontro no Equador (que eu gostaria de ir em Outubro, mas não tem mais vagas, quem sabe no ano que vem), e um em Londres. Olha que massa.
      Vão fazer um documentário profissional sobre a comunidade lá. E aqui a gente fica em firulas, o movimento de educação financeira, e muito mais do que isso de conscientização financeira com muitos impactos positivos na vida das pessoas, poderia ser muito impactado se a nossa comunidade, com todas as diferenças de personalidades, objetivos, patrimônios, etc, fosse mais unida, com certeza.

      Um abs!

      Excluir
  5. Fala Soul,

    Muito legal.

    As vezes penso em conhecer alguns dos colegas blogueiros, nem que seja por internet apenas.

    Infelizmente esta questao de "haterismo" é bem chata. Ate hoje tenho um blogueiro no meu pe, sem que eu tenha feito nada a esta pessoa, mas eu rezo para que Deus resolva a aflicoes dele e ele me deixe em paz.

    De qualquer forma, a blogosfera nos propicia abrir a mente, conhecer boas pessoas e aprendizado.

    Somos uma grande familia.

    Abraçao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não paga de santinho não, acho que tem mais gente no seu pé hahahaha

      Excluir
    2. Se fossem respeitosos igual voce, sem problemas, mas o que digo em questao ultrapassou o limite do bom senso.

      Excluir
    3. Olá, VR.
      É verdade. Você está indo bem com seus planos, precisa apenas manter o rumo.
      Um abs!

      Excluir
    4. Olá Soul, eu aprendi bastante com a blogosfera, mesmo com os haters sempre perseguindo, é público por exemplo que tive um desentendimento com um blogueiro, águas passadas e que ficou no virtual, vira e mexe vejo xingamentos a minha pessoa no meu blog e em outros blogs, claro que sempre acho que seja o blogueiro em questão, mas não tenho como provar, mas mesmo assim acredito que tenha vários haters assim como quase todos aqui na blogosfera sofre com isso !! O problema é achar que sempre que apareça um xingamento contra você, venha de alguém especifico só por causa de um desentendimento passado, isso não é verdade, posso afirmar que sempre temos vários haters em compensação quem gosta "da gente" é um número muito maior !

      Excluir
    5. Olá, Stiffer. O negócio é esquecer. Melhor ainda, como disse o Mestre do Centavos, é resolver eventuais desentendimentos.
      Mande uma mensagem particular para esse blogueiro, diga o que eventualmente a escrita dele te incomodou ou ofendeu, converse numa boa, e tenho certeza que eventuais desentendimentos podem ser superados. Se mesmo assim não for possível, ao menos você fez a sua parte e está pronto para seguir em frente sem ressentimentos.

      Abs

      Excluir
    6. Soul, Permita-me usar seu espaço para responder o referido acima, visto que ele respondeu sobre a minha resposta.

      Caro blogueiro ‘Stifler’, talvez buscar uma psicóloga lhe ajude a tirar esta obsessão contra a minha pessoa.

      Não dou a mínima para você ou seu blog, e não perderia meu escasso tempo para escrever sobre você. Repito: Não me interesso nem um pouco pela sua vida e nem por você.

      Os supostos comentários anônimos talvez sejam fruto do que você plantou no passado: Da mesma forma que criou postagens e incitou ódio contra mim e a minha família, talvez agora tenha se voltado contra você.

      Vá ser feliz e pare de pensar e mim ...

      A única coisa que quero de você é: Distância.

      No dia que você se tornar um ‘homem’, você enxergará o papel ridículo que esta fazendo, utilizando um espaço de aprendizado que é a Blogosfera para escrever críticas contra mim.

      Sonho que apareça outro blogueiro para você pegar no pé, pois fica até estranho uma pessoa da sua idade me perseguir tanto ... Eu já sou casado e não tenho interesse.

      Fui!

      Excluir
    7. Que cara chato, paga de inocente, pegam no teu pé porque é muito chato. Garanto que já já vai postar no blog que vai entrar num super projeto igual o citado neste post. Até com o VR que é bem tranquilo tentou arrumar problema. Belo post, pena aparecer chatos aqui para comentar e estragar o nível dos comentários. Seu blog é referência!

      Excluir
    8. VDC nao desanime.

      Comentarios como este acima so provam o quanto seu blog faz sucesso.

      Sabem tudo de voce, pois acompanham seu blog.

      Melhor coisa que voce faz é nao dar importancia e continuar postando.

      Sempre aparecera alguem querendo desanimar aqueles que fazem algo que sobressai.

      Soul, seu blog é muito bom, mas manter estas polemicas aqui desanima leitores mais velhos como eu.

      Apenas uma sugestao.

      Excluir
    9. Opa, eu tinha publicado, como vi que não tinha agressões ou palavrões, nem prestei muita atenção. Porém, é uma pena que num artigo que fala que devemos superar desavenças, as pessoas se desentenderem. Eu nem sabia que havia problemas entre os colegas aí em cima, e concordo que realmente é chato para os leitores desse blog, e pode perder o foco.
      Espero apenas que num futuro próximo eles possam se entender.

      Excluir
  6. Cara que texto bom, mesmo com a minha cabeça doendo muito a ponto de explodir, terminei de ler o texto e foi uma grande lição para mim que estou acomodado e um pouco fechado para novas experiências.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo. Agradeço as palavras e o comentário. Espero que aos poucos você possa ir se abrindo aos poucos para novas ideias, experiências, contatos humanos, etc.
      Um abs

      Excluir
  7. O universo é feito energia. Pensamentos positivos atraem energia positiva e faz com que coisas boas aconteçam em nossas vidas.
    Eu discordo de algumas posicionamentos seus, mas gosto de muito de seu blog. Aprendo muito aqui, não só sobre finanças.
    O mundo está cheio de negatividade. Bastar ligar a TV ou acessar um site de notícias que somos bombardeados de notícias negativas.
    Semana passada teve um encontro de 10 anos de formatura da minha turma e eu fiquei feliz em saber que apesar da crise a maioria está bem.
    Sucesso no seu empreendimento e espero um artigo falando mais sobre essa modalidade de investimento com o padrão soul de qualidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Fico satisfeito que você possa discordar e ainda assim ver aspectos positivos desse espaço.
      "O mundo está cheio de negatividade. Bastar ligar a TV ou acessar um site de notícias que somos bombardeados de notícias negativas. "
      Cada vez menos faço esse ato de ligar uma Tv.

      "Semana passada teve um encontro de 10 anos de formatura da minha turma e eu fiquei feliz em saber que apesar da crise a maioria está bem. "

      Isso é algo muito bacana, colega, muito legal mesmo. Quando teve o meu encontro de 10 anos, gostei bastante, apesar de terem ido poucas pessoas.

      Posso falar mais sobre propriedade fracionada sim, apesar do meu investimento não ser em propriedade fracionada e estar apenas indiretamente relacionado. Porém, quando soube da modalidade pensei em diversas maneiras de como eu poderia investir diretamente nisso.

      Um abs

      Excluir
  8. Olá Soul,

    Que bacana. Espero que o negócio tenha sucesso.

    A internet realmente expande as fronteiras.

    Abçs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, I.I.
      Sempre fico feliz com um comentário seu, pois acho que não teve blog na blogosfera que eu tenha elogiado e incentivado mais as pessoas a lerem.
      Um grande abraço!

      Excluir
  9. Muito banca Soul.
    Não por acaso você e sua esposa construíram inúmeras amizades mundo afora. Fico feliz por ser mais uma delas. É realmente um privilégio de valor inestimável. Replico as palavras do anônimo acima, também aprendi muita coisa aqui e que só reforça o estilo de vida que tentamos levar no dia a dia aqui em casa. Já falei que você precisa escrever dois livros, um sobre leilões e outro sobre os relatos de suas viagens, que certamente influenciaram o crescimento de vocês para um nível de saúde física e mental difícil de alcançar. Seu blog preenche uma grande lacuna, aborda temas únicos no Brasil (talvez até em nosso mundo ocidental), espero que continue assim, pois certamente está contribuindo para o crescimento de uma legião de leitores.
    Grande abraço e sucesso a sua família nessa nova jornada, vocês merecem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande F.I.
      O privilégio é meu, amigo. A sua generosidade de compartilhar informarções é muito bacana.
      No mais agradeço as palavras. Acho que o elogio foi e é imerecido, pois há muitas pessoas escrevendo sobre temas correlatos, mas fico bem feliz de ler um comentário assim de uma pessoa como você.
      Um grande abraço!

      Excluir
  10. Fala Surfer, excelente texto mano. navego bastante entre os blogs e sinto algumas vezes uma falta de união mesmo, o que acho contraproducente pois afinal estamos todos com o mesmo objetivo. é muito legal ver que a Blogosfera proporcionou grande amizade e um grande negocio também, sinto muitas vezes bem próximo a alguns pois as histórias muitas vezes se confundem com a nossa e quando vemos que apesar de tudo os cara estão prosperando você passa a admirar e buscar compreender o que ele fez para atingir isso. queria muito conhecer a galera daqui também. sucesso ai na jornada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maromba.
      É verdade, amigo. Mais do que natural do que você se identificar mais com uns do que outros.
      Eu estou pensando algumas coisas para trazer uma união maior, quem sabe eu não diga em público. Como dito, os gringos fazem dois encontros: um no Equador e outro em Londres. Eu gostaria de ir no do Equador, talvez em 2018. Imagina se houvesse algo parecido na nossa blogosfera.
      Imagina poder encontrar os blogueiros que você gosta, conversar sobre IF por horas com diversas pessoas, as conexões e ideias que não poderiam surgir?

      Um abs

      Excluir
  11. Belo post, Soul. Mostrando mais uma vez, na minha opinião, que você é um dos caras mais evoluídos da nossa finansfera. Aprendo muito com seus posts, mesmo nem sempre concordando com tudo.

    Abraços,

    IOTR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega.
      Agradeço as gentis palavras.
      Um abraço

      Excluir
  12. hotel,residencial, qual tipo de propriedade fracionada vc vai se meter?? rrsrssr valeu e sucesso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, andou estudando. Rapaz, é um grande projeto envolvendo um shopping e um hotel associado. Porém, como dito no texto, o meu negócio é indiretamente associado a propriedade fracionada, mas eu, num projeto bem-feito, colocaria dinheiro num projeto de propriedade fracionada sim.
      Abs

      Excluir
  13. Fala Soul,

    Tenho uma dúvida, não sei se vc poderia responder. Li um artigo sobre propriedade fracionada e no desenrolar da explicação era dito que o "consórcio" de proprietário teriam um prazo de 100 anos, isto procede? Depois disto a propriedade fica para quem? Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Veja, o uso é um direito real que pode ser separado da propriedade. Então, é possível fazer o que você disse, conceder um direito real de uso por prazo determinando entre várias pessoas em relação a um imóvel. A propriedade fracionada é um pouco diferente, ao menos na forma que querem implantar no Brasil, pois seria realmente uma propriedade (com direito a escritora, registro, matrícula própria, poder deixar em herança, dar em garantia bancária, etc). Essa é a grande novidade, mas como não há regulação específica própria ainda há muita indefinição. Porém, se o projeto de lei for aprovado no Senado vai haver um boom ainda maior eu aposto.

      Um abs

      Excluir
    2. obs: no caso que você colocou, o direito de uso é derivado do direito de propriedade, assim depois de 100 anos voltaria para o proprietário o direito de uso, e ele voltaria a ter o que chamamos em direito de propriedade plena.

      Excluir
    3. Vlw Soul, não sabia do projeto, muito menos que estava no Senado. Com certeza que irá dar mais garantia e quem sabe grandes players do mercado imobiliário entrem...enfim, boa sorte na empreitada Soul

      Excluir
  14. SoulSurfer, prazer! Conheci seu blog semana passada e fiquei fascinado!

    Tudo porque sou um apaixonado por finanças e por viagens (todos ainda bem aquém da sua larga e brilhante experiência). Fiquei mais emocionado ainda ao ler esse seu último post falando do FI, um homem que me ajudou muito no início da minha empreitada no mundo dos investimentos.

    Seus textos estão abrindo mais ainda meus horizontes, principalmente no sentindo humano da coisa. Agradeço desde já por isso.

    Para não perder nenhuma oportunidade, comecei a ler seu blog desde o inicio, nos posts de 2014. Fiquei com algumas dúvidas sobre FII e gostaria de saber se poderia, em algum momento e em algum outro local, retira-las com você.

    Muito obrigado e espero poder acompanhar sempre este blog fenomenal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Agradeço as palavras. O FI é um cara bem bacana mesmo.
      Pode perguntar aqui, se eu souber responder, o faço com prazer.
      Um abs!

      Excluir
    2. Muito obrigado pela oportunidade.

      A principal dúvida foi: no início do seu blog, verifiquei diversos textos sobre FII que ajudaram muito a ampliar o meu horizonte sobre o assunto. Pude verificar também que, mais pra frente (em 2015 se não me engano) você compartilhou sua carteira de investimentos, sendo que os seus FII ocupavam 5,5% no total.

      Na sua opinião hoje, acredita que está um pouco baixo esse seu percentual? Digo isso porque tenho planejamentos de ter 20% em FII no total do meu portfólio.

      Obrigado Soul!

      Excluir
    3. Olá, colega.
      É verdade, meu percentual era mais ou menos esse ao redor de 2015. Muita coisa aconteceu de lá para cá.
      Hoje em dia tenho 0% em FII, tenho um percentual minúsculo em ações da EZTEC (algo como umas 2150 ações) e nem conto muito no portfólio, às vezes até esqueço que tenho essas ações.

      Eu acho 20% um ótimo percentual para se ter de FII, mas no futuro pretendo ir voltando para FII, assim que diminuir minhas operações com imóveis.

      Abs

      Excluir
  15. Olá Soul,

    Ótimo texto cara, sempre acompanho suas publicações é um aprendizado.

    Abs

    ResponderExcluir
  16. Soul, colega,

    Belo relato. Também acho que na Finansfera temos muitas boas pessoas que podemos compartilhar muitas de nossas estratégias e até mesmo concretizar parcerias. O tempo se encarrega de nos mostrar quem é verdadeiro e quem se mantém no ramo.

    Enquanto você gosta de chamar os outros por "colega" para demonstrar um vínculo, eu gosto de chamar de
    "camarada".
    Abraço camarada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, BPM!
      Cuidado com o "camarada" que daqui a pouco te chamam de comunista:)
      Um abs

      Excluir
  17. Ce ja foi pra bolivia e peru?

    especificamente La Paz, e Cusco e adjacências?

    Eu to afim de fazer este mochilao, uns 13 dias... mas o preco da passagem pra epoca que quero/posso dá 3 mil reais;...

    tenho essa grana, mas acho pesadinho. pra minha realidade.


    que vc acha?

    sei que é subjetivo perguntar assim né... se vale ou nao a pena enfim... só uma divagação tua...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega.
      Peru e Bolívia são países muito interessantes.
      Peru era muito barato, hoje em dia já não é tão barato para se viajar (comparado ao que era, pelo menos nas vezes que eu fui).
      Colega, por que você não tenta ir pela Bolívia via Corupá e "trem da morte". Com certeza é mais barato. Porém, você precisaria mais dias.
      Eu acho que é uma baita de uma viagem, mas realmente 3 mil reais de passagem está um pouco acima.
      Como viagem vale, como custo só você pode mensurar.
      Abs

      Excluir
  18. Boa tarde Soul,

    Parabéns pelo Blog.

    Gostaria de pedir sua opnião em relação a algo que stou em duvida no momento.
    Tenho 19 anos, estou no primeiro ano da faculdade e tenho cerca de 30k investidos (entre renda fixa e variável).
    Em minha faculdade existe a possibilidade de cursar o ultimo ano em algumas universidades pelo mundo e receber uma dupla diplomação, porém a um custo de cerca de R$ 150.000,00 temeres....
    (ou tambem optar por cursar de 6 meses a 1 ano fora do pais sem obter diploma por cerca de R$ 60.000,00 para 1 ano).
    A minha duvida é, devo acumular patrimonio e investir nessa parte da minha educação, ou devo esquecer essa historia e apenas continuar acumulando capital e aproveitar os juros compostos (visto que tenho 19 anos ainda)

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Matheus. Poxa, questão difícil de te responder.
      Sobre cursar um ano no exterior, eu creio que você deveria fazer, mas não imaginava que seria tão caro.
      E porque há uma diferença tão grande em relação a dupla diplomação (na verdade, eu nem sabia se era possível).
      Veja, se for realmente possível "sair formado" de uma outra faculdade, e se essa faculdade for num país desenvolvido bacana (Austrália, EUA, etc), eu acho que talvez possa ser um ótimo caminho para o desenvolvimento pessoal, até mesmo para você trabalhar nesses países de forma legalizada.
      Porém, é "achismo" meu apenas.
      Agora, não tenho dúvidas de que se você já tem esse dinheiro, ao menos cursar um ano lá fora seria algo muito positivo para você. Tente apenas minimizar esses custos, ou até quem sabe trabalhar meio período quando você estiver no exterior (alguns países permitem, como Austrália).

      Abs

      Excluir
    2. Soul,

      Obrigado por responder ^^

      A faculdade fica nos EUA, e sim ela possui um acordo com a instituição na qual estudo, e receberia os 2 diplomas "administração" por aqui e "BBA bachelor of business administration" pela faculdade dos EUA que podem ser a "Siena College" ou a "Baldwin Wallace university" (também há opções de dupla diplomação na Suiça, Espanha, Alemanha e Irlanda)

      Quanto aos custos, vou tentar sim melhorar isso, tentando trabalhar ou fazer alguns bicos por la caso eu vá.
      Sua resposta me ajudou a clarear um pouco minhas ideias, decidi que vou guardar/investir dinheiro freneticamente nos próximos 3 anos, e quando estiver mais próximo decido (o pior que pode acontecer é eu não querer mais ir e ter acumulado um capital de R$ 150.000,00)

      *A dupla diplomação é tão mais cara, pois na outra opção você fica isento de pagar a mensalidade da faculdade, arcando apenas com custo de vida enquanto estiver la, mas se você quer o canudinho americano precisa pagar haha.

      Abraço.

      Excluir
    3. Ótimo, parece um bom plano.
      Volte aqui de tempos em tempos para dizer como está indo.
      Um abs

      Excluir
  19. Olá Soul
    Tenho uma dúvida sobre leilão extrajudicial. O banco notificou o mutuário da dívida e consolidou a propriedade. Na sequência fez o leilão, mas não notificou o mutuário deste leilão. Vi que STJ entende pela nulidade do leilão nesse caso. Qual sua experiência sobre isso? A agência da Caixa que entrei em contato disse que passaram a notificar do leilão apenas agora em virtude da lei 13.465/2017, que incluiu a necessidade de notificação que não havia originalmente na lei 11.952/97.
    Grato
    Eduardo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Eduardo.
      Esse era um problema gigantesco. Cheguei a contactar o jurídico de um grande banco sobre esse problema há uns 4-5 meses. Eu achava as decisões do STJ não muito boas nesse sentido, mas eles realmente estavam interpretando a execução hipotecária à execução por Alienação Fiduciária e estavam anulando leilões.
      Essa lei veio para tentar corrigir o problema, mas tem os seus problemas. Porém, sem dúvidas se o Banco seguir a lei vai ser difícil anular um leilão.
      O que você faz? O que eu sempre fiz, compre barato, e negocie com o devedor. Coloque na sua margem, um dinheiro razoável para você negociar com o devedor e fazer ele renunciar qualquer possível demanda, junto com a desocupação do imóvel. Foi assim que consegui navegar sem muito stress, nenhum dos leilões que comprei havia notificação para o leilão.
      Eu levo numa boa, mas para quem não está acostumado com a psicologia de lidar com os devedores, pode ser um pouco assustador.
      Vai de você.
      Mas sim, se não houve a intimação, e a pessoa entrar na Justiça, há a possibilidade do leilão ser anulado. Aliás, essa foi a questão que me fez desanimar de escrever um livro sobre leilão, mas com essa nova lei, até que voltei a me animar.
      Um abs

      Excluir
  20. Brincar de criar países. Isso é loucura?

    Sempre gostei de mapas e geografia (desde pequeno) e a partir de uns 7/8 anos eu comecei a criar meus próprios mapas, países continentes.

    Eu desenhava os mapas, criava os nomes, coloria quando dava, empresas e emissoras de tv eu pensava. Tinha também uns cantores natais. Não pensem que eu era (sou) maluco, eu nunca falei sozinho ou falei sobre esses lugares para alguém. Mas uma vez minha mãe viu um desses mapas e disse que eu ia ficar maluco, então eu fiauei com vergonha.

    Eu vejo que muita gente gosta de criar lugares mas eles estão sempre na Idade Média, e eu não gosto de ficar só na Idade Média. Geralmente os países que criei tem uma história até chegar os dias atuais.

    Eu estou no Ensino Médio, gosto disso, atualmente não faço mais com tanta frequência, mas me lembro dos países imaginados por mim. Eu nunca falei (nem vou falar) que faço esses mapas pois tenho medo de chacota.

    Bandeira, história, moeda, geografia, outros. As vezes penso quando eu poder morar sozinho registrar tudo em um caderno e deixar para quem sabe um filho ou neto ver. Mas eu tenho medo de acharam que era loucura e talz.

    Uma coisa é que eu não me imagino nesses locais. É só como você ohar um artigo de um país na Wikipédia. Não é eu criar meu mundo, mas acho que minha vida foi e é tão díficil e eu não tinha amigos e não podia brincar na rua, me divertia com isso.

    Mas nunca deixei essa imaginação confundir-se com a realidade. Eu vejo que muitas pessoas escrevem por que gostam, e porque eu não posso fazer isso? As vezes, eu escutava uma música e idealizava um artista, cantor e esse cantor tinha suas próprias músicas, sucessos. Já imaginei filmes, telenovelas. Nunca gostei de ficar lendo livros gigantes não vou mentir, e nem consigo ler livros . É mais interessante eu criar minha própria narrativa.

    Um livro que eu li foi Caçador de Pipas (maior livro que eu já li) e tipo, é como se eu tivesse passado um filme na minha cabeça.

    Eu gosto disso. Mas as vezes tenho medo de ser algum transtorno. E, vendo que meu irmão tem um (autismo), eu tenho medo de ser algum transtorno psicológico.

    Sendo assim, se for, eu tenho medo até de ter filhos biológicos.

    Tenho vergonha de isso ser loucura. Mas acho que não é, pois isso nunca me confundiu, mas só me incomoda pois as outras pessoas não pensam nisso.

    ResponderExcluir
  21. Pensamentos positivos e boas ações atraem coisas boas, tanto na vida como nos investimentos

    Abraço e bons investimentos


    ResponderExcluir
  22. O que acha de crowfunding? Qual a sua opinião? Nos EUA vi que é bem divulgado, aqui no Brasil só vi uma empresa. Obrigado, abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, não tenho muita opinião formada sobre o assunto.
      Um abs

      Excluir
  23. https://www.oantagonista.com/economia/thomas-piketty-e-o-palocci-internacional-pt/

    Um presente para quem gosta de Piketty e de falar que o PT ajudou os pobres no Brasil... O tempo, o senhor da razão!

    "O francês Thomas Piketty é o novo querido da esquerda mundial, por defender que os ricos devem pagar mais impostos para diminuir a desigualdade.

    Mas Piketty se transformou numa espécie de Antônio Palocci internacional do PT.

    O Instituto World Wealth and Income Database, do qual ele é diretor, divulgou um estudo que mostra como o PT não diminuiu porcaria nenhuma a desigualdade no Brasil.

    Os principais dados são os seguintes:

    — De 2001 a 2015, a fatia da riqueza nacional dos 10% mais ricos aumentou de 54% para 55%;

    — A fatia dos 50% mais pobres aumentou de 11% para 12%;

    — Os 40% de brasileiros de (por assim dizer) classe média, que tinham 34% da renda, passaram a ter 32%. Ou seja, a classe média encolheu, ao contrário da propaganda da “nova classe C”.

    Ah, diria um petista, mas o estudo não levou em conta o Bolsa Família e congêneres.

    Bobagem.

    Se tivesse levado em conta o Bolsa Família e congêneres, os 50% mais pobres teriam, ainda assim, apenas 14% da renda, sem que isso significasse um decréscimo na renda dos mais ricos."

    Carpe diem!



    O PT é uma farsa em todos os sentidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega, poderia exercitar a sua capacidade analítica e dizer qual é a relação desse excerto com o texto aqui desse blog? Realmente fiquei curioso.
      Abs

      Excluir
  24. É meu amigo, eu acho muito bacana a serendipidade da vida.
    Me sinto muito feliz em ser citado aqui e ter sua confiança.
    Tomara que esse seu investimento vultuoso se corrobore numa boa escolha.
    Venha trabalhar aqui comigo e ser meu sócio, é trabalho pra caramba viu?
    Eu achava que ia ser light, que nada! kkkkkk
    Eu tava achando que era igual a bitcoin, só comprar e ir pra boca do caixa, mas meu amigo, é um trabalho braçal cujo resultado vai depender uns 65% apenas de mim, você acredita nisso? É desafiador mas vai tomar algum tempo. Legal também que vc conheceu o CF. Um dia vamos fazer uma reunião para discutir amenidades. Grande abraço meu amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Frugal!
      Feliz com as palavras irmão!
      Logo mais apareço aí na sua terrinha.
      Um abs!

      Excluir